O conceito de fato museal e o Museu da Língua Portuguesa / The concept of museal fact and the Museum of the Portuguese Language

Bianca Manzon Lupo

Abstract


A definição dos princípios teóricos que delimitam a museologia enquanto disciplina parte de discussões desenvolvidas sobretudo a partir da segunda metade do século XX. Nesse contexto, o pensamento de Waldisa Rússio Guarnieri contribui para a compreensão das especificidades da museologia a partir da elaboração do conceito de fato museal, que enfatiza a importância da relação entre homem, objeto e cenário para o estabelecimento das relações museológicas. Se por um lado o fato museal ainda se mostra consistente para o pensamento contemporâneo da museologia; por outro, vem sendo criadas diversos museus que adotam tecnologias da comunicação para a exposição de acervos baseados em bancos de dados digitais nas décadas recentes. Logo, o principal objetivo deste artigo é investigar de que maneira se reelabora o conceito de fato museal em instituições desassociadas de acervos materiais, com base no caso do Museu da Língua Portuguesa (São Paulo, 2006). O Museu foi escolhido pela originalidade no uso das tecnologias da comunicação para exposição do patrimônio imaterial no Brasil, tendo influenciado a formação de outras instituições brasileiras. Adotaremos como metodologia: pesquisa bibliográfica, levantamento dos projetos de arquitetura e museografia, entrevistas semi-estruturadas com profissionais que contribuíram para a criação do Museu, análise de dados quantitativos relativos ao público e coleta de depoimentos dos visitantes (considerando o período anterior ao incêndio de 2015). Esse material pretende subsidiar a investigação sobre o desenvolvimento do conceito de fato museal no caso do Museu da Língua Portuguesa.

Keywords


Museu da Língua Portuguesa, Fato museal, Teoria museológica

References


ARAÚJO, Antônio Carlos de Moraes. A língua é de quem usa. Entrevista. UFGM, 09 out. 2006.

BITTENCOURT, José Neves. Para descongelar o futuro: entre demandas do patrimônio, da modernidade, do poder, a luta pelo porvir dos museus.in: GUIMARAENS, Cêça; IWATA, Nara; POLLY, Vânia; KESSEL, Carlos (Org.). Seminário Internacional Museografia e Arquitetura de Museus. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, 2005, p. 106-135.

BRAGA, Diogo et. al. Museu do Amanhã e articulações da expressão tectônica e condição cenográfica. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, v. 11, 14 jul. 2020.

BRITTOS, Valério Cruz e BOLAÑO, César Ricardo Siqueira. Rede Globo: quarenta anos de poder e hegemonia. São Paulo: Ed. Paulus, 2005. 373p.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. A pedagogia museológica e a expansão do campo científico da museologia. ICOFOM. 36º Simpósio Internacional. 2014.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Waldisa Rússio Camargo Guarnieri: textos e contextos de uma trajetória profissional. Colaboração de Marcelo Mattos Araujo, Maria Inês Lopes Coutinho. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, 2010. v. 1.

CERÁVOLO, Suely. Delineamentos para uma nova teoria da museologia. Anais do Museu Paulista. São Paulo, v. 12, p. 237-268, 2004.

CHOAY, Françoise. Alegoria do Patrimônio. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 2001. 282p.

COHN, Sérgio. A verdade sobre o Museu da Língua Portuguesa. Entrevista com Antônio Risério. 06 jun. 2019. Pensando Salvador do Futuro.

CYPRIANO, Fabio. Maracanã ganha museu da arte do futebol. Folha de São Paulo Ilustrada. São Paulo, 03 abr. 2001.

DECRETO nº 50.322/2005. Institui, na Secretaria da Cultura, o Museu da Língua Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2011.

DUARTE, Rosália. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, n. 24. Curitiba: 2004, p. 213-225.

FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2020.

GOMES, Carla Renata. Do fato museal ao gesto museológico: uma reflexão. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS. Porto Alegre: 2013. 50 f. Disponível em: https://goo.gl/D4DwBj. Acesso em: 25 out, 2016.

GOMES, Carla Renata. O pensamento de Waldisa Rússio sobre a museologia. João Pessoa: Revista Informação e Sociedade, 2015, v. 25, n. 3, p. 21-35.

GOUVEIA, Inês e PEREIRA, Marcelle. A emergência da museologia social. Salvador: Políticas Culturais em Revista. dez. 2016, v. 9, n.2, p. 726-745.

GRAÇA, Larissa Torres. Entrevista concedida por Larissa Torres Graça. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 29 nov. 2019.

HALL, Peter. Pulling them in; now showing: something dazzling. The New York Times. 2 mai. 2001.

GRUNOW, Evelise. Estações ferroviárias são convertidas em espaços culturais. Obras renovam áreas degradadas em duas capitais. Museu da Língua Portuguesa. Revista Projeto Design, ed. 315, mai. 2006, p. 40-51.

GUARNIERI, Waldisa Rússio Camargo. Conceito de cultura e sua interrelação com o patrimônio cultural e a preservação. Rio de Janeiro: IBCP, 1990. p. 203-210.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

LAPA, Rodrigo Amaral. As transformações dos museus contemporâneos influenciadas pelas TIC´s. 196f. Dissertação (Mestrado). IAU-USP. São Carlos: 2011.

LUPO, Bianca Manzon. O museu contemporâneo: arquitetura, museografia e patrimônio imaterial. Trabalho Final de Graduação. FAU-USP. São Paulo: 2015.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização: problemas teóricos de restauro. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008. 325 p.

MATTOS, Pedro Lincoln. A entrevista não estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise. RAP. Rio de Janeiro, 2005.

MIGLIORE, Ico. New narrative spaces. in: Crespi, Luciano. Cultural, theoretical and innovative approaches to contemporary interior design. Milano: IGI Global, 2020.

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA (São Paulo, Brasil). Disponível em:. Acesso em: 07 jan. 2016.

PEREIRA, Giovana Ribeiro. Quando língua é patrimônio? Políticas de patrimônio e de promoção da diversidade linguística no contexto do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL). Dissertação (Mestrado Profissional do IPHAN). Rio de Janeiro, 2017. 122p.

PFEIFFER, Claudia. Língua em museu: institucionalização de um nós no recobrimento de um resto histórico. Letras. Santa Maria: v. 23, n.46. 2013, p. 225-244.

PINHO, Roberto Costa. Entrevista concedida por Roberto Pinho em 25 set. 2020.

PINHO, Roberto Costa e SANTANA, João Filho. O Museu Aberto do Descobrimento: o Brasil Renasce onde nasce. São Paulo: Fundação Quadrilátero do Descobrimento, 1994.

PRADO, Carolina. São Paulo, Folha de São Paulo, 21 dez. 2015. Atingido por incêndio, Museu da Língua Portuguesa tem cópias digitais de acervo. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2016.

RAGONE, Guilherme Nogueira. As funções dos museus contemporâneos. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído). UFJF. Juiz de Fora: 2018.

RISÉRIO, Antônio. Entrevista concedida por Antônio Risério em 18 set. 2020.

ROCHA, Pedro Mendes da. Entrevista concedida por Pedro Mendes da Rocha em 16 out. 2020.

RODRIGUES, Cristina Carneiro et. al. Identidades brasileiras: composições e recomposições [livro eletrônico]. 1 ed. São Paulo: Cultura acadêmica, 2014.

SARRAF, Viviane. O legado de Waldisa Rússio para a formação de museólogos engajados com as questões sociais de seu tempo. IV Seminário Brasileiro de Museologia. Brasília: 2019.

SOBRINHO, José. A língua é o que nos une. Língua, sujeito e Estado no Museu da Língua Portuguesa. Tese (Doutorado em Linguística). Unicamp. Campinas, 2011. 133p

SOUKEF, Antonio Junior. Cem anos Luz. São Paulo: Dialeto Latin American Documentary, 2000.

STRÁNSKY, Zybnek Z. Sobre o tema “Museologia – ciência ou apenas trabalho prático” (1980). Revista Eletrônica do Programa de Pós Graduação em Museologia e Patrimônio. PPG-PGMUS. Unirio. Rio de Janeiro: 2008, p. 101-105.

TALL MUSEUM AND MONUMENT. The Afrikaans Language Monument. From concept to being. ATM, 2016. Disponível em: < https://bit.ly/356kMHc >. Acesso em: 29 out. 2020.

TEIXEIRA, Karina Alves. O patrimônio imaterial sob a ótica dos museus: novas aproximações, perspectivas e rupturas. 2014. 170 f. Tese (Mestrado em Museologia). Pós-graduação Interunidades em Museologia do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo. São Paulo.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-452

Refbacks

  • There are currently no refbacks.