Modelo empresa júnior: Interação escola x empresa na formação gerencial do administrador e orientação ao empreendedor / Model junior company: Interaction school x management training company for administrator and entrepreneur guidance

Lilian Silva Dias, Patricia de Oliveira, Kamilla Mello Marcelino

Abstract


O presente artigo tem por objetivo demonstrar a interação entre escola e empresa, dando o enfoque para a contribuição que a empresa júnior pode fazer para contribuir para a melhoria da micro e pequena empresa, descrevendo a elaboração de uma empresa júnior e como esta estrutura suas ações e diretrizes dentro da instituição de ensino. A abordagem que realmente mexeu com a administração nos últimos anos foi o empreendedorismo. A implantação de qualquer negócio implica em risco: perda do capital empregado, além da possibilidade de contração de dívidas e, até mesmo, grandes problemas que uma falência pode acarretar. Empreender, criar um novo negócio, é algo muito sério que exige o máximo de prudência e conhecimento de empreendedorismo. Conclui-se que a empresa júnior está para o empreendedor como uma facilitadora no que tange ao progresso dos negócios e para o administrador em formação como uma oportunidade de aprimoramento de sua formação.


References


ADAIR, J. Como lidar com eficiência: um manual de autodesenvolvimento. Trad. Célia M. Leal da Costa Genovez. São Paulo: Nobel, 1999.

ANGRAD, Revista. Estudos críticos em Administração: um novo olhar sobre o fenômeno organizacional. v. 7, N. 4, Out./Nov./Dez. 2006

BASSI, E. Empresas locais e globalização guia de oportunidades estratégicas para o dirigente nacional. São Paulo: Cultura, 2000.

BOM ÂNGELO, E. Empreendedor corporativo: a nova postura de quem faz a diferença. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

BRANDÃO, Hugo Pena; GUIMARÃES, Tomás de Aquino. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo constructo? Revista de Administração de Empresas, v.41, n. 1, p. 8-15, jan./mar. 2001.

BRASIL JÚNIOR. Movimento de Empresas Juniores. Disponível em: www.brasiljunior.org.br. Acesso em: 15/11/2013. II Confederação Brasil de Empresas Júnior. Disponível em: www.brasiljunior.org.br/category/8-arquivos-gerais?

BRITTO, F.; WEVER, L. Empreendedores brasileiros: vivendo e aprendendo com grandes nomes. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CASTILHO, A. Liderando grupos: um enfoque gerencial. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

CESTARI JUNIOR, H. Pequena empresa: empreender ou arriscar? Disponível em www.pp.ufu.br/cobenge2001/trabalhos. Acessado em 14.11.2012

CHAMPY, James. O âmbito da ambição. HSM Management: informação e conhecimento para a gestão empresarial., n. 23, ano 4, p. 8-12, 2000. Entrevista concedida a Andrea Cajaraville.

CHIAVENATO, I. Empreendedorismo: Dando asas ao espírito empreendedor: empreendedorismo e viabilidade de novas empresas: um guia eficiente para iniciar e tocar seu próprio negócio. São Paulo: Saraiva, 2007.

_____ Teoria geral da administração, ed revista, São Paulo: Mc Graw – Hill, 1999.

COVEY, Stephen R. Liderança baseada em princípios. São Paulo: Campus, 1996.

CURVELLO, J. J. A . Cultura organizacional. São Paulo: Scortecci, 2002.

DARÓS, M. da M. Termo de referência para atuação do sistema SEBRAE no setor de serviços. Brasília : SEBRAE, 2008.

DINIZ, Análise do potencial empreendedor dos alunos do curso de administração da UFPB – Campus de Bananeiras. Mono:Bananeiras, 2006.

DOLABELA, F. Uma ideia, uma paixão e um plano de negócios: como nasce o empreendedor e se cria uma empresa. São Paulo: Cultura Editores Associados, 2006

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009

_____. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e princípios. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

_____. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira , 2001.

_____. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, 1995.

DUARTE, R. C. Habilidades e competências do SAP R/3 (Systemanalyse und Programmentwicklung): o caso da Vonpar Refrescos S/A. 2000. 114 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Curso de Pós-graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

FIATES, G. G. S. Avaliação de Ferramentas da Internet para apoiar o desenvolvimento de organizações de aprendizagem. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) UFSC, Santa Catarina, 2001.

GIMENEZ, F. A. P.; TÓFFOLO K.S Empreendedorismo feminino rural: Jane Calamidade ou Scarlet O’Hara? São Paulo: Atlas, 2005.

GREATTI, L.; SENHORINI, V. M. Empreendedorismo: uma visão comportamentalista. In: ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE EMPRESAS. Anais...,1., Maringá (PR), 2000.

JUNQUEIRA, L. A C. Gerente total: como administrar com eficácia no século XXI. São Paulo: Gente, 1999.

KAPLAN, R. S. ; NORTON, D. P. Organização Orientada para a Estratégia, 12ª ed. Campus, 2001. p. 340 Disponível em < http://books.google.com.br/ books? >Acessado em: 02.11.2011.

KUGELMEIER, W. Como desenvolver sua postura de empreendedor. Disponível em www.wkprisma.com.br/treinamento empresarial. Acessado em 02.11.2011.

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA. 2006. Disponível em

http://leigeral.sp.sebrae.com.br/publicacoes/apresentacao_lei_geral_supersimples.pdf > Acessado em : 25 .11. 2013.

LIBÂNEO, P.; OLIVEIRA, M.; TOSCHI, S. M. Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em Aberto, Brasília, v. 17, n. 72, p. 11-34, fev./jun. 2007.

LONGENECKER, J. G.; MOORE, C. W.; PETTY, J. W. Administração de pequenas empresas: ênfase na gerência empresarial. São Paulo: Makron Books, 1997.

LUFT, C. P. Minidicionário. 20ª ed, São Paulo: Ática, 2010.

MALUCHE, M. A. Modelo de controle de gestão para a pequena empresa como garantia da qualidade. Florianópolis, 2000. Dissertação (Mestrado Engenharia de Produção) - EPS, Universidade Federal de Santa Catarina, 2000

_____. A Empresa Júnior no Brasil e no mundo. São Paulo: Martin Claret, 1997.

MAXIMIANO, A. C. A. Administração para empreendedores: fundamentos da criação e da gestão de novos negócios. São Paulo: Pearson Prentice Hall , 2006 .

MCCLELLAND, D. C. A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e cultura, 1972.

MENDONÇA, V. H. B. O marketing social como diferencial entre as empresas juniores. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Administração de Empresas), Centro Universitário Moacyr Sreder Bastos, Campo Grande, RJ, 2008.

MORETTO NETO, L. M.; JUNKES, P. N.; ROSAURO, D. Z. BENKO, F. Empresa Júnior – Espaço de Aprendizagem. Florianópolis, 2004.

MORIN, E. M. Os sentidos do trabalho, RAE Executivo, v.1, n.1, p.71-75, ago/out 2002.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ODERICH, C. L.; LOPES, F. D. Novas competências e gerência internacional – uma análise a partir da perspectiva institucional. REAd Revista Eletrônica de Administração, ISSN 1413-2311, Edição 19, nº 1, v.7, mar. de 2001. Disponível em http://read.adm.ufrgs.br/read19/artigo/artigo6.htm Acesso em 19 mai. 2008.

OLIVEIRA, D. de P. R. de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 11 ed., São Paulo: Atlas, 2004.

OLIVEIRA, E. M. Empreendedorismo social e empresa júnior no Brasil: fundamentos e estratégias. (Tese de doutorado) São Paulo: UNESP, 2004. Disponível em: www.fae.edu/publicações/pdf. Acessado em 12.11.2011

RUAS, R. Atividade gerencial no século XXI e a formação de gestores: alguns nexos pouco explorados. REAd Revista Eletrônica de Administração, ISSN 1413-2311, Edição 15 nº 3 v.6, out. 2000. Disponível em http://read.adm.ufrgs.br/read15/artigo/artigo2.htm Acesso em 10.11.2011.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1997.

SEBRAE. Fatores condicionantes de taxa de mortalidade de empresas no Brasil. Relatório de Pesquisa. Brasília: SEBRAE, 2004.

SIMPÓSIO DE EXCELENCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA. Disponível em www.aedb.br/seget/artigos09/195 _mortalidade _nas_MPE.pdf . Acessado em 05.11.2011.

SILVA, R. C.F da; PINTO, S. R. R. Administração: ensino e pesquisa. Revista de Negócios, Blumenau, v. 12, n. 4, p. 32 - 43, outubro/dezembro 2006.

SILVA, C. H. P.; SILVA, J. R. G. A Contribuição do estágio profissional no processo de formação das competências do administrador. In: XIV Seminário de Iniciação Científica da Puc-Rio, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2006.

TACHIZAWA, T.; CRUZ JR.; J. B. da; ROCHA, J. A. de O. Gestão de negócios: visões e dimensões empresarias da organização. São Paulo: Atlas, 2003.

TAPSCOTT, D. Economia digital. São Paulo: Makron Books, 1999.

TRAVASSOS, A. C. de A. Nova biblioteca de administração empresarial, São Paulo: Nova Brasil, 1979.

VILLELA, L. E.; NASCIMENTO L. M. F. Competências Pós-Industriais exigidas pelas empresas a estagiários e Recém-Formados – pesquisa de campo elaborada junto a sete unidades do CIEE localizadas nas maiores regiões metropolitanas do Brasil. In: XXVII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - EnANPAD, 2003, Atibaia. Anais... Atibaia: Anpad, 2003.

OUTRO SITE CONSULTADO:

www.angrad.org.br - Acessado em 25.11.2011




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv3n1-22

Refbacks

  • There are currently no refbacks.