Mulheres idosas obesas apresentam maior prevalência de quedas e pior equilíbrio estático e dinâmico? Um estudo transversal / Obese elderly women with higher prevalence off falls and worse dynamic and static balance? A cross-sectional study

Ana Eliza Corrér Rodrigues, Walter Sepúlveda-Loyola, Ligia Maria Facci, Camila Signori, Fernanda Cristiane de Melo

Abstract


As quedas são consideradas o acidente mais comum em idosos e uma das principais causas de incapacidade, hospitalização e mortalidade nessa população. Podem estar associadas a diversos fatores como funcionalidade, controle do equilíbrio e composição corporal. Este estudo teve como objetivo comparar mulheres com diferentes IMC quanto à ocorrência de quedas, equilíbrio dinâmico e estático. Trata-se de um estudo transversal com mulheres idosas entre 60 e 65 anos. As participantes (N=103) foram avaliadas por meio da aplicação de questionário com informações sociodemográficas e investigação de quedas, bem como medidas antropométricas foram realizadas para cálculo do índice de massa corporal (IMC) e utilizando o Timed Up and Go (TUG) e o Teste de Apoio Unipodal (TAU) para equilíbrio dinâmico e estático. Para as comparações entre grupos, ANOVA One-way para medidas repetidas. Significância estatística p < 0,05. Em conclusão, idosas obesas apresentaram maior prevalência de quedas e pior equilíbrio dinâmico em relação às idosas com peso normal. As quedas geralmente acontecem na rua por tropeço. Não foram observadas diferenças no equilíbrio estático em idosas com diferentes IMC.

 


Keywords


Idosos, Acidentes por quedas, Envelhecimento, Obesidade, Equilíbrio Postural.

References


ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade. 4°ed. - São Paulo, 2016.

ALDRIGHI J. M. et al. Alterações Sistêmicas do Climatério. Rev. Brasileira de Medicina, 2002; 59: 15-21.

ALFIERI, F. M. et al. Equilíbrio e mobilidade funcional em indivíduos independentes para o autocuidado de diferentes faixas etárias. Rev. Kairós Gerontologia, 2015; 18(4):151-163.

BUKSMAN, S. et al. Projeto Diretrizes: quedas em idosos: prevenção. Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. São Paulo: Associação Médica Brasileira, 2001.

CAMARA, F.M. et al. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Acta Fisiátrica, 2008; 15(4):249-256.

CHO, B. Y. et al. BMI and central obesity with falls among comunnity-dwelling olders adults. Am J PrevMed, 2018; 54(4):59-66.

DAMASO, A. Obesidade. Rio de Janeiro: Medsi; 2003.

ELIAS Filho J. et al. Prevalência de quedas e fatores associados em idosos brasileiros residentes na comunidade: revisão sistemática e metanálise. Saúde Pública, 2019; 35(8).

FRANCISCO, C. O. et al. Comparação do equilíbrio corporal de mulheres a partir da meia idade obesas e não-obesas. Fisioterapia e Pesquisa, 2009;16(4):323-8.

GARCIA C. R. et al. Defining menopause status: creation of a new definition to identify the changes of the menopause transition. Menopause, 2005;2(2):128-135.

GOMES-NETO, M. et al. Estudo comparativo da da capacidade funcional e qualidade de vida entre idosos com osteoartrite de joelho obesos e não obesos. Rev Bras. Reumatol., 2016;56(2):126–130.

GUSTAFSON, A. S. et al. Changes in balance performance in physically active elderly people aged 73-80. Scand J Reab Med., 2000;32:168-172.

HURVITZ, E. A. et al. Unipedal Stance Testing as an indicator of fall risk among older outpatients. Arch Phy Med Rehabilitation, 2000: 81(5):587-591.

LEITÃO, S. M. et al. Epidemiologia das quedas entre idosos no Brasil: uma revisão integrativa de literatura. GeriatrGerontolAging, 2018;12(3):172-179.

LITVOC, J.; BRITO, F. C., organizadores. Envelhecimento: prevenção e promoção da saúde. São Paulo: Atheneu; 2004. 226 pp.

MAINENTI M.R.M. et al. Adiposity and postural balance control: Correlations between bioelectrical impedance and stabilometric signal in elderly Brazilian women. Clinics. 2011; 66(9):1513-8.

MCTIGUE, K. M. et al. Obesity in older adults: a systematic review of the evidence for diagnosis and treatment. Obesity. 2006;14(9):1485-1497.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica – Brasília, 2006.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estatuto do idoso. 2 Ed. Rev. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo de Prevenção de Quedas. Anvisa/ Fiocruz, 2013.

NERI, S. G. R. et al. Associação entre obesidade, risco de quedas e medo de cair em mulheres idosas. Rev. Bras. Cineantropom.Desempenho Hum. 2017; 19(4):450-458.

Norma técnica da Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN, 2004. [acesso em: 09 de junho de 2019]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgiwin/SISVAN/CNV/notassisvan.html

PERRACINI, M. R.; FLÓ, C. M. Funcionalidade e Envelhecimento. 1 Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

PODSIADLO, D. B; RICHARDSON S. The Timed “Up & Go”: A Basic Test of Functional Mobility for frail ederly Persons.J Am Geriatr Soc. 1991;39:142-48.

REBELATTO, J. R. et al. Equilíbrio estático e dinâmico em indivíduos senescentes e o índice de massa corporal. Fisioter. Mov. 2008;21(3):69-75.

SANTOS, R. R. et al. Obesidade em idosos. Rev. Med Minas Gerais, 2013;23(1):64-73.

SILVA-FHON, J. R. et al. Causas y factores asociados a las caídas del adulto mayor. Enferm. univ. 2019:16(1):31-40.

SOUZA, J. M. S.; ZERBINI, C. A. F. Queda em idosos. Rev. Paulista de Reumatologia. 2011;10 Suplemento.

YI, L. C. et al. Influência do índice de massa corporal no equilíbrio e na configuração plantarem obesos adultos. Rev. Bras Med Esporte. 2014;20(1):70-73.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-372

Refbacks

  • There are currently no refbacks.