Famílias Monoparentais e Desigualdade de Gênero / Monoparental Families and Gender Inequality

Virginia de Souza

Abstract


O presente artigo tem como objetivo discutir pontos relevantes da dissertação de Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas, a qual realiza um paralelo entre as famílias monoparentais chefiadas por homens e as chefiadas por mulheres, procurando verificar as estratégias de sobrevivência utilizadas pelas famílias, a partir de uma comparação de gênero. Para a construção do estudo utilizou-se a pesquisa quantitativa no levantamento do número de famílias monoparentais existentes nos Centros Municipais de Educação Infantil- CMEIs e da pesquisa qualitativa na abordagem dos entrevistados. O estudo apontou que as famílias monoparentais dos CMEIs, em sua maioria, encontram-se no mercado informal de trabalho, em atividades com baixa remuneração, devido a não qualificação, como também, pela baixa escolaridade. As mulheres apresentam maior nível educacional se comparado aos homens, no entanto, os salários são inferiores. Ao longo da pesquisa constatou-se que a vulnerabilidade social está presente no cotidiano das famílias monoparentais. Na ausência de Políticas Públicas, surge a rede de solidariedade formada por parentes, vizinhos e comunidade como estratégia de sobrevivência nas situações de adversidades.


Keywords


Monoparentalidade, Gênero, Desigualdade.

References


AMARO, Sarita Teresinha Alves. A questão da mulher e a AIDS: novos olhares e novas

tecnologias de prevenção. In: Revista Saúde e Sociedade. v. 14, n. 2 p.89-99, maio/ago, 2005.

Disponível em:. Acesso em: 26 jun. 2008.

AMAZONAS, Maria Cristina Lopes de Almeida et al. Arranjos familiares de crianças das camadas populares. In: Psicologia em Estudo. v.8 n. especial, Maringá, 2003. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2007.

ALMEIDA, Laura Maria Pedrosa. Vulnerabilidade Social. In: Desenvolvimento humano no Recife. Atlas de Desenvolvimento Humano Municipal – 1991-2000, Recife, 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2006.

DUBET, François. As desigualdades multiplicadas. Tradução de Sérgio Miola. Ijuí: Ed.

Unijuí, 2003, 76 p.

FARAH, Marta Ferreira. Gênero e políticas públicas. In: Estudos Feministas, Florianópolis,

jan-abr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2008.

FARIA, Nalu; NOBRE, Miriam. Gênero e desigualdade. São Paulo: SOF, 1997. p.9-33.

FARIA, Scheila de Castro. História da família e demografia histórica. In: CARDOSO, Ciro

Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e

metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 241-258.

FREITAS, Rita de Cássia. Emnome dos filhos, a formação de redes de solidariedade: algumas

reflexões a partir do caso acari. In: Revista Serviço Social e Sociedade. nº 71, ano XXIII, São

Paulo: Cortez, 2002. p. 80-101

GIFFIN, Karen. A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito

histórico. In: Revista Ciência e Saúde Coletiva. 10 (1), p.47-57, 2005. Disponível em . Acesso em: 05de julho de 2008.

GONÇALVES, Betânia Diniz. Identidade de gênero e a experiência de poder entre mulheres – uma construção social cotidiana. In: Revista de Psicologia Política. Vol. 7, nº. 13, 2007. p. 1-

Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2008.

LYRA, Jorge et al. Homens e cuidado: uma outra família? In: ACOSTA, Ana Roja; VITALE,

Maria Amália Faller (Orgs.). Família: redes, laços e políticas públicas. 3ª ed. São Paulo:

Cortez/Instituto de Estudos Especiais PUC/SP, 2007. p. 79-91.

LYRA, Jorge; MEDRADO, Benedito. Produzindo sentidos sobre o masculino: da hegemonia

à ética da diversidade. In: ADELMAN, Miriam; SILVESTRIN, Celsi Brönstrup (Orgs.). Coletânea gênero plural. Curitiba: Ed. UFPR, 2002. p. 63-75

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. P.1-13. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf. Acesso em 20 jun.2008.

MACHADO, Leda Maria Vieira. A incorporação de gênero nas políticas públicas:

perspectivas e desafios. São Paulo: Annablume, 1999.

MATOS, Marlise. A democracia não deveria parar na porta de casa: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. Petrópolis, RJ, Vozes, 2002.

MEYER, Dagmar Estermann; KLEIN, Carin; ANDRADE, Sandra dos Santos. Sexualidade, prazeres e vulnerabilidade: implicações educativas. In: Educação em Revista. Belo Horizonte,

n. 46, p.219-239, dez, 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 de julho de 2008.

MUNHOZ, Divanir Eulália Naréssi. Entre a universalidade da teoria e a singularidade dos fenômenos: enfrentando o desafio de conhecer a realidade. In: Revista Emancipação. vol. 6. Universidade Estadual de Ponta Grossa. Departamento de Serviço Social. Ponta Grossa, PR: Editora UEPG, 2006.

TORRÃO FILHO, Amílcar. Uma questão de gênero: onde o masculino e o feminino se cruzam.

In: Cadernos Pagu. n. 24, janeiro-junho de 2005, p. 127-152. Disponível em:

. Acesso em: 05 de julho de 2008.

TORREMOCHA. Isabel Madruga. Monoparentalidad y política familiar: dilemas en torno

ala madre cuidadora/madre trabalhadora. In: Revista Centro de Investigaciones

Sociologicas. Madri: Siglo, 2006, 316 p.

VITALE, Maria Amália Faller. Avós: velhas e novas figuras da família contemporânea. In: ACOSTA, Ana Rojas; VITALE, Maria Amália Faller (Orgs.). Família, redes, laços e políticas públicas. 3. ed. São Paulo: Cortez/Instituto de Estudos Especiais PUC/SP, 2007. p. 93-105.

______ Famílias monoparentais: indagações. Revista Serviço Social e Sociedade, n. 71, ano

XXIII, São Paulo: Cortez, set/2002. p. 45-62.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-408

Refbacks

  • There are currently no refbacks.