Conhecimento sobre o câncer de colo uterino por mulheres de uma cidade do sul do Brasil / Knowledge about cervical cancer by women in a city in southern Brazil

Paula Ceolin Lauar, Renata Ceolin Lauar, Isabele Fuentes Barbosa, Ana Carolina Zago, Vera Maria de Souza Bortolini, Guilherme Cassão Marques Bragança

Abstract


O câncer de colo uterino é um grande problema de saúde pública no Brasil. Estima-se que esta patologia seja a terceira neoplasia mais comum entre as mulheres, fazendo com que este câncer seja um dos maiores causadores de morte no mundo. O maior causador desta neoplasia é o Papiloma Vírus Humano (HPV), visto que cerca de 70% dos casos são motivados por esta infecção viral, que desenvolve-se a partir de relações sexuais. Há também outros fatores de risco para desenvolver o câncer de colo uterino, como início da atividade sexual precoce, multiparidade de parceiros sexuais, tabagismo, baixa condição socioeconômica, imunossupressão, uso prolongado de contraceptivos, entre outros. Como forma de diagnóstico para garantir a prevenção existe o exame de Papanicolau, igualmente chamado de exame preventivo ou colpo citologia oncótica, tendo uma enorme importância para modificar os números de ocorrência e consequente mortalidade por essa patologia. Neste sentido, o presente trabalho teve como objetivo descrever o perfil de conhecimento sobre diagnóstico, tratamento e prevenção do câncer de colo de útero entre o público feminino na cidade de Bagé-RS. Trata-se de um estudo transversal quantitativo em que as informações foram coletadas utilizando-se um instrumento padronizado com questões fechadas e abertas, aplicado às participantes pela ferramenta on-line e gratuita Google Forms. Foram entrevistadas 418 mulheres, sendo excluídas 30 segundo os critérios de idade e não aceitação em participar da pesquisa. Verificou-se que36,1% (n=141) das entrevistadas encontravam-se na faixa etária de 18 a 25 anos, 43,8% (n=170)possuindo renda bruta familiar de 1 a 3 salários mínimos e 32% (n=124) relataram não ter fácil acesso à informação sobre câncer de colo uterino. No que se refere ao entendimento sobre o câncer de colo uterino, verificou-se que 60,8% (n=236) das entrevistadas obtiveram informações através da internet e 23,2% (n=90) através do médico ginecologista, 45,6% (n=177) das entrevistadas conhecem alguém com esta doença e 2,6% (n=10) delas tiveram o diagnóstico de algum tipo de câncer, sendo que 2,2% (n=4) tiveram/tem câncer de colo uterino. Em relação à alimentação, 63,6% (n=247) das entrevistadas disseram que não influencia ou talvez influencie no surgimento deste tumor. Torna-se clara a necessidade de políticas de educação em saúde com viés direcionado ao aos aspectos de conhecimento acerca da prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de colo uterino por parte da população feminina.

 


Keywords


câncer de colo de útero, prevenção, conhecimento.

References


ARAUJO, A. F. L; SILVA, A. W. A.. Avaliação do padrão de realização do papanicolau para rastreamento de câncer de colo uterino em uma unidade básica de saúde de Lagarto–SE. 2019.

AQUINO, E. M. L. de et al..Situação atual da detecção precoce do câncer cérvico-uterino no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 2, n. 1, p. 53-65, 1986.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 144/GM, de 24 de fevereiro de 2000. Dia nacional de combate à obesidade.

BRENNA, S. M. F. et al..Conhecimento, atitude e prática do exame de Papanicolaou em mulheres com câncer de colo uterino. Cadernos de Saúde Pública, v. 17, n. 4, p. 909-914, 2001.

BRITO, D. M. S.; GALVÃO, M. T. G.. Fatores de risco para câncer de colo uterino em mulheres com HIV. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 11, n. 1, p. 191-199, 2010.

BOSTICK, R. M.. Nutrição e prevenção do câncer de cólon. In: Cancer and Nutrition . Karger Publishers. p. 67-86, 2000.

CASARIN, M. R.; PICCOLI, J. da C. E..Educação em saúde para prevenção do câncer de colo do útero em mulheres do município de Santo Ângelo/RS. Ciência &saúde coletiva, v. 16, p. 3925-3932, 2011.

COSTA, J. F. R.; CHAGAS, L. D; SILVESTRE, R. M.. A política nacional de saúde bucal do Brasil: registro de uma conquista histórica. In: A Política Nacional de Saúde Bucal do Brasil: registro de uma conquista histórica. 2006. p. 67-67.

FURNISS, K. K.. Tratamento de pacientes com distúrbios reprodutivos femininos. Smeltzer SS, Bare BG, organizadoras. Enfermagem Médico-Cirúrgica. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan, p. 1170-201, 2000.

GARÓFOLO, A.et al.. Diet and cancer: an epidemiological view. Revista de Nutrição, v. 17, n. 4, p. 491-505, 2004.

GLANZ, K.. Contribuições e necessidades da pesquisa comportamental na prevenção e controle do câncer: mudança na dieta alimentar. Medicina Preventiva, v. 26, n. 5, pág. S43-S55, 1997.

GREENWALD, P.; CLIFFORD, C.K.; MILNER, J.A.. Dieta e prevenção do câncer. Jornal europeu do câncer , v. 37, n. 8, pág. 948-965, 2001.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. Câncer do colo do útero. INCA: Brasil, 2015.

LOPES, R. L. M.. A mulher vivenciando o exame ginecológico na prevenção do câncer cérvico-uterino. Rev. Enferm. UERJ, p. 165-170, 1994.

NAKAGAWA, J. T.; et al..Fatores associados ao câncer invasivo do colo do útero no estado de Mato Grosso. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 9, n. 4, p. 799-805, 2010.

PARASURAMAN, A..Marketing research. 2. ed. Addison Wesley Publishing Company, 1991.

PARKIN, D. M.. Câncer em países em desenvolvimento. Pesquisas sobre câncer, v. 19, p. 519, 1994.

PELLOSO, S. M; DE BARROS, C. M. D.; HIGARASHI, I. H.. Conhecimento das mulheres sobre o câncer cérvico-uterino. Acta Scientiarum. Health Sciences, v. 26, n. 2, p. 319-324, 2004.

PETO, J.. Epidemiologia do câncer no século passado e na próxima década. Nature , v. 411, n. 6835, pág. 390-395, 2001.

PHILIPS, Z. et al.. Human papillomavirus and the value of screening: young women’s knowledge of cervical cancer. Health Education Research, v. 18, n. 3, p. 318-328, 2003.

RAMA, C. et al..Rastreamento anterior para câncer de colo uterino em mulheres com alterações citológicas ou histológicas. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 3, p. 411-419, 2008.

REBELO, M. S.. Análise sobre classe social e fatores assistenciais como prognóstico para sobrevida de pacientes com câncer de mama feminina, residentes no município do Rio de Janeiro, atendidas no Instituto Nacional de Câncer. 2004.

TEIXEIRA, G. M.et al.. O genograma e o ecomapa no cuidado de enfermagem em saúde da família. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 62, n. 3, p. 407-416, 2009.

TORRES, K. G. T. et al..Conhecimento e mudanças de comportamento de mulheres junto a fatores de risco para câncer de colo uterino. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 13, n. 5, p. 1045-1055, 2012.

VAN DUYN M.A, P.E..Visão geral dos benefícios para a saúde do consumo de frutas e vegetais para o profissional de dietética: literatura selecionada. J Am Diet Assoc, v. 100,n. 12, p.1511-21, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n12-353

Refbacks

  • There are currently no refbacks.