Uso de tecnologias assistivas para o ensino de astronomia a alunos deficientes visuais e auditivos / Use of assistive technologies for teaching astronomy to visually disabled and hearing students

Arilson Paganotti, Crislayne Aparecida Modesto Reis, Marcos Rincon Voelzke, Ana Rachel Carvalho Leão

Abstract


Este trabalho objetivou analisar o conhecimento de Astronomia de duas turmas de estudantes nas quais se encontram matriculados um discente surdo e um deficiente visual.  Outro objetivo foi verificar a contribuição das tecnologias assistivas[1] produzidas com materiais de baixo custo, para a aprendizagem dos deficientes como também do restante da turma no que se refere a alguns conceitos básicos de Astronomia trabalhados na disciplina Ciências. O trabalho foi realizado com alunos do 8º e 9º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede estadual de ensino de Minas Gerais. Para a coleta dos dados utilizou-se dois questionários previamente elaborados. Verificou-se que grande parte dos estudantes possuía muita dificuldade com assuntos relacionados à Astronomia, sendo que também apresentavam erros conceituais. Observou-se que os alunos com deficiência possuíam dificuldades em compreender os conteúdos trabalhados pelo professor, devido ao ensino não ser adequadamente adaptado para eles. No segundo questionário, aplicado após a realização das atividades de intervenção didática realizadas com materiais táteis coloridos, verificou-se uma melhora significativa para todos os discentes, o que mostra que esses materiais produzidos com objetos de baixo custo podem constituir um recurso didático eficiente para o ensino dos conteúdos de Astronomia/Ciência. Percebeu-se que o uso de tecnologias assistivas, favoreceu consideravelmente o aprendizado de todos os discentes da classe, amenizando principalmente as dificuldades de entendimento apresentadas inicialmente pelos alunos com deficiência.

 


 

 


Keywords


Ensino de Astronomia, Materiais táteis, Inclusão, Materiais de baixo custo

References


BRASIL. PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 1998. Disponível em: Acesso em: 02 de nov. 2016.

BRASIL. Decreto Nº 6.571, de 17 novembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 de jan. 2017.

BRASIL. Constituição da Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, LDB de 1996. Disponível em: . Acesso em: 27 de set. 2020.

CAMARGO, E. P. Saberes docentes para inclusão do aluno com deficiência visual em aulas de física. São Paulo: UNESP, 2012.

DIAS, C. A. C. M.; RITA, J. R. S. Inserção da Astronomia como disciplina curricular do Ensino Médio. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, São Carlos, n.6, p. 55-65, 2008.

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, 346 f. Salvador, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/10563/1/Tese%20Teofilo%20Galvao.pdf. Acesso em: 18 de nov. 2020.

LIMA, M. C. A. B.; MACHADO, M. A. D. As representações sociais dos licenciandos de Física referentes à inclusão de deficientes visuais. Revista Ensaio, vol.13, n.3, p.119-131, 2011.

MARQUES, J. M. S; FERREIRA, S. B. L.; CAPPELLI, C. Identificando as principais dificuldades na compreensão de gráficos pelos cidadãos cegos. Rev. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 11, p.88683-88704, nov. 2020.

MINAS GERAIS, SEE. Conteúdo Básico Comum (CBC) de Física no Ensino Médio, versão 2006. Disponível em: Acesso em: 18 de out. 2016.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: um conceito subjacente. Porto Alegre: Instituto de Física da UFRGS. 2004. Disponível em: . Acesso em: 02 de nov. 2016.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa Crítica. Porto Alegre: Instituto de Física da UFRGS. 2005. Disponível em: . Acesso em: 02 de nov. 2016.

MOREIRA, M. A. O que é afinal Aprendizagem Significativa? Porto Alegre: Instituto de Física da UFRGS. 2007. Disponível em: Acesso em: 18 de out. 2016.

OLIVEIRA, F. I. W.; BIZ, V. A.; FREIRE, M. Processo de inclusão de alunos deficientes visuais na rede regular de ensino: confecção e utilização de recursos didáticos adaptados. Presidente Prudente - SP. Núcleo de ensino. UNESP. 2002.

PAGANOTTI, A. ; REIS, C. A. M. ; VOELZKE, M. R. Use of tactile materials for Astronomy teaching for visually and hearing impaired public schools in Minas Gerais. Proceedings. In: XLI Reunião Anual da Sociedade Astronômica Brasileira. Boletim da Sociedade Astronômica Brasileira, Vol. 30, no. 1, 8-9, 2018, São Paulo. Disponível em: https://sab-astro.org.br/wp-content/uploads/2018/10/ArilsoPaganotti.pdf. Acesso em: 10 de nov. 2020.

RIZZO, A. L.; BORTOLINI, S.; REBEQUE, P. V. S. Ensino do Sistema Solar para alunos com e sem deficiência visual: proposta de ensino inclusivo. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Vol. 14 nº 1, 2014.

SOARES, K. D. A.; CASTRO, H. C.; DELOU, M. C. Astronomia para deficiente visual: Inovando em materiais didáticos acessíveis. Revista electrónica de Ensenãnza de lãs Ciências, Vol. 14., Nº 3,377-391 (2015).

XAVIER, B. R.; VOELZKE, M. R.; FERREIRA, O. R. Vozes que saem das mãos: o ensino de Astronomia para surdos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 257-276, 21 jun. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-005

Refbacks

  • There are currently no refbacks.