Avaliação de Calls Realizada por Analistas de Mercado Supera o Ibovespa em Períodos de Volatilidade? / Calls Evaluation by Market Analysts Overcome the Ibovespa in Periods Of Volatility?

Marcus Vinicius de Lima Addario, Rodolfo Vieira Nunes, George André Willrich Sales

Abstract


As sugestões dos analistas passa por inúmeras questões sobre risco e retorno, e benefícios da diversificação de carteiras. O objetivo é verificar se as recomendações dos analistas de mercado referente a compra de ativos, Carteira Valor, tem maior rentabilidade que o Ibovespa em determinado período. O artigo busca compreender o comportamento da Carteira Valor e do Ibovespa entre 2014 e 2016, períodos de volatilidade. Adotou-se a metodologia de verificação da rentabilidade das carteiras por meio da anormalidade de retorno e anormalidade de retorno acumulado. O resultado evidenciou uma anormalidade em relação aos retornos, estabelecendo uma comparação se houve ou não retorno excedente das ações recomendadas. Assim, a Carteira Valor teve um retorno maior que o Ibovespa entre os anos analisados.


Keywords


Índice Carteira Valor, Ibovespa, Rentabilidade, Volatilidade.

References


BANCO CENTRAL DO BRASIL – BACEN. Relatório Anual de 2015. Brasília, 2015. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/pec/boletim/banual2015/rel2015p.pdf

BATTAGLIA, T. K.. Desempenho de carteiras 1/N selecionadas aleatoriamente. 2013. 62 f. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://www.coppead.ufrj.br/upload/publicacoes/Theo_Battaglia.pdf

BENNET, J. A.; SIAS, R. W. Portfolio Diversification. Journal of Investment Management, v. 9, n. 3, p. 74-98, 2011.

BETTMAN, J.; SAULT, S.; WELCH, E. Fundamental and Technical Analysis: Substitutes or Compliments?. Working Paper, SSRN, 2006. Available in: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=899879

BM&FBOVESPA. Índice Bovespa – IBOVESPA. Produtos. São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-amplos/indice-bovespa-ibovespa.htm

BODIE, Z.; KANE, A.; MARCU, A. J. Investments. 10ª ed. New York: McGraw Hill, 2014.

BRIGHAM, E. F.; EHRHARDT, M. C. Administração Financeira: Teoria e Prática. 14ª ed. São Paulo: Cengage, 2016.

BRITO, N. R. O. Gestão de Investimentos. São Paulo: Atlas, 1989.

CHANCE, D. M.; SHYNKEVICH, A.; YANG, T. H. Experimental evidence on portfolio size and diversification: human biases in naïve security selection and portfolio construction. Financial Review, v. 46, n. 3, p. 427-457, 2011.

DEMIGUEL, V.; GARLAPPI, L.; UPPAL, R. Optimal versus naive diversification: How inefficient is the 1/N portfolio strategy?. The Review of Financial Studies, v. 22, n. 5, p. 1915-1953, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA e Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC. Estatística, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/ipca-inpc_201709_1.shtm

KOTHARI, S. P. Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 31, n. 1-3, p. 105-231, 2001.

KRITZMAN, M.; PAGE, S.; TURKINGTON, D. In Defense of Optimization: The Fallacy of 1/N. Financial Analysts Journal, v. 66, n. 2, p. 31-39, 2010.

LEMES JÚNIOR, A. B.; RIGO, C. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. Administração financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras. 3ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

LIMA TAVARES, A.; TIBÚRCIO SILVA, C. A. A análise financeira fundamentalista na previsão de melhores e piores alternativas de investimento. Revista Universo Contábil, v. 8, n. 1, p. 37-52, 2012.

LOPES, A. B.; GALDI, F. C. Does financial statement analysis generate abnormal returns under extremely adverse conditions. Encontro Brasileiro de Finanças – EBFin. VII, Anais. São Paulo, 2007.

MARKOWITZ, H. Portfolio selection. The Journal of Finance, v. 7, n. 1, p. 77-91, 1952.

OLIVEIRA, F. N.; PAULA, E. L. Determinando o Grau Ótimo de Diversificação para Investidores Usuários de Home Brokers. Revista Brasileira de Finanças, v. 6, n. 3, p. 437-461, 2008.

PALEPU, K. G.; HEALY, P. M.; BERNARD, V. L. Business Analysis & Valuation: using financial statements – text and cases. 2ª ed. Cincinnati: South-Western College Publishing, 2000.

PENMAN, S. H. The quality of financial statements: Perspectives from the recent stock market bubble. Accounting Horizons, v. 17, p. 77, 2003.

PENMAN, S. H. (2013). Financial statement analysis and security valuation. 5ª ed. New York: McGraw-Hill, 2013.

PFLUG, G. C.; PICHLER, A.; WOZABAL, D. The 1/N investment strategy is optimal under high model ambiguity. Journal of Banking & Finance, v. 36, n. 2, p. 410-417, 2012.

QUIRIN, J. J.; BERRY, K. T.; O’BRIEN, D. A fundamental analysis approach to oil and gas firm valuation. Journal of Business Finance & Accounting, v. 27, n. 7‐8, p. 785-820, 2010.

RUBESAM, Alexandre; BELTRAME, André Lomonaco. Carteiras de variância mínima no Brasil. Revista Brasileira de Finanças, v. 11, n. 1, p. 81-118, 2013.

SANTIAGO, D. C.; LEAL, R. P. C. Carteiras igualmente ponderadas com poucas ações e o pequeno investidor. Revista de Administração Contemporânea, v. 19, n. 5, p. 544-564, 2015.

THOMSETT, M. C. Mastering fundamental analysis: how to spot trends and pick winning stocks using fundamental analysis. Chicago: Deaborn Financial Inc, 1998.

TOSTES, F. P. Gestão de risco de mercado: metodologias financeira e contábil. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2007.

WALTER, R. G. Análise fundamentalista e avaliação de títulos: aspectos teóricos. Revista de Administração de Empresas, v. 14, n. 1, p. 15-32, 1974.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-346

Refbacks

  • There are currently no refbacks.