Portfólio de patentes em tecnologias nucleares e outras tecnologias competitivas da CNEN com foco na sustentabilidade / CNEN's patent portfolio on nuclear and other competitive technologies with a focus on sustainability

Daniela Lima Cerqueira Archila, Tereza Raquel Taulois Campos

Abstract


O presente artigo se refere a um estudo sobre gestão de tecnologia e inovação na Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), uma INN pública do Brasil, com o objetivo de identificar em que grau seus resultados de P&D estão alinhados com os C&T&I nacionais e às prioridades políticas industriais, bem como com os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU. A metodologia baseia-se na caracterização e avaliação do portfólio de patentes de tecnologia da CNEN depositadas no INPI, com base na Classificação Internacional de Patentes (CIP), para a seleção de indicadores de sustentabilidade voltados para produtos, processos e serviços que atendam às necessidades da sociedade brasileira e do mercado global. Os resultados apontam as forças e fraquezas do portfólio de patentes da CNEN e as possíveis oportunidades de alavancar negócios e melhorar a interação com a indústria no Brasil, alinhados às estratégias de desenvolvimento do país e à implementação da agenda de desenvolvimento sustentável.


Keywords


tecnologia nuclear, portfólio de patentes, desenvolvimento sustentável, inovação.

References


ARROW, K. Economic welfare and allocation of resources for invention. In: R. NELSON (ed.), The Rate and Direction of Inventive Activity. Princeton: Princeton Univ. Press, 1962.

BRASIL. Lei n° 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF, 31 ago. 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm.

BRASIL. Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, DF, 02 dez. 2004.

BRASIL. Lei n° 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima – PNMC e dá outras providências. Brasília, DF, 30 dez. 2009.

BRASIL. Política Nacional de Desenvolvimento Regional. 2010.

BRASIL. Plano Brasil Maior, 2011.

BRASIL. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015. Balanço das Atividades Estruturantes 2011. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília. 2012.

BRASIL, (2016), Lei n° 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento cientifico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei n 10.973, de 2 de dezembro de 2004 e dá outras providências. Brasília, DF, 12 jan. 2016.

BRASIL. Decreto n° 9.283, de 07 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, e dá outras providências. Brasília, DF, 07 fev. 2018.

CNEN. Comissão Nacional de Energia Nuclear. Realidade e Perspectivas. CT BRASIL, Ministério de Ciência e Tecnologia, 2003.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R&D. Economic Journal, v. 99, p. 569-596, 1989.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, p. 128-152, 1990.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Mapa Estratégico da Indústria, 2013-2022. Brasília: CNI, 2013.

DE NEGRI, J. A.; KUBOTA, L. C. Políticas de incentivo à inovação tecnológica. Brasília: IPEA, 2008.

DUTTA, S.; LANVIN, B.; WUNSCH-VINCENT, S. Global Innovation Index 2018, Energizing the world with innovation. 11th Edition. Cornell University, Insead & World Intellectual Property Organization (WIPO). 2018.

FREITAS, I. M. B; MARQUES, R. A.; PAULA E SILVA, E. M. University-industry collaboration and innovation in emergent and mature industries in new industrialized countries, Research Policy, v. 42, p. 443-453, 2013.

JUNG, T.; WALSH, J. P. Organizational paths of commercializing patented inventions: The effects of transaction costs, firms capabilities and collaborative ties. Centre for Innovation, Research and Competence in the Learning Economy (CIRCLE), Lund University, Paper n. 2011/03, 56 p., Apr. 2001.

KLEVORICK, A.; LEVIN, R.C.; NELSON, R.R.; WINTER, S.G. On the sources and significance of interindustry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24 (2), p. 185-205, 1995.

LDSOFT – LDSOFT Automação para Advocacia e Propriedade Intelectual. Sistema APOL. Disponível em: http://ldsoft.com.br. Acesso em: 27 ago 2018.

LUNDVALL B-Å. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter Publishers, p. 1-19, 1992.

MDG - The Millennium Development Goals Report, United Nations New York, 2015.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. MCTI.

MINISTÉRIO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO – MCTI. Livro azul da 4ª conferência nacional de ciência tecnologia e inovação para o desenvolvimento sustentável. Brasília: MCT, CGEE, 2010. 99p

MINISTÉRIO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. MCTIC. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. 2016-2022. 2016.

MOWERY, D.; NELSON, R. R. Sources of industrial leadership: studies of seven industries. MOWERY D. NELSON R.R (eds.). New York: Cambridge University Press, 1999.

MOWERY, D.; NELSON, R. R.; SAMPAT, B. N.; ZIEDONIS, A. A. The growth of patenting and licensing by U.S. universities: an assessment of the effects of the Bayh-Dole Act of 1980. Research Policy, v. 30, p. 99-119, 2001.

NARIN, F.; HAMILTON, K. S.; OLIVASTRO, D. The increasing linkage between U. S. technology and public science. Research Policy, v. 26, p. 317-330, 1997.

NELSON, R. R. National Innovation Systems: a comparative analysis. New York: Oxford University Press, 1993.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development, (2013), Measuring patent quality: indicators of technological and economic value. OECD Science, Technology and Industry Working Papers.

OLIVEIRA, J. F. G.; TELLES, L. O. O papel dos institutos públicos de pesquisa na aceleração no processo de inovação empresarial no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 89, p. 204-217, Mar/Mai. 2011.

ONU, 2015. Transforming our world: The 2030 Agenda for Sustainable Development.

PACHECO, C.A. A cooperação universidade-empresa no Brasil: dificuldades e avanços de um sistema de inovação incompleto. In: Reunión Regional OMPI/CEPAL de Expertos sobre el Sistema Nacional de Innovación: Propiedad Intelectual, Universidad y Empresa. Santiago, 1 a 3 de octubre de 2003.

PAVITT, K. The social shaping of the national science base. Research Policy, v. 27 (8), p. 793-805, 1998.

PÓVOA, L. M. C. Patentes de universidades e institutos públicos de pesquisa e a transferência de tecnologia para empresas no Brasil. Belo Horizonte: CEDEPLAR/UFMG, 2008. (Tese de Doutorado).

PNDR, (2010), Política Nacional de Desenvolvimento Regional

PNMC, (2009), Lei n° 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima – PNMC e dá outras providências. Brasília, DF, 30 dez. 2009

QUENTAL, C.; GADELHA, C. A. G.; FIALHO, B. C. O papel dos institutos públicos de pesquisa na inovação farmacêutica. RAP, RJ, v. 35 (5), p. 135-161, Set/Out., 2001.

ROSENBERG, N. Inside the Black Box: Technology and Economics. London: Cambridge University Press, 1982.

ROSENBERG, N. Why do firms do basic research (with their own money)? Research Policy, Elsevier, v. 19(2), p. 165-174, 1990.

ROSENBERG, N.; NELSON, R. R. American universities and technical advance in industry. Research Policy, Elsevier, vol. 23: 323–348, 1994.

SALLES-FILHO, S.; BONACELLI M. B . M. Trends in the organization of public research orgs.: lessons from the Brazilian case. Science and Public Policy, v. 37, p. 193-204, 2010.

SCHMOCH, U. Concept of a Technology Classification for Country Comparisons. Final Report, World Intellectual Property Organisation (WIPO), 15 p., jun. 2008.

VILLASCHI, A. Anos 90: uma década perdida para o sistema de inovação brasileiro? São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 2, p. 3-20, abr./jun. 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-015

Refbacks

  • There are currently no refbacks.