Manutenção do setor Brasileiro de saúde suplementar a partir da composição da faixa etária idosa / Maintenance of the Brazilian supplementary health sector from the composition of the elderly age group

Ariela Araujo Serejo, Mirian Picinini Méxas, Júlio Vieira Neto

Abstract


Diante do processo de envelhecimento populacional brasileiro, conforme já vivenciado por outros países, surgem questões acerca da adequação de políticas públicas assim como questões referentes aos serviços oferecidos pela iniciativa privada. Dentro deste contexto de transição demográfica e seus impactos, a presente pesquisa tem por finalidade identificar na literatura, a respeito do setor de saúde suplementar, os serviços mais vulneráveis às variações etárias da população em relação aos custos, e reunir alternativas para manutenção deste setor privado mediante os desafios impostos pelo aumento do número de idosos em suas carteiras. O trabalho foi realizado através de pesquisa bibliográfica e documental, com método qualitativo. O resultado desta pesquisa ressalta a necessidade de investimentos direcionados ao atendimento da faixa idosa beneficiária de planos de saúde, a fim de garantir a qualidade dos serviços e a solvência do setor. Com o presente trabalho, espera-se contribuir para a disseminação da relevância do tema.


Keywords


Saúde Suplementar; Transição Demográfica; Envelhecimento Populacional

References


ALBUQUERQUE, C. et al. A situação atual do mercado da saúde suplementar no Brasil e apontamentos para o futuro. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, p. 1421-1430, 2007.

ALVES, J. E. D.; VASCONCELOS, D. S.; CARVALHO, A. A. Estrutura etária, bônus demográfico e população economicamente ativa no Brasil: cenários de longo prazo e suas implicações para o mercado de trabalho. Distrito Federal: Texto para Discussão CEPAL. Escritório no Brasil/IPEA. 2010.

ALVES, S. L. Fundamentos, regulação e desafios da saúde suplementar no Brasil. Rio de Janeiro. Funenseg. 192 p. 1ª ed. 26 cm. 2015.

ANDRADE, M. V.; MAIA, A. C.; RODRIGUES, C. G. Indicadores de gastos com serviços médicos no setor de saúde suplementar no Brasil. Revista bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 30, Sup., p. S103-S117, 2013.

ANS. Análise de Nota Técnica Atuarial de Produtos (NTRP) e Pacto Intergeracional. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

ANS (Brasil). Plano de cuidado para idosos na saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Rio de Janeiro. 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

ANS. Painel de precificação: plano de saúde 2015. Agência Nacional Saúde Suplementar. Rio de Janeiro v. 4 p. 1-40. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2017.

CARNEIRO, L. A. F. et al. Envelhecimento populacional e os desafios para o sistema de saúde brasileiro. [recurso eletrônico] / Instituto de Estudos de Saúde Suplementar – São Paulo: IESS [org], 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2017.

FALK, J. A. Gestão de custos para hospitais: conceitos, metodologias e aplicações. São Paulo: Atlas, 2001.

FRANCO, T. B.; MERHY, E. E. Atenção domiciliar na saúde suplementar: dispositivo da reestruturação produtiva. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 13, núm. 5. 2008. p. 1511-1520. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em:. Acesso em: 19 abr. 2017.

IBGE. Projeções da população Brasil e Unidades da Federação. v. 40. Rio de Janeiro: Série Relatórios Metodológicos, 2013.

IESS. Guia da saúde suplementar. 2. ed. Instituto de Estudos de Saúde Suplementar, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

IESS. Conjuntura - Saúde Suplementar. 31. ed. Instituto de Estudos de Saúde Suplementar, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

IESS. Saúde Suplementar em Números. 15. ed. Instituto de Estudos de Saúde Suplementar, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2017.

JÚNIOR, C. S. D.; COSTA, C. S. Oenvelhecimento da população brasileira: uma análise de conteúdo das páginas da REBEP. XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP,Caxambú - Minas Gerais. 2006.

KILSZTAJN, S. et al. Serviços de Saúde, gastos e envelhecimento da população brasileira. Revista Brasileira de Estudos de População. v.20, n.1, p.93-108. 2003.

LANDIM, A. et al. Equipamentos e tecnologias para saúde: oportunidades para uma inserção competitiva da indústria brasileira. BNDES Setorial 37, p. 173-226, 2013. Disponível em:. Acesso em: 20 jun. 2017.

LEBRÃO, M. L.; LAURENTI, R. Saúde, bem-estar e envelhecimento: o estudo SABE no Município de São Paulo. Revista BrasEpidemiol. p. 127-41. 2005.

LEITE, F. Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde. IESS 0042/2011. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.

MATA, B. R. R. Impacto financeiro de 2010 a 2030 do envelhecimento dos beneficiários em operadoras de plano de saúde de Minas Gerais: um estudo de caso. 2011. 147 f. Dissertação (Mestrado em demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2011.

MEHDIZADEH, S. Health and Long-Term Care Use Trajectories of Older Disabled Women.The Gerontologist, Washington, DC, v. 42, n. 3, p. 304-313, 2002.

MOREIRA, M. M. Oenvelhecimento da população brasileira: intensidade, feminização e dependência. Revista Brasileira de Estudos de População. Brasília, v.15, n.1, p.79-94. 1998.

OLIVEIRA, M. et al. Idoso na saúde suplementar: uma urgência para a saúde da sociedade e para a sustentabilidade do setor. Rio de Janeiro. Agência Nacional de Saúde Suplementar. 132 p. 2016.

OTTONI, M. A. M. Longevidade: uma conquista ou um peso para a sociedade brasileira? Revista Eletrônica Polêm!ca. v. 13, n.1. 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 mai. 2017.

RAMALHO, R. L. Precificação de planos de saúde. 2002. 141 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2002.

RAMOS, S. G. A base atuarial dos planos de saúde (1ª parte). Revista do IRB, v. 58, nº.278, abr./jun. 1997.

RODRIGUES, C. G. Dinâmica demográfica e internações hospitalares: uma visão prospectiva para o Sistema Único de Saúde (SUS) em Minas Gerais, 2007 a 2050. 2010. 230 f. Tese (Doutorado em Demografia) - Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2010.

SALGADO, C. D. S. Mulher idosa: a feminização da velhice. Estud. interdiscip. envelhec., Porto Alegre, v. 4, p. 7-19. 2002.

SANTIAGO, F. S. Projeções dos impactos econômicos decorrentes das mudanças demográficas no brasil para o período de 2010 a 2050. 2014. 147 f. Tese (Doutorado em Economia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2014.

SANTOS, V. C. W. de; ORTEGA, G. R; FARIA, A. C. de. Estratégias na Formação de Preço de Serviços de Saúde: Estudo de Caso em um Hospital Oncológico em São Paulo. XX Congresso Brasileiro de Custos – Uberlândia, MG, Brasil, 2013.

SPILLMAN, B. C.; LUBITZ, J. The effect of longevity on spending for acute and long-term care.The New EnglandJournalof Medicine, vol. 342, n. 19: 14091415. 2000.

TRETTEL, D. B. Planos de saúde e envelhecimento populacional: um modelo viável? 2015. 131 f. Tese (Doutorado em Direito) – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.

VERAS, R. Modelos contemporâneos no cuidado à saúde. Revista USP, São Paulo, n.51, p. 72-85, 2001.

VERAS, R. P. et al. Características demográficas dos idosos vinculados ao sistema suplementar de saúde no Brasil. Revista Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n5-203

Refbacks

  • There are currently no refbacks.