Parto Humanizado: limites e possibilidades / Humanized Childbirth: limits and possibilities

João Eduardo D’avila Cotta, Anna Luisa Santos de Faria, Julya Fernanda Alves dos Santos, Liziane Martins

Abstract


Objetivo: Analisar as possibilidades e limitações de um parto humanizado dentro da assistência pública, considerando as características que qualificam suas diferentes dimensões. Metodologia: Elaborado a partir de levantamento bibliográfico de literatura nacional e internacional na biblioteca eletrônica científica online do SciELO e no setor de publicações do Centro Universitário São Camilo. A pesquisa abrangeu artigos do período de 2015 a 2018. Porém, foram incluídos 6 textos mais antigos que nos pareceu pertinente para a pesquisa. Resultados: Todos da equipe obstétrica precisam trabalhar em conjunto com a parturiente, levando em consideração as vontades pessoais da grávida e instruindo-a a condutas saudáveis; como também explicar de forma clara as diferenças entre parto normal e cesárea. Há, entretanto, limitações presentes na atenção básica à gestante quando o exercício profissional de obstetrícia é concebido de forma restrita ao âmbito técnico-procedimental, decorrente, principalmente, de atividades maçantes do cotidiano de trabalho. O papel das doulas se destaca para reverter esse problema, mas encontra-se instável no regime da equipe obstétrica, mesmo sendo uma assistência não convencional que se prova eficiente na promoção de cuidados e autonomia da parturiente. Ademais, destaca-se a violência obstétrica como causa significativa de muitos problemas biopsicossociais, identificado na falta de atenção à parturiente e nos procedimentos não humanizados, existentes na sala de parto e também no pré e pós-natal. Conclusão: O desenvolvimento da autonomia da mulher gestante e sua participação ativa no planejamento de parto colabora efetivamente na humanização de seu processo, de forma que a melhor tecnologia e estrutura institucional não poderia garantir. A deficiência de cuidados administrativos torna as relações humanas desgastadas pela burocracia e dificulta a participação benéfica de assistências não convencionais ao parto, tanto como a participação dos próprios acompanhantes da gestante. Outrossim, a tecnologia bem orientada, pode suplantar as questões reprováveis de seu uso desnecessário e conquistar uma função plena que salvaguarde à saúde da mulher e do neonato.


Keywords


Parto Humanizado, Apresentação Pélvica, Cesárea, Salas de Parto.

References


ANUNCIAÇÃO, P. S. DA; LAMY, Z. C.; PEREIRA, M. U. L.; et al. “Revés de um parto”: relatos de mulheres que perderam o filho no período neonatal. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 12, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2018001205013&script=sci_arttext. Acesso em: 10 abr. 2019.

BARBOSA, M. B. B. et al. Doulas como dispositivos para humanização do parto hospitalar: do voluntariado à mercantilização. Saúde em Debate, v. 42, n. 117, p. 420–429, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42n117/0103-1104-sdeb-42-117-0420.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

CECHIN, P. L. Reflexões sobre o resgate do parto natural na era da tecnologia. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 55, n. 4, p. 444-448, jul/ago. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v55n4/v55n4a15.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.

CREPALDI, M. A.; MOTTA, C. C. L. O Pai no Parto e Apoio emocional: A Perspectiva da Parturiente. Paidéia, v. 15, n. 30, p. 105–118, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-863X2005000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 abr. 2019.

FRANÇA, E. B.; LANSKY, S.; REGO, M. A. S.; et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, n. suppl 1, p. 46–60, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2017000500046&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 10 abr. 2019.

KOETTKER, J. G.; et. al. Práticas obstétricas nos partos domiciliares planejados assistidos no Brasil. Revista da Escola de Enfermagem da U S P, v. 52, p. e03371, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342018000100460&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 abr. 2019.

MARQUE, F. C.; VARGAS. D. I. M.; AZEVEDO, L. A percepção da equipe de enfermagem sobre humanização do parto e nascimento. Escola Anna Nery, v. 10, n. 3, p. 439–47, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v10n3/v10n3a12. Acesso em: 15 abr. 2019.

MARTINS, D. P. et al. Cuidados humanizados: a inserção de enfermeiras obstétricas em um hospital de ensino. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 69, n. 6, p. 1091–1098, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672016000601091&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 15 abr. 2019.

MASCARELLO, K. C. et al. Complicações puerperais precoces e tardias associadas à via de parto em uma coorte no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 21, n. 0, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v21/1980-5497-rbepid-21-e180010.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

NAGAHAMA, E. E. I.; SANTIAGO, S. M. Práticas de atenção ao parto e os desafios para humanização do cuidado em dois hospitais vinculados ao Sistema Único de Saúde em município da Região Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 8, p. 1859–1868, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2008000800014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 abr. 2019.

OLIVEIRA, V. J.; PENNA, C. M. M. O discurso da violência obstétrica na voz das mulheres e dos profissionais de saúde. Texto e Contexto Enfermagem, v. 26, n. 2, p. 1–10, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v26n2/pt_0104-0707-tce-26-02-e06500015.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

PEREIRA, R. M.; et al. Novas práticas de atenção ao parto e os desafios para a humanização da assistência nas regiões sul e sudeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 11, p. 3517–3524, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232018001103517&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 abr. 2019.

POSSATI, Andrêssa Batista et al. Humanização do parto: significados e percepções de enfermeiras. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, e20160366, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452017000400203&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 abr. 2019.

PRISZKULNIK, G.; MAIA, A. C. Parto humanizado: influências no segmento saúde. O Mundo da Saúde, v. 33, n. 1, p. 80–88, 2009. Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/66/80a88.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

SILVA, C. M.; et al. Fatores associados ao contato pele a pele entre mãe/filho e amamentação na sala de parto. Revista de Nutrição, Campinas, v. 29, n. 4, p. 457-471, ago. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732016000400457&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 abr. 2019.

SUÁREZ-CORTÉS, M. et al. Uso e influência dos Planos de Parto e Nascimento no processo de parto humanizado Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 23, n. 3, p. 520–526, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692015000300520&lng=en&tlng=en. Acesso em: 15 abr. 2019.

TOMASCHEWSKI-BARLEM, J. G. et al. Como enfermeiros vêm exercendo a advocacia do paciente no contexto hospitalar? Uma perspectiva foucaultiana. Texto e Contexto Enfermagem, v. 25, n. 1, p. 1–9, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v25n1/0104-0707-tce-25-01-2560014.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-359

Refbacks

  • There are currently no refbacks.