Aplicação de modelos matemáticos para estimativa do índice de erosividade das chuvas em Água Branca – AL / Application of mathematical models to estimate the rainfall erosivity index in Água Branca – AL

Cícero Gomes dos Santos, Josimar da Silva, Valdevan Rosendo dos Santos, Igor Gledson de Oliveira Santos, Samuel Barbosa Tavares dos Santos, Janynne Joyce de Lima Rocha, Márcio Aurélio Lins dos Santos

Abstract


A erosão do solo é o resultado de um trabalho realizado por um agente erosivo, que é a fonte potencial e ativa do processo de erosão dotado de energia, que age sobe o solo, a precipitação.  A precipitação é a força motriz do processo erosivo hídrico, onde o desprendimento e o transporte pelo escoamento superficial dos sedimentos dependem da intensidade, frequência e duração dos eventos em uma determinada região ou localidade. O município de Água Branca está localizado na região Serrana do Alto Sertão Alagoano, semiárido Nordestino, mas apresenta características que em algumas partes do território apresenta condições climáticas diferentes, com temperaturas mais baixas, sobretudo devido ao seu relevo estruturalmente mais elevados, com feições morfológicas expressivas, características dos ambientes de “Brejos de Altitudes”, como todos os brejos do Nordeste brasileiro. Teve como objetivo determinar os índices de erosividade de chuva através dos dados pluviométricos para o município de Água Branca – Al, no período de 1913 a 1985.  Os referidos dados foram tabulados para cálculo da chuva, o coeficiente de chuva e sua relação a erosividade utilizando seis equações. O município de Água Branca apresenta uma distribuição pluviométrica anual média de 1.007,77 mm, para o período de observação de 72 anos, apresentando uma ampla variação distribuição da precipitação pluviométrica ao longo dos anos, com o período chuvoso concentrado nos meses de abril a agosto apresentaram valores médios acima da média, neste período precipita mais de 70% das chuvas para o município. O valor mensal anual de erosividade estimando por este modelo para Água Branca, Al, foi de 6.990,10 MJ.mm.ha-1.h-1ano-1, este valor pode ser enquadrado como moderado potencial de erosividade.


Keywords


Precipitação, Pluviometria, Índice de Erosividade.

References


ALMEIDA, C.O.S.; AMORIM, R.S.S.; COUTO, E.G.; ELTZ, F.L.F.; BORGES, L.E. Potencial erosivo da chuva de Cuiabá, MT: Distribuição e correlação com a precipitação pluviométrica. R. Bras. Eng. Agrícola e Ambiental, v.15, p.178-184, 2011.

AMARAL, B. S. D; DANTAS, J. C.; SILVA, R. M; CARVALHO NETO, J. F. Variabilidade da erosividade das chuvas no estado da Paraíba. Revista Brasileira Geografia Física, v.7, p.691-701, 2014.

AMORIM, R.S.S; SILVA, D.D.; PRUSKI, F.F.; MATOS, A.T. Influência da declividade do solo e da energia cinética de chuvas simuladas no processo de erosão entre sulcos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.5, n.1, p.124-130, 2001.

BAZZANO, M.G.P; ELTZ, F.L.F.; CASSOL, E.A. Erosividade e características hidrológicas das chuvas de Rio Grande (RS). R. Bras. Ci. Solo, v.34, p.235-244, 2010

BERTOL, I.; CASSOL, E.A.; BARBOSA, F.T. Erosão do solo. Cap. XIV. In: In: Bertol. I., De Maria, I.C.; Souza, L.S. editores. Manejo e conservação do solo e da água. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2018. p.424-458.

BERTONI, J.C.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do Solo. 10a Edição. São Paulo: Editora Ícone, 2018. 355p.

BRASIL. Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste. Dados pluviométricos mensais do Nordeste – Piauí. Recife: SUDENE, 1990. (Série Pluviometria, 2).

CANTALICE, J. R. B.; BEZERRA, S. A.; FIGUEIRA, S. B.; INÁCIO, E. S. B.; SILVA, M. D. R. O. Linhas isoerosivas do estado de Pernambuco - 1ª aproximação. Revista Caatinga, v. 22, n. 2, p. 75-80, 2009.

CARVALHO, N.O., 2008. Hidrossedimentologia Prática, 2ª ed. Interciência, Rio da Janeiro, Brazil. 599 p.

CARVALHO, M.P. Erosividade da chuva: distribuição e correlação com as perdas de solo de Mococa, SP. Piracicaba, ESALQ/USP, 1987. 104p. (Dissertação de Mestrado).

CASSOL, E. et al. Erosividade, padrões hidrológicos, período de retorno e probabilidade de ocorrência das chuvas em São Borja, RS. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.32, n.3, p.1239-1251, 2008.

CHAVES, I.B.; LEITE JÚNIOR, G.P.; MAIA NETO, F.F. Análise da pluviométria e da erosividade das chuvas de Patos (PB). In: Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 26, 1997, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: SBCS, 1997. CD-Rom.

COLODRO, G. et al. Erosividade da chuva: distribuição e correlação com a precipitação pluviométrica de Teodoro Sampaio (SP). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 26, n. 3, p. 809-818, 2002.

DIAS, A. S.; SILVA, J. R. C. A erosividade das chuvas em Fortaleza (CE): I-distribuição, probabilidade de ocorrência e período de retorno-1ª aproximação. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 27, n. 2, p. 335-345, 2003.

FAO – Food and Agriculture Organization of the United Nations. La erosion del suelo por el água: Algunas medidas para combatirla en las tierras de cultivo. Roma: Organization de Las Nacioes Unidas, 1967. 207p.

FOURNIER, F. Climat et erosion: la relation entre l´érosion dy sol par l´eau et les précipitations atmosphériques. Paris: Universitaires de France, 1960.

HUDSON, N. W. Soil conservation. 2.ed. Ithaca: Cornell University Press, 1973. 320p.

LEE, J.H., HEO, J.H., 2011. Evaluation of estimation methods for rainfall erosivity based on annual precipitation in Korea. Journal of Hydrology, v.409, p.30–48.

LEPRUN, J. C. A erosão, a conservação e o manejo do solo no nordeste brasileiro: balanço, diagnóstico e novas linhas de pesquisas. Recife: SUDENE, 1981.

LOMBARDI NETO, F.; MOLDENHAUER, W.C. Erosividade da chuva: sua distribuição e relação com perdas de solo em campinas, SP. Bragantia, v.51, n.2, p.189-196, 1992.

LOMBARDI NETO, F. Rainfall erosivity, its distribution and relationship with soil loss at Campinas, Brazil. Tese de Mestrado. West Lafayette, Prudue University, 1997, 53p.

MAZURANA, J. et al. Erosividade, padrões hidrológicos e período de retorno das chuvas erosivas de Santa Rosa (RS). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, PB, v. 13, p. 975-983, 2009.

MELLO, C.R.; VIOLA, M.R.; BESKOW, S.; NORTON, L.D. Multivariate models for annual rainfall in Brazil. Geoderma Amsterdam. V.202/203, p.88-102, 2013.

MELLO, C.R.; SÁ, M.A.C.; CURI, N.; MELLO, J.M.; VIOLA, M.R.; SILVA, A.M.

Erosividade mensal e anual da chuva no Estado de Minas Gerais. Pesquisa

Agropecuária Brasileira, v.42, p.537-545, 2007.

MELO, R. F.T. Evolução dos depósitos de encosta no leque Malaquias e lagoa das pedras no entorno do maciço estrutural da Serra de Água Branca. 2014. 155 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) –Centro de Filosofias e Ciências Humanas, Departamento de Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

MOLION, L.C.B.; BERNARDO, S.O. Dinâmica das chuvas no Nordeste Brasileiro. R.

Bras. Meteorologia, v.7, n.1, p.1-10, 2002.

MORAIS, L.F.B.; SILVA, V.; NASCHENVENG, T.M.C.; HARDOIN, P.C.; ALMEIDA, J.E.L.; WEBER, O.L.S.; BOEL, E. & DURIGON, V. Índice EI30 e sua relação com o coeficiente de chuva do sudoeste do Mato Grosso. R. Bras. Ci. Solo, 15:339-344, 1991.

MOREIRA, M. C.; CECÍLIO, R. A.; PINTO, F. A. C.; PRUSKI, F. F. Desenvolvimento e análise de uma rede neural artificial para estimativa da erosividade da chuva para o Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, n. 6, p. 1069-1076, 2006.

MORETI, D.; MANNIGEL, A.R.; CARVALHO, M.P. Fator erosividade da chuva

para o município de Pedrinhas Paulista, Estado de São Paulo. Acta Scientiarum:

Agronomy, v.25, p.137-145, 2003.

OLIVEIRA, P.T.S.; WENDLAND, E.; NEARING, M. A. Rainfall erosivity in Brazil: A review. Catena, n.100, p. 139-147, 2012.

PEREIRA, H.H.G. Índices de erosividade da chuva: distribuição e relações com a precipitação em Piracicaba (SP). 1983. 70f. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1983.

PISSARRA, T.C.T.; CARVALHO, M.P.; CHUEIRE, F.B. Erosividade da chuva de Pereira Barreto (SP): distribuição, período de retorno e probabilidade de ocorrência. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA, 13., 2000. Ihéus, Anais... Campinas: SBCS, 2000.

PRUSKI, F.F. Fatores que interferem na erosão hídrica do solo. Conservação de solo e água: Práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica. 2.ed. Viçosa, MG, Universidade Federal de Viçosa, 2009. p.41-74.

ROQUE, C.G.; CARVALHO, M.P.; PRADO, R.M. Fator erosividade da chuva de Piraju (SP): distribuição, probabilidade de ocorrência. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA, 13., 2000. Ihéus, Anais... Campinas: SBCS, 2000.

RUFINO, R. L.; BISCAIA, R. C. M.; MERTEN, G. H. Determinação do potencial erosivo da chuva do Estado do Paraná, através de pluviometria: terceira aproximação. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Campinas, v. 17, n. 1, p. 439-444, 1993.

SANTOS, J. P. A.; SILVA, A. F.; SILVA, C. V.; SANTOS, W. V.; LIMA, F. J. Caracterização geomorfológica do maciço de Água Branca e seu entorno: uma primeira aproximação. Rev. REGNE, Vol. 5, Nº Especial, 2019.

SANTOS, T.E.M.; MONTENEGRO, A.A.A. Erosividade e padrões hidrológicos de precipitação no Agreste Central pernambucano. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.16, n.8, p.871–880, 2012.

SANTOS, T. E. M.; MONTENEGRO, A. A. A.; PEDROSA, E. M. R. Características hidráulicas e perdas de solo e água sob cultivo do feijoeiro no semiárido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.13, n.3, p.217–225, 2009.

SILVA, R.M.; MONTENEGRO, S.M.G.; SANTOS, C.A.G. 2012. Integration of GIS and remote sensing for estimation of soil loss and prioritization of critical sub-catchments: a case study of Tapacurá catchment. Natural Hazards, v. 63, n. 3, p. 576- 592.

SILVA, R.B.; IORI, P.; SILVA, F.A.M. Proposição e validação de equações para estimativa da erosividade de dois municípios de São Paulo. Irriga, Botugatu, v.14, n.4, p.533-547, 2009.

SILVA, A.M. Rainfal erosivity map for Brazil. Catena. 2004; v.57, p.251-259.

SILVA, J. R. C.; DIAS, A. S. A erosividade das chuvas em fortaleza (CE). II - Correlação com o coeficiente de chuva e atualização do fator R no período de 1962 a 2000. Revista Brasileira de Ciências do Solo. n. 27, p. 347-354, 2003.

SILVA, M.L.N.; FREITAS, P.L.; BLANCANEAUX, P.; CURI, N. Índice de erosividade das chuvas da Região de Goiânia, GO. Pesq. Agrop. Bras. Brasilia, v.32, n.10, p.977-085, 1997.

VAL, L.A.; BAHIA, V.G.; FREIRE, J.C.; DIAS JUNIOR, M.S. Erosividade das chuvas em Lavras – MG. Ci. Prática., 10:199-209, 1986.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-418

Refbacks

  • There are currently no refbacks.