Frequência do consumo de açúcar e bebidas açucaradas por crianças atendidas em um ambulatório de pediatria no Vergel do Lago em Maceió-Alagoas/ Frequency of sugar and sugary drinks consumption among children treated in a pediatric ambulatory in Vergel do Lago Maceió-Alagoas

Anny Elizabete Ferreira da Silva Brígido, Clarissa Cotrim Dos Anjos, Gilnelayne Cintia Dos Santos Nascimento, Isadora Bianco Cardoso De Menezes, Kethilly Thifanny Da Silva Caldeira, Roberta Graziele Da Cruz Leite, Thays Cristine Ferro Wanderley, Thaynara Melo Dos Anjos

Abstract


Estudos apontam o aumento no consumo de bebidas açucaradas e açúcar entre a população infantil, período importante para o estabelecimento dos hábitos alimentares. Estudo transversal, cujo objetivo foi avaliar a frequência do consumo de açúcar e bebidas açucaradas pelas crianças atendidas em um ambulatório de pediatria no bairro do Vergel do Lago em Maceió-AL atendidas no período de março a setembro de 2019, onde foram coletados dados sociodemográficos e de consumo alimentar. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética do Centro Universitário Cesmac ao qual está vinculado sob número: 3.387.083. Todos os pais e / ou responsáveis assinaram o TCLE. Foram analisadas 24 crianças, com idade média de 4,7 anos (± 2,4).Quanto à renda familiar, 54% das mães obtêm menos de um salário mínimo, segundo a escolaridade materna, 50% apresenta ensino fundamental. O consumo diário de açúcar de adição foi observado em 67% das crianças e bebida açucarada mais frequente consumida diariamente para uma bebida láctea (37%; n = 9), seguida do suco de caixinha e / ou em pó (34%; n = 8), achocolatado em pó e / ou líquido (17%; n = 4) e refrigerante (12%; n = 3). O refrigerante é mais prevalente quando observado o seu consumo semanal e mensal. Conclui-se que houve uma avaliação considerada não consumo de açúcar de adição e bebidas açucaradas e que a baixa renda e baixa escolaridade materna podem ter influência nas escolhas alimentares das mesmas, portanto, há necessidade de atividades promotoras de alimentação saudável.achocolatado em pó e / ou líquido (17%; n = 4) e refrigerante (12%; n = 3). O refrigerante é mais prevalente quando observado o seu consumo semanal e mensal. Conclui-se que houve uma avaliação considerada no consumo de açúcar de adição e bebidas açucaradas e que a baixa renda e a baixa escolaridade materna podem ter influência nas escolhas alimentares das mesmas, portanto, há necessidade de atividades promotoras de alimentação saudável. achocolatado em pó e / ou líquido (17%; n = 4) e refrigerante (12%; n = 3). O refrigerante é mais prevalente quando observado o seu consumo semanal e mensal. Conclui-se que houve uma avaliação considerada não consumo de açúcar de adição e bebidas açucaradas e que a baixa renda e baixa escolaridade materna podem ter influência nas escolhas alimentares das mesmas, portanto, há necessidade de atividades promotoras de alimentação saudável.


Keywords


Crianças, Consumo alimentar, Bebidas açucaradas.

References


AQUINO, R. C.; PHILIPPI, S. T. Consumo infantil de alimentos industrializados e renda familiar na cidade de São Paulo. Rev. Saúde Pública, v. 36, n. 1, p. 655-660, 2002.

ALMEIDA, A. B. et al. Obesidade Infantil e suas Causas: uma Revisão. International Journal of Nutrology, v. 11, n. 1, p. 589, 2018.

BERTUOL, C. D.; NAVARRO, A. C. Consumo Alimentar e prevalência de obesidade/emagrecimento em pré-escolares de uma escola infantil pública. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 9, n. 52, p. 127-134, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics. Underlying cause of death 1999–2015 on CDC WONDER online database. Data are from the multiple cause of death files, 1999–2015, as compiled from data provided by the 57 vital statistics jurisdictions through the Vital Statistics Cooperative Program; 2016. Disponível em: http://wonder.cdc.gov/ucd–icd10.html. Acessado em 25 de Novembro de 2017.

COLUCCI, A. C. A. et al. Desenvolvimento de um questionário de frequência alimentar para avaliação do consumo alimentar de crianças de 2 a 5 anos de idade. Rev. Bras. Epidemiol, v. 7, n. 4, p. 393-401, 2004.

DA SILVA, G. A. P.; BALABAN, G.; DE MOTTA, M. E. F. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de diferentes condições socioeconômicas. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., v. 5, n. 1, p. 53-59, 2005.

DOS SANTOS, D. R. L. et al. Excess weight in preschool children: The role of food intake. Revista de Nutrição, v. 30, n. 1, p. 45-56, 2017.

EZZATI, M.; BENTHAM, J.; DI CESARE, M. Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128.9 million children, adolescents, and adults. LANCET, v. 390, n. 10113, p. 2627-2642, 2017.

FISBERG, M. et al. Ambiente obesogênico - oportunidades de intervenção. J. Pediatr. (Rio J.), v. 92, n. 3, p. 30-39, 2016.

GONZALEZ-PALACIOS, S. et al. Sugar-Containing Beverages Consumption and Obesity in Children Aged 4–5 Years in Spain: the INMA Study. Nutrients, v. 11, n. 8, p. 1772, 2019.

GRAYCE, L. L. S.; NEVES, L. F.; DE PINHO, L. Fatores associados à alimentação entre crianças atendidas em instituições públicas de educação infantil: estudo transversal. Revista da Associação Brasileira de Nutrição, v. 8, n. 2. P. 20-26, 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. 2011. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2011.

JAIME, P. C. et al. Family influence on the consumption of sugary drinks by children under two years old. Revista de saúde pública, v. 51, n. 1, p. 1-10, 2017.

KARNOPP, E. V. N. et al. Consumo alimentar de crianças menores de seis anos conforme o grau de processamento. J. Pediatr., v. 93, n. 1, p. 70-78, 2017.

KOSTECKA, M. A influência das dietas infantis pré-escolares sobre o risco de doenças do estilo de vida. Um estudo piloto. Roczniki Panstwowego Zakladu Higieny, v. 69, n. 2, p. 139-145, 2018.

LEIRAS, E. M. V. Comportamento alimentar da criança: a influência materna. 2015, 151 f. Dissertação (Mestrado em nutrição) – Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal, 2014.

LEVY-COSTA, R. B. et al. Disponbiilidade de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev. Saúde Pública, v. 39, n. 4, p. 530-540, 2005.

LOPES, M. M. D.; DELLA LÍBERA, B. Educação nutricional e práticas alimentares saudáveis na infância. REINPEC-Revista Interdisciplinar Pensamento Científico, v. 3, n. 1, p. 200-296, 2017.

MELO, T. S.; LINS, R. D. B. O fenômeno dos assentamentos humanos precários em áreas urbanas ambientalmente frágeis: o caso das favelas do Dique-Estrada, em Maceió, Alagoas. 2010, 199 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2010.

PEREIRA, I. F. S. et al. Estado nutricional de menores de 5 anos de idade no Brasil: evidências da polarização epidemiológica nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 1, p. 3341-3352, 2017.

PAIM, B. S. et al. Adesão a recomendações alimentares em pré-escolares: ensaio clínico com mães adolescentes. Revista de saúde pública. São Paulo., v. 50, n. 10, p. 1-10, 2016.

RELVAS, G. R. B.; BUCCINI, G. S.; VENANCIO, S. I. Consumo de alimentos ultraprocessados entre crianças com menos de um ano na atenção primária à saúde em uma cidade da região metropolitana de São Paulo, Brasil. J. Pediatr., v. 95, n. 5, p. 584-592, 2019.

ROSS, S. E. et al. What is really causing the obesity epidemic? A review of reviews in children and adults. J Sports Sci, v. 34, n. 14, p. 1148-1453, 2016.

ROZANA, M. T.; ELSA, R. J. G. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev. Saúde Pública, v. 39, n, 4, p. 541-547, 2005.

SILVEIRA, G. L. L; NEVES, L. F.; DE PINHO, L. Fatores associados à alimentação entre crianças atendidas em creches públicas de Montes Claros. Revista da Associação Brasileira de Nutrição-RASBRAN, v. 8, n. 2, p. 20-26, 2017.

SOLDATELI, B.; VIGO, A.; GIUGLIANI, E. R. J. Adherence to dietary recommendations for preschoolers: clinical trial with teenage mothers. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, n.1, p.1-9, 2016.

SPARRENBERGER, K. et al. Consumo de alimentos ultraprocessados entre crianças de uma Unidade Básica de Saúde. Jornal de Pediatria, v. 91, n. 6, p. 535-542, 2015.

TAMANOL, L. T. O. et al. Socioeconômica e saúde dos pescadores de Mytella falcata da Lagoa Mundaú, Maceió-AL. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., v. 10, n. 3, p. 699-710, 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry- Report of a WHO Expert Commit-tee. Geneva, 1995.

ZIESMANN, A. et al. The Association between Early Childhood and Later Childhood Sugar-Containing Beverage Intake: A Prospective Cohort Study. Nutrients, v. 11, n. 10, p. 2338, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n12-434

Refbacks

  • There are currently no refbacks.