ROTACISMO: uma descrição do fenômeno na fala de Cascavel/PR / ROTACISM: a description of the phenomenon in Cascavel / PR's speech

Sanimar Busse, Tathiane Cristino

Abstract


Dado o fato de a língua sofrer mudanças a todo o momento, é essencial o estudo das relações entre a estrutura e as condições sociais e culturais que conduzem a realização da fala. A heterogeneidade linguística pode ser tomada, portanto, como efeito da vivência social dos falantes, em que a variação linguística caracteriza-se como elemento que captura os fenômenos socioculturais e as diferentes vivências de uma comunidade de fala. Em face de tais premissas, este trabalho tem o objetivo de discutir acerca de uma das variantes descritas pelo estudo da variação e da mudança linguística: o rotacismo. Na literatura linguística, a troca do fonema consonantal lateral [l] pela vibrante [r] compreende o fenômeno do rotacismo. Para o estudo desse fenômeno, a discussão aqui proposta ampara-se nos princípios da Sociolinguística e da Dialetologia Pluridimensional, para descrição e análise de dados no Estudo Geossociolinguístico da Fala do Oeste do Paraná (BUSSE, 2010). O resultado preliminar indica que o rotacismo é um fenômeno vivo e presente na fala e, que, além disso, tais compartilhamentos resultam em atos de diversidade linguística, e compreendê-los, sobre esse prisma, significa entender os meios pelos quais as variáveis são movidas.

Keywords


Rotacismo, língua, variação.

References


ALKMIN, Tania. Sociolinguística — Parte I. In MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Christina. (Org.). Introdução à linguística. São Paulo: Cortez, 2001.

AMARAL, Amadeu. O dialeto caipira. São Paulo: HUCITEC, Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976.

BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2005. BOTELHO, José Mario; LEITE, Isabelle Lins. Metaplasmos contemporâneos: um estudo acerca das atuais transformações fonéticas da língua portuguesa. Rio de Janeiro: UERJ, 2005. Disponível em:

. Acesso em: 02 abr. 2017.

BUSSE, Sanimar. Um Estudo Geossociolinguístico da Fala do Oeste do Paraná. 2010. 286f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina/UEL, Londrina, 2010.

CARDOSO, Suzana Alice. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

COELHO, Izete Lehmkuhl et al. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Editora Contexto, 2015. COX, Maria Inês Pagliarini. Línguas misturadas: para além de bem e mal. Revista Linguasagem. 4. ed. 2008. Disponível em: < http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao04/04_020.php>. Acesso em: 10 abr. 2017.

FERREIRA, Carlota; CARDOSO, Suzana Alice. A dialetologia no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994. LABOV, William. Sociolinguística: uma entrevista com William Labov. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. Vol. 5, n. 9, p.1-2 ago. 2007. (Trad. Gabriel de Ávila Othero). ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. Disponível em:

. Acesso em: 02 abr. 2017.

MOLLICA, Maria Cecília; BRAGA, Maria Luiza (Org.). Introdução à sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2010.

MOLLICA, Maria Cecília; PAIVA, Maria da Conceição. Restrições estruturais atuando na relação entre

[l] > [r] e [r] > 0 em grupos consonantais em Português. Boletim da Associação Brasileira de Linguística, n.11, p.180-182, 1991.

PORTAL DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL. A Cidade. 2012. Disponível em:

. Acesso em: 11 abr. 2017.

SILVA, Thaïs Cristófaro. Dicionário de Fonética e Fonologia. São Paulo: Contexto, 2011. TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolingüística. 7.ed. São Paulo: Ática, 2001.

TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-395

Refbacks

  • There are currently no refbacks.