O “cheque em branco” na segurança pública do Rio de Janeiro: um relato sobre a banalidade do mal / The "blank check" in Rio de Janeiro public safety: a report on the banality of evil

Yanahê Fendeler Höelz

Abstract


O objetivo deste trabalho é apresentar algumas ações destinadas ao campo da segurança pública do Rio de Janeiro e refletir como elas repercutem no mandato policial. Toma-se como referencial teórico-metodológico Hannah Arendt, em especial, seu trabalho sobre o julgamento de Adolf Eichmann em Jerusalém, no qual a autora constatou a “banalidade do mal”. Como a irreflexão de Eichmann, que revela um mal tão banal, pode se manifestar no contexto da segurança pública do Rio de Janeiro? Para pensar a questão, a primeira parte do trabalho relembra o relato de Arendt sobre o referido julgamento e apresenta as três “soluções” implementadas pelo regime nazista a respeito da “questão judaica”, abrindo espaço para a reflexão das possíveis permanências dessas medidas, sob roupagem diversa, no cenário carioca. Em seguida, a segunda parte do trabalho faz um breve panorama sobre políticas destinadas ao campo da segurança pública (pós/1980), considerando a recente conjuntura de Intervenção Federal. Por fim, a terceira parte discute as competências distintas da Polícia Militar e do Exército e como a confusão de significados, presente nas intervenções políticas na segurança pública, pode afetar o mandato policial e comprometer as respectivas capacidades das instituições. A reflexão aponta que esse cenário opaco favorece medidas irrefletidas e que, portanto, pode banalizar cada vez mais o mal.

 


Keywords


Mal. Banalidade. Segurança Pública. Rio de Janeiro. Mandato Policial.

References


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. 197p.

AGAMBEN, Giorgio. Por uma Teoria do Poder Destituinte. Palestra pública em Atenas, 16 nov. 2013. Disponível em: https://5dias.wordpress.com/2014/02/11/por-uma-teoria-do-poder-destituinte-de-giorgio-agamben/. Acesso em 04 abr. 2018.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2004. 143p.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BATISTA, Vera Malaguti. O Alemão é muito mais complexo. Texto apresentado no 17º Seminário Internacional de Ciências Criminais. São Paulo, 23 jul. 2011.

BETIM, Felipe. Jacqueline Muniz: “Empregar o Exército no Rio é uma teatralidade operacional de alto custo e baixa eficácia”. El País, Rio de Janeiro, 23 fev. 2018. Intervenção Federal no Rio de Janeiro. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/21/politica/1519238698_373309.html. Acesso em: 04 abr. 2018.

BORELLI, Patricia Capelini. Forças Armadas e a Garantia da Lei e da Ordem: O que são e quando podem ser convocadas as operações de GLO. Politize, maio. 2017. Disponível em: http://www.politize.com.br/operacoes-de-garantia-da-lei-e-da-ordem-o-que-sao/. Acesso em 01 abr. 2018.

BRASIL. Decreto 9.288/2018. Decreta intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 fev. 2018.

BRASIL. Lei 13.491/2017. Altera o Decreto-Lei no 1.001, de 21 de outubro de 1969 - Código Penal Militar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 out. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 05 out. 1988.

BRASIL. Lei 5.172, de 25 de outubro de 1966. Código Tributário. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 out. 1966.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A banalidade do mal. Folha de São Paulo, 29 jul. 2013.

BURGOS, Marcelo Baumann et al. O efeito UPP na percepção dos moradores das favelas. Desigualdade & Diversidade - Revista de Ciências Sociais da PUC - Rio, n. 11, p. 49-98, ago./dez. 2011.

CARVALHO, Marco Antônio. Plano é avanço, mas tempo e violência cotidiana são desafios, dizem especialistas. O Estado de São Paulo, 07 jun. 2018. Especial. Disponível em: https://brasil.estadao.com.br/noticias/rio-de-janeiro,metas-da-intervencao-no-rio-vao-de-militares-da-reserva-na-pm-a-mais-eventos-civicos-mostra-plano,70002340711. Acesso em: 01 jul. 2018.

COMPANS, Rose. A cidade contra a favela: a nova ameaça ambiental. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 9, n. 1, maio 2007.

DUTRA, Walkiria Zambrzycki. Estratégias da intervenção não priorizam inteligência e combate à corrupção. In: RAMOS, Silvia (coord.). Vozes sobre a intervenção. Rio de Janeiro: CESeC, ago. 2018.

EGP-RIO. Censo favelas PAC. Disponível em: http://arquivos.proderj.rj.gov.br/egprio_imagens/Uploads/Apres_censo.pdf. Acesso em 08 abr. 2018.

ENCICLOPÉDIA DO HOLOCAUSTO. Holocausto: Um local de aprendizado para estudantes. United States Holocaust Memorial Museum, Washinghton, DC. Disponível em: https://www.ushmm.org/ptbr/outreach. Acesso em: 27 mar. 2018.

FICHINO, Daniela Alessandra Soares. Pasárgada Reconquistada? Estudo sobre o processo de implementação das Unidades de Polícia Pacificadora. São Paulo, 2012. 111f. Dissertação (Mestrado em Direito e Desenvolvimento) – Escola de Direito de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2012.

GONÇALVES, Rafael Soares. A política, o direito e as favelas do Rio de Janeiro: um breve olhar histórico. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 1, n. 1, abr. 2013. ISSN 1982-0569. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2018.

HANNAH ARENDT. Direção: Margarethe Von Trotta. Alemanha: Heimatfilm Gmbh, 2012. 113 min.

LAGE, Lana; MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Da polícia do rei à polícia do cidadão. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, n. 25, out. 2007.

LÔBO, Cristiana. “Militares precisam ter garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade”, diz comandante do Exército. G1, 19 fev. 2018. Política. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/blog/cristiana-lobo/post/general-vilas-boas-militares-precisam-ter-garantia-para-agir-sem-o-risco-de-surgir-uma-nova-comissao-da-verdade.ghtml. Acesso em: 04 abr. 2018.

MARTÍN, Maria. Cerco militar sai da Rocinha e expõe mais rixa política que sucesso tático. El País, Rio de Janeiro, 30 set. 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/30/politica/1506778755_591309.html. Acesso em: 04 abr. 2018.

MINISTÉRIO DA DEFESA. Garantia da Lei e da Ordem. Esplanada dos Ministérios, Brasília – DF, 2014.

MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Militarização e direitos humanos: gramáticas em disputa nas políticas de segurança pública no Rio de Janeiro/Brasil. Fórum Sociológico [Online], n. 25, p. 2-16, nov. 2014. Disponível em: http://sociologico.revues.org/886. Acesso em: 29 mar. 2018.

MISSE, Michel. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, São Paulo, p.15-38, 2010.

MISSE, Michel. As Ligações Perigosas: Mercado Informal Ilegal, Narcotráfico e Violência no Rio. In: Crime e Violência no Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. p. 179-209.

MORAES, Joysi; MARIANO, Sandra R. H; FRANCO, Andrea Marinho de Souza. Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro: uma história a partir das percepções e reflexões do gestor responsável por sua implantação. Rev. Adm. Pública, 49 (2), p. 493-518, mar./abr.2015.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira; ALBERNAZ, Elizabete. Moralidades entrecruzadas nas UPPs: Uma narrativa policial. In: Congresso Brasileiro de Sociologia, 18., 2017, Brasília. Anais. Brasília: SBS, 26-29 jul. 2017. Disponível em: http://sbs2017.com.br/anais/resumos/PDF-eposter-trab-aceito-1343-1.pdf. Acesso em: 29 mar. 2018.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira; PROENÇA JUNIOR, Domício. Mandato Policial. In: LIMA, Renato Sérgio de; RATTON, José Luiz; AZEVEDO, Rodrigo (Orgs.). Crime, Polícia e Justiça no Brasil. 1 ed. São Paulo: Editora Contexto, 2014. p. 491-502.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira. Discricionariedade Policial e a Aplicação Seletiva da Lei na Democracia. Grupo de Estudos Estratégicos, Universidade Cândido Mendes. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://estudosdeseguranca.blogspot.com.br/2008/. Acesso em: 05 abr. 2018.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira; PROENÇA JUNIOR. Forças Armadas e Policiamento. Revista Brasileira de Segurança Pública, ano 1, 1 ed., p. 48-63. 2007a.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira; PROENÇA JUNIOR. Muita politicagem, pouca política os problemas da polícia são. Estudos Avançados, v. 21, n. 61, p. 159-172. 2007b. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000300011. Acesso em: 05 abr. 2018.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira. A crise de identidade das Polícias Militares Brasileiras: Dilemas e Paradoxos da Formação Educacional. Security and Defense Studies Review, v. 1, p. 187-198, 2001.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira. “Ser policial é, sobretudo, uma razão de ser”: cultura e cotidiano da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1999. 286 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

MUSUMECI, Leonarda et al. “Eles nos detestam”: Tropeços do policiamento de proximidade em favelas. Resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais. Centro de Estudos de Segurança e Cidadania – CESeC, Boletim Segurança e Cidadania, n. 19, nov. 2015.

RAMOS, Beatriz Drague. “Desde FHC, presidentes usam Forças Armadas como gambiarra”. Entrevista – Jacqueline Muniz. Carta Capital, 22 fev. 2018. Sociedade. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/desde-fhc-as-forcas-armadas-sao-usadas-como-gambiarra-diz-pesquisadora. Acesso em 02 abr. 2018.

RAMOS, Carlos Eduardo de Franciscis et al. Plano Estratégico do Gabinete de Intervenção Federal. Gabinete de Intervenção Federal na Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro – GIF/RJ, 29 maio. 2018. 80p.

RAMOS, Silvia (coord.). Cinco meses de intervenção federal: Muito tiroteio, pouca inteligência. Infográfico. Rio de Janeiro: Observatório da Intervenção/CESeC, jul. 2018a.

RAMOS, Silvia (coord.). Seis meses de intervenção federal: O Rio precisa de uma política de segurança que salve vidas. Infográfico. Rio de Janeiro: CESeC, ago. 2018b.

RIBEIRO, Ludmila. O nascimento da polícia moderna: uma análise dos programas de policiamento comunitário implementados na cidade do Rio de Janeiro (1983-2012). Análise Social, 211, XLIX (2.º), p. 272-309, 2014. ISSN 2182-2999.

ROCHA, Lia de Mattos; BORGES, Doriam. UPPs e os múltiplos significados de “paz” na perspectiva dos jovens moradores de favelas “pacificadas”. In: CARDOSO, Adalberto (org.). Juventudes na cidade: violência, cultura, religião, escola. 1 ed. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2014. 212p. p. 13-37.

RODAS, Sergio. Para especialistas, intervenção federal no RJ é inconstitucional e não dá resultados. Revista Consultor Jurídico, 16 fev. 2018. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-fev-16/intervencao-federal-rio-inconstitucional-nao-dara-resultados. Acesso em 05 abr. 2018.

SANTOS, José Vicente Tavares dos (coord.). Programas de Polícia Comunitária no Brasil: avaliação de propostas de Política Pública de Segurança. In: FIGUEIREDO, Isabel Seixas de; NEME, Cristina; LIMA, Cristiane do Socorro Loureiro (Orgs.). Políticas públicas: análise e diagnósticos. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), 2013. 376p. p. 205-281

SILVA, Edilson Márcio Almeida da. Das Reportagens Policiais às Coberturas de Segurança Pública: representações da ‘violência urbana’ em um jornal do Rio de Janeiro. 186f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.

SILVA, Eliana Sousa. A ocupação da Maré pelo Exército brasileiro: percepção de moradores sobre a ocupação das Forças Armadas na Maré. Rio de Janeiro: Redes da Maré, 2017.

SILVA, Franklin Leopoldo e. Quem somos nós? Hannah Arendt por Franklin Leopoldo e Silva. Entrevista concedida a Celso Loducca, 02 jul. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=OCZCKiEb3-o&index=2&list=PLD-pvcRhRL1htN0Za1VFf6z5DDRlPm8pm&t=0s. Acesso em 21 mar. 2018.

SILVA, Jorge da. Drogas: Alternativas à “guerra”. 2010. Disponível em: http://www.comunidadesegura.org.br/files/artigo_cel_jorge_da_silva.pdf. Acesso em: 04 abr. 2018.

¬¬SILVA, Jorge da. Criminologia Crítica: segurança e polícia. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

SOARES, Luiz Eduardo. Análise do Especialista. In: MUDAMOS. Segurança Pública. Relatório do Ciclo de Debates. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://mudamos-its-production-images.s3.amazonaws.com/uploads/production/compilation_files/1/files/original.pdf?1472596045 . Acesso em: 05 abr. 2018.

SOARES, Luiz Eduardo. Prefácio. In: MEIRELLES, Renato; ATHAYDE, Celso. Um país chamado Favela: a maior pesquisa já feita sobre a favela brasileira. São Paulo: Editora Gente, 2014.

SOUZA, André et. al. Na posse, Jungmann critica classe média que financia crime consumindo drogas. O Globo, 27 fev. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/rio/na-posse-jungmann-critica-classe-media-que-financia-crime-consumindo-drogas-22437267.Acesso em: 04 abr. 2018.

SOUZA, Jessé. Ralé Brasileira. Quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009. 484 p.

SNYDER, Timothy. Sobre a tirania: vinte lições do século XX para o presente. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

TEMER assina decreto que autoriza uso das Forças Armadas na segurança pública do RJ. G1, Brasília, 28 jul. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/temer-assina-decreto-que-autoriza-forcas-armadas-a-atuarem-na-seguranca-publica-do-rio.ghtml. Acesso em 01 abr. 2018.

VALLADARES, Licia. A gênese da favela carioca. A produção anterior às ciências sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-214

Refbacks

  • There are currently no refbacks.