Dialogisme Bakhtinien en Confluence Avec La Sociopragmatique Danoise: Perspectives en Langue Appliquée / Dialogismo Bakhtiniano em Confluência com a Sociopragmática Dinamarquesa: Perspectivas em Linguística Aplicada

Bruno Gomes Pereira

Abstract


Ce travail vise à problématiser les dialogues théoriques entre les études philosophiques de Bakhtine et les théories de l’interaction de Jacob Mey. En ce sens, je part de l’articulation entre de telles théories, afin de comprendre comment elles convergent et aider à fonder différentes recherches dans le cadre des études linguistiques. La méthodologie est bibliographique, puisque je mobilise des études de la littérature évoquée pour tenter de générer un débat cohérent sur cette articulation. D’un point de vue interactionnel, je crois que la confluence entre les études susmentionnées part de l'idée d'interdiscours, puisque les deux conçoivent le langage comme un outil immanent de l’esprit dialogique.


Keywords


Dialogue, Interaction, Langue, Voix.

Full Text:

PDF

References


BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo/SP: HUCITEC, 1999.

BAKHTIN, M. Problems of Dostoevsky’s Poetics. London: University of Minnesota Press, 1984.

BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral II. Campinas: Pontes Editores, 2006.

BEZERRA, P. Polifonia. In.: BRAIT, B. (org). Bakhtin: Conceitos-Chave. São Paulo: Contexto, 2014. p. 191-200.

BLOMMAERT, J. Ideologias Linguísticas e Poder. In.: SILVA, D. N.; FERREIRA, D. M. M.; ALENCAR, C. N. (orgs). Nova Pragmática: Modos de fazer. São Paulo/SP: Cortez, 2014. p. 67-77.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Lisboa: Editora Bertrand Brasil, 1989.

BRAIT, B. Alguns Pilares da Arquitetura Bakhtiniana. In.: BRAIT, B. (org). Bakhtin: Conceitos-Chave. São Paulo: Contexto, 2014. p. 7-10.

CUNHA, D. C. da. Formas de presença do outro na circulação dos discursos. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n.5, p. 116-132, 1º semestre 2011.

DIAS, L. F. Significação, e Forma Linguística na Visão de Bakhtin. In.: BRAIT, B. (org). Bakhtin: Dialogia e Construção do Sentido. Campinas: UNICAMP, 2005. p. 99-107.

FIORIN, J. L. A Linguagem em Uso. In.: FIORIN, J. L. (org). Introdução à Linguística: Objetos Teóricos. São Paulo: Contexto, 2011. p. 165-186.

FIORIN, J. L. Introdução ao Pensamento de Bakhtin. São Paulo/SP: Ática, 2006.

GNERRE, M. Linguagem, Escrita e Poder. São Paulo/SP: Fontes Editora, 1991.

HANKS, W.F. Língua como Prática Social: Das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo/SP: Cortez, 2008.

KLEIMAN, A. B. Agenda de Pesquisa e Ação em Linguística Aplicada: Problematizações. In.: MOITA LOPES, L. P. (orgs). Linguística Aplicada na Modernidade Recente: Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo/SP: Parábola, 2013. p. 39-58.

MACHADO, I. Gêneros Discursivos. In.: BRAIT, B. (org). Bakhtin: Conceitos-Chave. São Paulo: Contexto, 2014. p. 151-166.

MELO, L. C. de. Formas Linguísticas de Inscrição do Outro e do Eu-Mesmo na Escrita Reflexiva Acadêmico-Profissional de Relatórios de Estágio de Professores de Língua. 2015. 167f. Tese (Doutorado em Ensino de Língua e Literatura) – Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, 2015.

MEY, J. L. Sequencialidade, Contexto e Forma Linguística. In.: SILVA, D. N.; FERREIRA, D. M. M.; ALENCAR, C. N. (orgs). Nova Pragmática: Modos de fazer. São Paulo/SP: Cortez, 2014. p. 129-144.

MEY, J. L. As Vozes da Sociedade: Seminários de Pragmática. Campinas/São Paulo: Mercado de Letras, 2001.

MEY, J. L. As Vozes da Sociedade: Letramento, consciência e poder. In.: DELTA. vol.14, n.2. São Paulo, 1998.

MIOTELLO, V. Ideologia. In.: BRAIT, B. (org). Bakhtin: Conceitos-Chave. São Paulo: Contexto, 2014. p. 167-176.

MOITA LOPES, L. P. da. Uma Linguística Aplicada Mestiça e Ideológica: Interrogando o campo como linguista aplicado. In.: MOITA LOPES, L. P. da (org). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 13-44.

ORLANDI, E. P. Discurso e Leitura. São Paulo: Cortez, 1996.

PEREIRA, B. G. Relocalização de Saberes Acadêmicos de Professores em Formação Inicial na Escrita Acadêmica Convencional e Reflexiva. 2016. 350f. Tese (Doutorado em Ensino de Língua e Literatura) – Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, 2016.

PEREIRA, B. G. Jacob Mey e a teoria das vozes sociais: um olhar sociopragmático. Cadernos do Congresso Nacional de Linguística e Filologia: Análise do Discurso, Linguística Textual e Pragmática. Rio de Janeiro, Vol. XIX, Nº 01, 2015. p. 163-170.

PIRES, V. L.; TAMANINI-ADAMES, F. A. Desenvolvimento do Conceito Bakhtiniano de Polifonia. Revista Estudos Semióticos, Nº 2, v. 6, p. 66-76, 2010.

RAJAGOPALAN, K. Da Arrogância Cartesiana à “Nova Prgamática”. In.: SILVA, D. N.; FERREIRA, D. M. M.; ALENCAR, C. N. (orgs). Nova Pragmática: Modos de fazer. São Paulo/SP: Cortez, 2014. p. 11-14.

REICHMANN, C. L. A Professora Regente Disse que Aprendeu Muito: A voz do outro e o trabalho do professor iniciante no estágio. Raído, Dourados, MS, v.8 , n.15, jan./jun. 2014. p. 33-44.

TEZZA, C. A Construção de Vozes no Romance. In.: BRAIT, B (org). Bakhtin: Dialogismo e construção do Sentido. Campinas/SP: Editora da UNICAMP, 2005. p. 209-217.

VALSECHI, M. C.; KLEIMAN, A. B. O Estágio Supervisionado e a Voz do Outro. Raído, Dourados, MS, v.8 , n.15, jan./jun. 2014. p. 13-32.

VAN DIJK, T. A. Cognição, Discurso e Interação. São Paulo: Contexto, 1996.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-396

Refbacks

  • There are currently no refbacks.