Território e territorialidades no Rio São Francisco: o modo de “apossear o mundo” pelas palavras e trabalho / Territory and territorialities in the São Francisco River: the way of "putting the world to the test" by words and work

Rafael Pereira Santos, Roberta Alves Silva

Abstract


O artigo em questão desenvolve um estudo preliminar das dinâmicas territoriais, múltiplas identidades, território e territorialidade evidenciando essa amalgama nos processos de expropriação e re-apropriação no território da comunidade tradicional de Croatá, situada na margem esquerda do rio São Francisco, no Norte de Minas Gerais.  A partir da abordagem metodológica da Nova Cartografia Social (cartografia e etnografia enquanto linguagem do poder registrada pela própria comunidade) busca-se evidenciar como se constrói tal territorialidade. Os resultados indicam que a territorialidade se constrói a partir de signos identitários, rituais de instituição exercidos por meio do trabalho, apropriação por meio de fenômenos linguísticos e práticas consuetudinárias nos lances de pesca e áreas de cultivo de vazante em meio às constantes dinâmicas das águas sanfranciscanas que modelam o território.


Keywords


Territorialidades; Conflitos; Populações Sanfranciscanas

References


ALENTEJANO, Paulo. R. R. Os movimentos sociais rurais e a teoria geográfica. In MARAFON, Glauco. J. RUA, João. RIEBIRO. Miguel. A. (orgs.). Abordagem teórico-metodológica em geografia agrária. Rio de Janeiro. EdUERG, 2007.

ALMEIDA, Alfredo W. B. de. Terras de quilombos, terras indígenas, "babaçuais livres", "castanhais do povo", faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2 ed. Manaus: PPGSCA-UFAM, 2008.

ALMEIDA, Maria G. de. Diversidade paisagística e identidades territoriais e culturais no Brasil sertanejo. In: Almeida, Maria G. de; CHAVEIRO, Eguimar F. BRAGA, Helaine, C. (orgs) Geografia e cultura: os lugares da vida e a vida dos lugares. Goiânia 2008a.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. York Traduccion de EDUARDO L. SUAREZ, Publicado por VERSO, Londres. y Nueva. 1983.

ANJOS, Rafael. S. Cartografia E Cultura: Territórios dos Remanescentes no Brasil. Congresso Luso – Afro – Brasileiro de Ciências Sociais, 8, 2004. Coimbra, Portugal. Centro de Estudos Sociais, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, 2004. P. 1-16.

ARAUJO, Elisa C. COSTA, João. B A. Resistência nas ilhas e vazantes do São Francisco: Estratégias de territorialidade e vivências de tempos e espaços. CAVIER, Elton; SANTOS, Gilmar. R. desenvolvimento social em perspectiva. Belo Horizonte: Sonografe, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Edusp, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 1997.

BRANDÂO, Carlos R. (Org.). Beira Vida Beira Rio – vida, comunidade e cultura no rio São Francisco. 1ed. Belo Horizonte. Ed: O lutador, 2013.

BRANDÃO, Carlos R. A comunidade Tradicional p. 21-102. In: UDRY, Consolacion; EIDT, Jane S. Conhecimento tradicional: conceitos e marco legal /– Brasília, DF: Embrapa, 2015

BRANDÂO, Carlos, R.: Os Caipiras de São Paulo. São Paulo. Coleção: Tudo é história. Editora: Brasiliense, 1983.

COSTA. João. B. A. Minas Gerais na Contemporaneidade: identidade fragmentada, a identidade e as fronteiras regionais. Cad. Esc. Legisl., Belo Horizonte, v. 11, n. 16, p. 117-137, jan./jun. 2009.

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. São Paulo. Editora: paz terra, 1999.

CRIJ - Cartório de Registro de Imóveis de Januária. Documento do Espolio Astero Itabayna. 2014.

COSTA FILHO, Aderval. Os Gurutubanos: territorialização, produção e sociabilidade em um quilombo do centro norte-mineiro. 2008. 293f. Tese (Doutorado em Antropologia social. Instituto de Ciências Sociais, UNB, Brasília, 2008.

COSTA, João B. A. Mineiros e baianeiros: englobamento, exclusão e resistência. Brasília, 2003. Tese (Doutorado) – Departamento de Antropologia, UnB.

CPP-MG. Conselho Pastoral dos Pescadores de Minas Gerais. Arquivo de Atividades. 2016.

CPP-MG. Conselho Pastoral dos Pescadores de Minas Gerais. Arquivo de Atividades Cartografia Social da Comunidade de Croatá, 2017.

CUNHA, Maria G. C. Territórios ancestrais: antigas e novas questões, novas parcerias no Norte de Minas Gerais In: Brandão, Carlos R. (Org.). Beira Vida Beira Rio – vida, comunidade e cultura no rio São Francisco. 1ed. Belo Horizonte. Ed: O lutador, 2013.

DELUEZE, Gilles; GUATTARI, F. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. Tradução Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Ed. 34, 1997. v. 5

DIEGUES, Antônio. C. S. O Mito do Homem Moderno e da Natureza Intocada. Ed. 3ª, São Paulo: HUCITEC, 2001.

DIEGUES, Antônio. C. S (org) et. al. Biodiversidade e Comunidades Tradicionais no Brasil. São Paulo. NUPAUB-USP, 1999.

DUMITH, Raquel. C. Território, Territorialidade e Identidade dos Pescadores Artesanais: Subsídios Conceituais ao Planejamento e Gestão De Reservas Extrativistas Marinhas. In_ Revista Geographia – UFF, 2011.

GODOI, Emília P. “O Sistema do Lugar: história, território e memória no Sertão”. In: NIEMEYER, Ana Maria e GODOI, Emília Pietrafesa de (orgs). Além dos Território. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998.

WOOTMANN, Klaas. Com Parente Não se Neguceia”. Editora Universidade de Brasília/Tempo Brasileiro, 1990.

LACAN, Jacques. Escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1998.

LITTLE, Paul. E. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade Paul E. Little Universidade de Brasília. 2002.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993. 269 p. Disponível em:< http://bancariose.com.br> Acesso em: 11set. 2013.

OLIVEIRA, Cláudia L. Vazanteiros do Rio São Francisco: um estudo sobre populações tradicionais e territorialidade no norte de minas gerais. 2005. 133f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

MPP-Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais do Brasil. Cartilha para trabalho de base da Campanha pelo território pesqueiro. Ceará, 2016.

SANTOS, Carlos. Território e Territorialidade. Revista Zona de Impacto, v. 13, Set./Dez., ano 11, 2009.

SANTOS, Milton. O Dinheiro e o Território. In_SANTOS, M.; BECKER, B. K. (Org.). Território, territórios: ensaio sobre ordenamento territorial. 3. ed. Niterói-RJ: Lamparina, 2007, p.13-21.

SANTOS, Rafael P. A Questão da Mémória no Processo de Aprendizagem da Língua Patxôhã: Culturas em Trânsito: as Representações Sociais da Língua Patxôhã dos Jovens Indígenas da Aldeia Cinta Vermelha Jundiba. Saarbrücken, Alemanha: Novas Edições Acadêmicas, 2016 .

SANTOS, Rafael P; ROCHA, Letícia A. Existências Ilhadas: Dossiê sobre a Educação nas Comunidades Pesqueiras do Rio São Francisco no Norte De Minas Gerais. In: Colóquio Internacional – A Universidade e Modos de Produção do Conhecimento – Para que Desenvolvimento? , V, 2015, Montes Claros. Resumos. Montes Claros: Unimontes, 2015, 126p.

SILVEIRA, Maria. L. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.473 p.

SIMMEL, George. Sociologia. Evaristo Moraes Filho (Org.). São Paulo: Editora Ática, 1983.

SOUZA, Angela. F.G; BRANDÃO, Carlos. R. Paisagem, Identidade e Cultura Sanfranciscana: sujeitos e lugares das comunidades tradicionais localizadas no entorno e nas ilhas do médio rio São Francisco. In.: Geo UERJ - Ano 14, nº. 23, v. 1, 1º semestre de 2012 p. 77-98.

SOUZA, Roberto M. Da invisibilidade para a existência coletiva: Redefinindo fronteiras étnicas e territoriais mediados pela construção da identidade coletiva de Povos Faxinalenses. II Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia, 2, Florianópolis, 2007. Disponível em: < http://www. sociologia.ufsc.br > Acesso em: 05 de Maio de 2017.

VALÊNCIO, Norma. Pescadores do Rio São Francisco: produção social da inexistência. São Carlos: Rima, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n5-211

Refbacks

  • There are currently no refbacks.