O sentido de brincar no bumba meu boi do maranhão: A analítica existencial e as geograficidades / The sense of playing in the bumba my bull maranhão ox: The existential analytics and the geographies

Luciléa Ferreira Lopes Gonçalves, Salete Kozel Teixeira

Abstract


As bases das discussões apresentadas neste texto partem do sentido de brincar o Bumba meu boi e que são manifestadas nas geograficidades dos brincantes dessa festa. As geograficidades são discutidas como constituição de sentimentos e pertencimento ao lugar. Nesse sentido, argumenta-se que a essência do brincar o Boi está na experiência com todas as etapas que formam os ciclos da festa. O objetivo é discutir as geograficidades dos grupos Rama Santa e Maioba, no Maranhão, por meio da analítica existencial de Heidegger. Os procedimentos metodológicos incluem a abordagem qualitativa da realidade geográfica por meio de entrevistas, observação direta. Na analítica existencial, sobressaem particularidades das geograficidades na construção do sentimento de pertencimento, pelo qual emerge o reconhecimento como identidade e tradição. Essas compreensões se projetam nas possibilidades que o ser-no-mundo encontra no Boi, como lugar seguro para o divertimento, para a renovação de fé, o encontro com os amigos, o sustento e a união da família.


Keywords


Bumba meu boi, Geograficidades, Brincantes, Sentido.

References


BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução Antonio de Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

COSTA, Vincenzo. Heidegger. Tradução: Yvone Maria de Campos Teixeira da Silva. São Paulo: Ideias & Letras, 2015.

DARDEL, Eric. O Homem e a terra: natureza da realidade geográfica (Primeira edição 1952); Tradução Werther Holzer. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FERREIRA, Carla George; SILVA, Carlos Benedito Rodrigues da. Festejar com fé: o bumba-meu-boi maranhense uma cumplicidade com São João. V Simpósio Internacional do Centro de Estudos do Caribe no Brasil, 2008. Disponível em: www.revistabrasileiradocaribe.org/Carla FerreiraCarlosSilva. Acesso em 01.09.2009.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo: Parte I. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 1988, p.6.

HOLZER, Werther. O lugar na Geografia humanista. Revista Território. Rio de Janeiro: ano 4, n. 7, p. 67-78, jul./dez. 1999.

LAROUSSE. Dicionário da Língua Portuguesa – Paris: Larousse. São Paulo: Ática, 2001, p. 927.

LIMA, Angélica Macedo Lozano; KOZEL, S. LUGAR E MAPA MENTAL: UMA ANÁLISE POSSÍVEL. Revista Geografia, v. 18, n. 1, p. 207-231, jan./ jun. 2009. Londrina. Disponível em . Acesso em: 5 out. 2012.

LOPES, Luciléa Ferreira Gonçalves. ENTRE SOTAQUES, BRILHOS E FITAS: TECENDO GEOGRAFICIDADES POR MEIO DOS BOIS RAMA SANTA E MAIOBA. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná. Curitiba: UFPR, 2016.

MARANDOLA JR., Eduardo. Heidegger como matriz do pensamento fenomenológico em Geografia. In: Encontro nacional de história do pensamento geográfico, 2, 2010, São Paulo. Disponível em: . Acessado em: set. 2015.

MESSIAS, Vinícius Custódio et al. Patrimônio cultural de Lavras (MG): valorização e pertencimento. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 11, p.84312-84325, nov. 2020. Disponível em: < http://brazilianjournals.com/index.php/BRJD. >. Acessado em: nov.2020.

SARAMAGO, Lígia. A topologia do ser: lugar, espaço e linguagem no pensamento de Martin Heidegger. Rio de Janeiro: Ed. PUC- Rio; São Paulo: Loyola, 2008.

________. Como Ponta de Lança: o pensamento do lugar em Heidegger. In: MARANDOLA, JR.; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? São Paulo: Perspectiva, 2014. p. 193-225.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução: Lívia de Oliveira. Eduel: Londrina, 2013.

VATTIMO, Gianni. Introdução a Heidegger. Tradução: João Gama. Lisboa. Edições 70, 1987.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-405

Refbacks

  • There are currently no refbacks.