Práticas sustentáveis em território indígena: perspectiva de uma liderança kaingang / Sustainable practices in indigenous territory: perspective of a kaingang leadership

Aline Anklam, Michel Barboza Malheiros, Antonio Joreci Flores, Alice do Carmo Jahn, Gabriela Manfio Pohia

Abstract


A partir do programa de extensão e desenvolvimento rural sustentável, desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Maria - Campus de Palmeira das Missões, Rio Grande do Sul (RS), Brasil, realizou se um estudo para conhecer as práticas sustentáveis em território indígena Kaingang, na comunidade de Inhacorá, a qual pertence ao município de São Valério do Sul. A Terra Indígena (TI) espaço de uso dos indígenas, representa mais de 60% (Sessenta por cento) do território municipal, com cerca de 1.300 pessoas. Os indígenas culturalmente, tem uma forte relação com o meio ambiente, pois é através do mesmo que vivem e do cultivo da terra que retiram sua subsistência. Nesse espaço, visam manter suas tradições, com destaque para a preservação de suas falas no idioma Kaingang, o que fortalece seus costumes e heranças, representando bons exemplos para as futuras gerações. A pesquisa está relacionada diretamente com a questão da sustentabilidade indígena. Nesse sentido o presente trabalho teve como objetivo conhecer na perspectiva da liderança Kaingang, a existência de práticas sustentáveis em sua aldeia. No que tange a metodologia, o estudo se caracteriza como qualitativo, exploratório e bibliográfico, tendo como instrumento, relatos, conversa e entrevista com o líder protagonista da aldeia. Os resultados obtidos mostram as ações realizadas e limitações da aldeia indígena Inhacorá, como práticas sustentáveis realizadas pela mesma, onde se realizou um diálogo de troca de saberes da sustentabilidade na comunidade, levando questões de relevância para os atoressociais.


Keywords


território indígena, liderança Kaingang, sustentabilidade.

References


Behring, E. R. &Boschetti, I. C. (2008). Política social e método. São Paulo: Cortez. BRASIL. (2018). Governo Federal. Secretaria do Governo. Secretaria do Governo.

Recuperado de .

Cabixi, D. (2006). Em busca de autonomia. Brasil Indígena, Brasília, DF, ano 3, v. 3, n. 1, p.

–7, mar./abr. Entrevista concedida a Ademir Rodrigues. Recuperado de

.

D’Angelis, W. (2002). A Língua Kaingang. Portal Kaingang. Recuperado de

.

Fiorillo, C. A. P. (2017). Curso de direito ambiental brasileiro. 17. ed. São Paulo: Saraiva. Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Hourneaux Junior, F. (2010). Relações entre as partes interessadas (stakeholders) e o sistema de mensuração de desempenho das organizações. 2010. 218 f. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. 2010. Censo demográfico. Recuperado de

.

Instituto Socioambiental [ISA]. (2018). Povos Indígenas no Brasil. Recuperado de https://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaingang/286.

.(2018). Povos Indígenas no Brasil. Recuperado de https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Kaingang.

Jahn, A. C. O. (2015).Kófa: uma etnografia sobre velhice Kaingang. 2015. 143 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.

et al. (2017). O RETORNO DOS KAINGANG À TERRA INDÍGENAINHACORÁ

APÓS A DESAPROPRIAÇÃO: desafios e possibilidades. Revista Orbis Latina, Foz do Iguaçu, (7)3, pp.105-118, jul. Recuperado de https://revistas.unila.edu.br/orbis/article/view/965/885.

Ortolan-Matos, M. H. (2006). Rumos do movimento indígena no Brasil contemporâneo: experiências exemplares no Vale do Javari. 244 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais)

– Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, Campinas, SP, 2006.

Placet, M., Anderson, R. & Fowler, K. M. (2005). Strategies for sustainability. Research Technology Management, (48)5 , pp. 32 – 41.

Portal Kaingang. (2017). Demarcação de terras indígenas Kaingang. Recuperado de

.

Sachs, I. (2002). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Sarreta, C. R. L. (2007). Meio ambiente e consumo sustentável: direitos e deveres do consumidor. Passo Fundo: UFP.

Sikdar, S. K. (2003). Sustainable development and sustainability metrics. American Institute of Chemical Engineers Journal, (49)8, pp. 1928 - 1932.

Souza, A. B. de. &Weissheimer, L. INFLUÊNCIAS DO DIREITO AMBIENTAL NOS

DIREITOS INDÍGENAS. (2016). Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, (11)2, pp.679-704, jun/jul/ago/set. Recuperado de

.

Veiga, J. (2006). Metades clânicas. Portal Kaingang. Recuperado de

.

Viegas, P. B., Bianchi, R. C. & Medeiros, F. S. B. (2015). Práticas sustentáveis ambientais utilizadas no setor de pós-vendas em concessionárias de veículos leves: um estudo de multicasos. GEPROS - Revista Gestão da Produção, Operações e Sistemas, (10)1, pp. 101-117. Recuperado de .

Weis, B. M. C. (2018). Indígenas, sustentabilidade e meio ambiente. Âmbito Jurídico.

Recuperado de:

.

Wenger, E. (1998). Communities of practice lerarnig, meaning and identity. Cambridge, New York: Cambridge University Press.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-224

DOI (PDF (Português (Brasil))): https://doi.org/10.34117/bjd.v5i6.2080.g2090

Refbacks

  • There are currently no refbacks.