Cupins associados a árvores urbanas de 10 bairros da cidade de Manaus, Amazonas / Coupins associated with urban trees in 10 neighborhoods of Manaus, Amazonas

Raimunda Liége Souza de Abreu, Luziana de Oliveira Queiroz, Bazilio Frasco Vianez, Fernando Bernardo Pinto Gouveia, Ceci Sales- Campos

Abstract


As árvores são muito importantes para comunidade urbana porque desempenham um papel vital para o bem-estar da sociedade, diminuindo a rudeza e rigidez das construções e das vias públicas. Em oposição a todas essas vantagens, a arborização de uma cidade está sujeita a deterioração por agentes biológicos como os cupins que estão entre os que mais deterioram as árvores vivas ou derrubadas. O objetivo deste trabalho foi avaliar a presença e a infestação de cupins em plantas usadas na arborização da cidade de Manaus, Amazonas. Para isso foram selecionados 10 bairros da cidade de Manaus, cujas principais ruas, avenidas, praças, parques e áreas verdes contenham o maior número de árvores. Foram avaliadas 11 espécies arbóreas e feita a avaliação quanto à presença de cupins, nível de deterioração e posterior coleta desses insetos. Foram coletados 6.196 espécimes de cupins, distribuídos em sete espécies. As espécies mais abundantes foram Nasutitermes corniger e Nasutitermes octopilis, sendo que N. corniger foi predominante, com 5.214 indivíduos, representando 84,15% do total de insetos coletados. Esta espécie de cupim foi encontrada em onze espécies arbóreas: Mangifera indica (2.834 indivíduos), Clitoria fairchildiana (515 indivíduos), Syzygium cumini (500 indivíduos), Sysygium malaccense (369 indivíduos), Anacardium occidentale (287 indivíduos), Terminalia catappa (273 indivíduos), Hevea brasiliensis (204 indivíduos), Cenostigma tocantinum (121 indivíduos), Ficus microcarpa (43 indivíduos), Artocarpus heterophyllus (38 indivíduos) e Delonix regia (30 indivíduos). Os cupins da espécie N. octopilis, com 497 indivíduos, representando 8,02% da coleta, foi encontrado em M. indica (198 indivíduos), A. occidentale (164 indivíduos), S. cumini (81 indivíduos) e C. fairchildiana (54 indivíduos). Quanto à constância das espécies de cupins, N. corniger foi avaliada como constante (100%), pois ocorreu em todos os bairros avaliados, seguida de N. octopilis como acessória (40%). O nível de deterioração das árvores variou do nível superficial (1) até o mais intenso (4), sendo que o nível superficial (1) foi predominante.


Keywords


Manaus, Arborização, térmitas, deterioração.

References


Amorim, M.C.C.T. 2001. Caracterização das áreas verdes em Presidente Prudente/SP. In: Sposito, M.E.B. (org). Textos e contextos para a leitura geográfica de uma cidade média. Presidente Prudente: [s/n] p. 37-52.

Araujo, R.L. 1958. Contribuição à biogeografia dos térmitas de São Paulo, Brasil, Insecta-Isoptera. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, 25: 185-217.

Araujo, R.L. 1970. Termites of the neotropical region. In: Krishna, K. & Weesner, M. (Ed.). Biology of termites. New York: Academic Press, 1970. v.2, cap.12, p.527-576.

Araujo, R.L. 1986. Térmitas prejudiciais às madeiras, p. 100-123. In: F. A.M. Mariconi; A.P.L. Zamith; R.L. Araujo; A.M. Oliveira Filho & R. Pinchin (Ed.). Inseticidas 3 e seu emprego no combate às pragas. São Paulo, Nobel, Tomo III, 2ª ed., 246p.

Bandeira, A.G.; Cancello, E.M. 1992. Four new species of termites (Isoptera, Termitidae) from the Island of Maracá, Roraima, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, 36(2):423-435.

Bandeira, A.G. 1993. Nota sobre Coptotermes (Isoptera: Rhinotermitidae) praga em floresta nativa da Amazônia, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, 37(1):189-191.

Bandeira, A.G.; Miranda, C.S.; Vasconcellos, A. (1998) Danos causados por cupins em João Pessoa, Paraíba - Brasil. p. 75-85. In.: Fontes, L. R. & Berti Filho, E. (Eds.). Cupins: O desafio do conhecimento. Piracicaba: FEALQ

Brazolin, S. 2009. Biodeterioração, anatomia do lenho e análise de risco de queda de árvores tipuana (Tipuana tipu), nos passeios públicos na cidade de São Paulo, SP. ESALQ. Universidade de São Paulo, 265 pp.

Bodenheimer, F.S. 1955. Precis d’ecologie animale..Payot, Paris. 315p.

Camargo-Dietrich, C.R.R.; Costa-Leonardo, A. M. 2000. Comportamento intra-específico do cupim Heterotermes tenuis (Hagen) (Isoptera, Rhinotemitidae) em condições de laboratório. Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba, 17 (2): 421-427.

Constantino, R. 1991. Termites (Isoptera) from the lower Japurá River, Amazonas State, Brazil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, série Zoologia, Belém, 7 (2): 189-224.

Constantino, R. 1999. Chave ilustrada para identificação dos gêneros de cupins (Insecta: Isoptera) que ocorrem no Brasil. Papéis Avulsos de Zoologia, 40(25):.387-448.

Constantino, R. 2002. The pest termites of South America: taxonomy, distribution and status. Journal Applied. Entomology., 126: 355-365.

Costa-Leonardo, A.M. 2002. Cupins-Praga: morfologia, biologia e controle. Rio Claro: DIVISA. 128 p.

Crestana, M.S.M.; Silva Filho, D.F.; Bertoni, J.E.A.; Guardia, J.E.A. 2007. Arvores e Cia.

Fontes, L. R. 1995. Cupins em áreas urbanas. In: Berti Filho, E. (Ed.) e Fontes, L. R. (Eds.). Alguns Aspectos Atuais da Biologia e Controle de Cupins. Piracicaba: FEALQ, p.57-76.

Fontes, L.R. 1998. Considerações sobre a complexidade da interação entre o cupim subterrâneo, Coptotermes havilandi, e a arborização no meio urbano. p. 109-124. In: Fontes, L.R.; Berti Filho, E. (Eds.). Cupins: O desafio do conhecimento. Piracicaba: FEALQ.

Garcia, A.H. 1999. Levantamento, identificação e avaliação de danos de insetos em árvores ornamentais na área urbana de Goiania (GO). Pesquisa Agropecuária Tropical, 29: 77-81. Kambhampati S, Eggleton P. 2000. Taxonomy and phylogeny of termites. In: Abe T, Bignell DE, Higashi M, editores. Termites: evolution, sociality, symbioses, ecology. Netherlands: Kluwer Academic Publishers; 2000. p. 1-23. http://dx.doi. org/10.1007/978-94-017-3223-9_1.

Lima, V.; Amorim M.C.C.T. 2006. A importância das áreas verdes para as cidades. Revista Formação, 13: 139 -165.

Martins, L. M; Maia, J.C; Brito, J.S. 2007. Os conflitos existentes entre a arborização e os equipamentos urbanos no centro de Teresina. II Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica João Pessoa – PB.

Mill, A.E. 1991. Termites as structural pests in Amazonia, Brazil. Sociobiology, Chico, 18: 339-348.

Mill, A.E. 1992. Termites as agricultural pests in Amazonia, Brazil. Outlook on Agriculture, Bracknel, 21: 41-46.

Milano, M.; Dalcin, E. Arborização em vias públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000.206 p.

Pizano, M.A.; L.R. Fontes. 1986. Ocorrência de Heterotermes tenuis (Hagen, 1858) e H. longiceps (Snyder,1924) (Isoptera, Rhinotermitidae) atacando cana-de-açúcar no Brasil. Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro, 104 (3/4): 29pp.

Rodrigues, C.A.G; Bezerra, B.C.; Ishii, I.H.; Cardoso, E.L.; Soriano, B.M.A.; Oliveira, H. 2002. Arborização urbana e redução de mudas de essenciais florestas nativas em Corumbá – MS. Embrapa Pantanal. Corumbá – MS. 26pp.

Sattler, M A. 1992. A arborização urbana e conforto ambiental. In: Encontro Nacional sobre Arborização Urbana, 4. Anais. Vitória: SBAU, p. 29-38.

Serpa, F.G. 1982. Durabilidade natural de madeiras do Nordeste em campo de apodrecimento. Revista Pernambucana Tecnologia, (1):47-54.

Scheffrahn, R.H; Krecek, J.; Szalanski, A.L; Austin, J.W. 2005. Synonymy of Neotropical Arboreal Termites Nasutitermes corniger and N. costalis (Isoptera: Termitidae: Nasutitermitinae), with Evidence from Morphology, Genetics, and Biogeography. Annal Entomological Socociety America, 98: 273-281.

Silveira Neto, S.; Nakano, O.; Barbin, D.; Villa Nova, N. A. 1976. Manual de ecologia dos insetos. Ed. Agronômica Ceres Ltda, São Paulo. 419p.

Zorzenon, F.J. 2009. Levantamento, dimensionamento de danos e manejo de cupins subterrâneos e formigas carpinteiras em arborização urbana. Dissertação. Instituto Biológico. São Paulo. 133pp.

Zorzenon, F.J; Potenza, M.R. 2006. Cupins pragas em áreas urbanas. Instituto Biológico, Boletim Técnico, 18. 66 pp.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-339

Refbacks

  • There are currently no refbacks.