Relação criança e ambiente: uma experiência de educação ambiental usando um circuito sensitivo/ Child environmental relationship an environmental education experience using a sensitive circuit

Priscila Eduarda Dessimoni Morhy, Adana Teixeira Gonzaga, Alexandra Nascimento de Andrade, Augusto Fachín Terán, Silvia Alves de Souza, Lidiane de Melo Medeiros, Elder Tânio Gomes de Almeida

Abstract


As questões ambientais têm sido uma temática de destaque em nossa sociedade contemporânea. Cada vez mais pesquisas visam estudar metodologias e atividades pedagógicas a serem desenvolvidas desde a infância, com intuito de abordar desde a mais tenra idade assuntos e experiências sobre o cuidado com o meio ambiente e a sua importância para a nossa vida. O nosso objetivo foi avaliar sensações que permitiram aguçar os sentidos dos alunos em relação ao manuseio dos recursos naturais, usando um circuito sensitivo. O trabalho foi realizado com crianças de seis e sete anos, em duas turmas de 1º ano do Ensino Fundamental de uma escola da Zona Leste de Manaus. A atividade permitiu aguçar os sentidos das crianças e propiciar reflexões sobre a maneira muitas vezes “utilitarista” que manuseamos os recursos naturais. Através desse trabalho ressaltamos que, essas experiências são importantes, pois a Educação Ambiental deve ser trabalhada em todos os níveis de ensino de forma transversal, bem como promove a construção do conhecimento científico sobre temas que se correlacionam ao ensino de Ciências, para uma cultura de paz, respeito e gratidão a cada ser vivo e ao ambiente inteiro do Planeta Terra

Keywords


Circuito sensitivo, Educação Ambiental, Crianças.

References


ALENCAR, R.; FACHÍN-TERÁN, A.O processo de aprendizagem das crianças por meio da música e elementos sonoros em espaços educativos. Manaus: UEA edições,2015.

ALMEIDA, M. H. G. Ensino de história a partir do teatro: entre práticas e representações. In: NEVEZ, A. F.; PAULA, M. H.; ANJOS, P. H. R. Estudos Interdisciplinares em Humanidades e Letras. São Paulo: Blucher, 2016.

ANDRADE, A. N. As potencialidades do uso dos desenhos das crianças da Educação Infantil para a Divulgação Científica. Dissertação Educação em Ciência na Amazônia (Mestrado). Universidade do Estado do Amazonas. Manaus- AM: UEA, 2018.

ANDRADE, A. N.; FACHINTERAN, A.; ALMEIDA, E. T. G.; OLIVEIRA, G. P.; BATISTA, E. C.; SANTIAGO, C. O. J . Problemáticas ambientais urbanas no corredor ecológico urbano do igarapé do Mindu, Manaus, AM. In: ANDRADE, Alexandra Nascimento de; MORHY, Priscila Eduarda Dessimoni. (Org.). Práticas pedagógicas: ciências em espaços educativos não formais. 1ed.Rio de Janeiro: Publicar, 2020, v. 1, p. 34-43.

ANDRADE, M. C. P.; PICCININI, C. L. Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular: retrocessos e contradições e o apagamento do debate socioambiental. In: IX Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. Universidade Federal de Juiz de Fora, 2017.

ARAÚJO, E. C. dos S.; SOARES, E. S.; FARIAS, F. L. B.; SILVA, É. J. de A.; SILVA, M. J.; SOBRINHO, J. B. S.; SILVA, A. V.da; BARROS, A. T. Percepção ambiental de estudantes do ensino fundamental de uma escola pública. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 1, p.530-538, 2020.

Associação Brasileira de Ensino de Biologia - SBNEBIO. Algumas impressões sobre a base nacional comum e implicações sobre o ensino de ciências e biologia na educação básica. 2015. Disponível em: < http://www.sbenbio.org.br/wordpress/wpcontent/uploads/2015/12/Ana%CC%81liseBNCC-SBENBIO.pdf. Acesso em: 12 mar. 2019>.

BEHREND, D.M; COUSIN, C.S; GALIAZZI, M.C. Base nacional comum curricular: o que se mostra de referência à educação ambiental? Ambiente & Educação, v. 23, n. 2, p. 74-89 2018. ISSN - 1413-8638.

BENTO, G. Infância e espaços exteriores – perspectivas sociais e educativas na atualidade. Investigar em Educação, v.2, n.4, p. 127-140, 2015.

BISSOLI, M. F. Desenvolvimento da personalidade da criança: o papel da educação infantil. Psicologia em Estudo, v.19, n.4, p. 587-597, 2014.

BORGES, T. A.; PAIVA, S. R. Utilização do jardim sensorial como recurso didático. Revista Metáfora Educacional, n.7, 2009. Disponível em: www.valdeci.bio.br/revista.php. Acesso em: 02 mar. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 05 abr. 2019.

BRASIL. Constituição federal, 5 de outubro de 1988.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 05 abr. 2019.

BRASIL. Decreto de Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm. Acesso em: 02 nov. 2020.

BRASIL. Decreto de Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Política Nacional de Meio Ambiente.1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 4281, de 25 de junho de 2002. Regulamenta a Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências.2002. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4281.htm. Acesso em: 04 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC,1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf. Acesso em: 02 nov. 2020.

BRUSIUS, A.P. Os cinco sentidos humanos e a consciência ambiental em uma escola de educação infantil de Santa Maria-RS.229f. 2011. Monografia de Especialização em Educação Ambiental. Universidade Federal de Santa Maria - Centro de Ciências Rurais. Rio Grande do Sul: UFSM, 2011.

CAPRA, F. O ponto de mutação: A ciência, a sociedade e a Cultura emergente. Brasil: editora Cultrix, 2012.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2 ed. Porto Alegre. Editora: Artmed, 2007.

DUNBAR, S. B. et al. A pilot study comparison of sensory integration treatment and integrated preschool activities for children with autism. The Internet Journal of Allied Health Sciences and Practice, v.10, p. 1-8, 2012.

FACHÍN-TERÁN, A. Estratégias de ensino em disciplina do curso de mestrado educação em ciências na Amazônia:Percepção de estudantes. ReBECEM, v.3, n.1, p. 66-91, 2019.

FACHÍN-TERÁN, A.; JACAÚNA, C. L. F. S. Alfabetização ecológica em espaços educativos utilizando o tema da água. Manaus: UEA edições, 2015.

GONÇALVES, R.; MELLO, E. M. B.; MELLO-CARPES, P. B. Oficina “circuito sensorial” como metodologia utilizada na formação continuada de professores de ciências – um relato de experiência. Rev. Ciênc. Ext, v.12, n.1, p.6-13, 2016.

KORPELLA, K. Children’s environment. (ambiente das crianças). In: BECHTEL, R. B.; CHURCHMAN, A. (Orgs.), Handbook of Environmental Psychology. 2 ed. Nova York: Wiley, 2002.

LIMA, M. M. S. A cidade e a criança. São Paulo: Nobel, 1989.

LOUV, R. A última criança na natureza: Resgatando Nossas crianças do Transtorno do Déficit de Natureza. São Paulo: Aquariana, 2016.

MARANDINO, M. Interfaces na relação museu-escola. Cad. Cat. Ens. Fís., v.8, n.1, 2001.

MEC. CONSED. UNDIME. Base Nacional Comum Curricular,versão final. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 05 abr. 2019.

MORHY, P. E. D.; FACHÍN-TERÁN, A. Despertando o sentimento de pertença nas crianças em relação à água. Curitiba: Appris, 2019.

NEGRAO, F. C. ; MORHY, P. E. D. ; ANDRADE, A. N. Estratégias de ensino de matemática no bosque da ciência (INPA). In: MORHY, Priscila Eduarda Dessimoni; ANDRADE, Alexandra Nascimento de. (Org.). Práticas educativas no bosque da ciência, Manaus-AM. Rio de Janeiro: Publicar, 2020, v. 1, p. 68-77.

OLIVEIRA, C. M. de; DIAS, A. F. A criança e a importância do lúdico na educação. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 13, n. 02, p. 113-128,2017.

RAMOS, D. S.; SILVA, M. M. P. Análise comparativa da percepção ambiental de diferentes atores sociais de um município do semiárido paraibano. In Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental XXXIII. Anais... Salvador - BA, Abes, 2012.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SOUSA, J. O.; ARAUJO, M. V.; RIBEIRO, E. S.; SOUZA, G. B.; PAIS, D. S. N.; MAGALHÃES, R. D.; CARNEIRO, E. S. F. Ensino de ciências: Uma análise da relevância em se utilizar jogos lúdicos nos anos iniciais. Brazilian Journal of Development. v. 6, n. 10, p. 80927-80939, 2020.

TEIXEIRA, F. M.; SOBRAL, A. C. M. B. Como novos conhecimentos podem ser construídos a partir dos conhecimentos prévios: um estudo de caso. Ciência & Educação, v.16, n.3, p. 667-677, 2010.

UBALDO, B. M.; FERREIRA, M. J. C.; VASCONCELOS, R. A.; VIANA, M. M. C. Evolução histórica do processo de ruptura entre o homem e a natureza. Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade (RICS), v.4, p. 383-393, 2018.

VERDELONE, T. H.; CAMPBELL, G.; ALEXANDRINO, C.R. Trabalhando educação ambiental com turmas do ensino fundamental I. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 6, p. 4675-4687, 2019.

VYGOTSKI, L. S. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Tradução de Márcia Pileggi Vinha. Psicologia USP, v. 4, n. 21, p. 681-701, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n12-249

Refbacks

  • There are currently no refbacks.