O aproveitamento da luz natural e o uso consciente da iluminação artificial no edifício vilanova artigas, sede da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP): Diretrizes de uso e gestão energética / The use of natural light and the conscious use of artificial lighting in the building vilanova artigas, headquarters of the Faculty of Architecture and Urbanism of the University of São Paulo (FAUUSP): Guidelines for energy use and management

Cristiane Mitiko Sato Furuyama, Joana Carla Soares Gonçalves, Eduardo Gasparelo Lima, Roberta Consentino Kronka Mülfarth, Marcelo de Andrade Romero

Abstract


Em edifícios educacionais em geral, a demanda pela iluminação artificial tem um peso significativo no consumo de energia total, em decorrência das exigências de desempenho luminoso em salas de aula e outros ambientes de estudo. O projeto do edifício sede da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, a FAUUSP, previu a priorização dos espaços de desenvolvimento do conhecimento coletivo, representados principalmente pelos estúdios. Tais espaços foram idealizados para serem qualificados pela luz zenital proveniente dos domos. Neste contexto, este trabalho busca avaliar o desempenho luminoso do edifício e posterior estudo de eficiência energética, com o intuito de elaborar diretriz de uso e ocupação para educar seus usuários a utilizar de forma consciente a iluminação artificial, mantendo os equipamentos e sistemas existentes, enquanto o aproveitamento da iluminação natural é maximizado. Para tanto, foram adotados procedimentos de natureza indutiva-empírica e dedutivas-simulacionais. Os resultados encontrados seguindo os dois procedimentos mostram altos níveis de iluminância interna proveniente da luz natural, satisfatórios para a realização das tarefas designadas para estes espaços por grande parte das horas do ano. O cruzamento das informações levantadas acerca da iluminação natural e do sistema de iluminação artificial já existente apontam para uma economia de energia anual de 54% do que hoje é gasto, equivalendo a cerca de R$ 107.000,00 ao ano.


Keywords


Edifício educacional, iluminação natural zenital, iluminação artificial, eficiência energética, pesquisa de campo, simulação computacional.

References


ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15215-3: Iluminação natural – Parte 3: Procedimento de cálculo para a determinação da iluminação natural em ambientes internos. Rio de Janeiro, 2005.

_____. NBR 15220-3: Desempenho térmico de edificações – Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e estratégias de condicionamento térmico passivo para habitações de interesse social. Rio de Janeiro, 2005.

_____. NBR ISO/CIE 8995-1: Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior. Rio de Janeiro, 2013.

ALUCCI, M. Manual para dimensionamento de aberturas e otimização da iluminação natural na arquitetura. São Paulo: FAUUSP, 2006.

CARBON TRUST. Schools: Learning to improve energy efficiency. Disponível em: . Acesso em maio de 2019.

CONTIER, Felipe de Araujo. O Edifício da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Cidade Universitária: Projeto e Construção da Escola de Vilanova Artigas. 2015. 441p. Tese (Doutorado) – Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2015.

GONÇALVES, J. BODE, K. (org.) Edifício Ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

HARA, Américo Hiroyuki, PEREIRA, Fernando Oscar Ruttkay. Avaliação da adaptação visual em espaços de transição e permanência e o uso dos sistemas de iluminação artificial e natural. In: Brazilian Journal of Development, v.5, n.8 p.11454-11466, Curitiba, 2019.

HARB, F. et al. Lack of exposure to natural light in the workspace is associated with physiological, sleep and depressive symptoms. Chronobiology International, 32:3, 368-375, 2015.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dimensionamento de Aberturas e Proteções Solares. São Paulo, 1978. (Relatório IPT n° 13.257).

IPCC -INTERNATIONAL ENERGY AGENCY. Energy techonology perspectives 2008: Scenarios and strategies to 2050. Paris: IEA, 2008.

LEVINE, M. et al. Residential and comercial buildings. In.: IPCC – INTERNATIONAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Climate change 2007: mitigation of climate change. Contribution of Working Group III to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

MARCONDES-CAVALERI, Mônica Pereira, CUNHA, Guilherme Reis Muri, GONÇALVES, Joana Carla Soares (2018). Iluminação natural em edifícios de escritórios: avaliação dinâmica de desempenho para São Paulo. Daylight performance of office buildings: a dynamic evaluation for the case of São Paulo. In: PARC, Pesquisa em Arquitetura e Construção, v.9, p. 19-34. Campinas: UNICAMP.

MARDALJEVIC, J., ANDERSEN, M., ROY N., CHRISTOFFERSEN J. Daylighting Metrics: Is there a relation between useful daylight illuminance and daylight glare probability? In: Proceeding of the Building Simulation and Optimization Conference BSO12, Loughborough, UK, 2012.

MARTAU, B. O conceito da luz circadiana e suas implicações na arquitetura. In.: Anais da 67ª Reunião Anual da SBPC. São Carlos, 2015.

OKSMAN, Silvio. Preservação do Patrimônio Arquitetônico Moderno. A FAU de Vilanova Artigas. 2011. 130p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PINHO, Johnny Klembe Costa. Desempenho Ambiental da FAUUSP em Cenário de Mudança Climática. 2013. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

RUPP, R. et al. Modelos de Referência de Edificações Educacionais: Definição de Tipologias de Determinação do Desempenho Energético. In.: XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 16., 2016, São Paulo. Anais... Porto Alegre: ANTAC, 2016.

SEKKI, T.; AIRAKSINEN, M.; SAARI, A. Measured energy consumption of educational buildings in a Finnish city. Energy and Buildings, v. 87, p. 105–115, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-390

Refbacks

  • There are currently no refbacks.