Os passivos na sáude pública: uma contextualização socioeconômica entre o meio ambiente, a saúde e os gastos públicos / The passivos in public health: a socioeconomic context between the environment, health and public spending.

Maryângela Godinho Pereira Bena, Lauralice Ferreira Araujo, Julia de Aguiar Baldez Sousa, Mirian Tereza Holanda Cavalcanti de Andrade Belfort Gomes, Gleice Melo da Silva, Jadenn Rubia Lima Costa, Elias Victor Figueiredo dos Santos, Alanildes Silva Bena, Bruna Katarine Beserra Paz

Abstract


Este artigo pontua os impactos ocasionados pela falta de planejamento ambiental com relação ao aumento de doenças patogênicas, destacando como esse descontrole ocasiona agravos relevantes aos cofres públicos. Esse contexto nos possibilita compreender como as ações de controle do ar não realizadas anteriormente tem efeito sazonal nos resultados socioeconômicos. Questionando dentre outros pontos, a má qualidade dos serviços oferecidos à população na saúde publica. O entendimento dessa vertente só foi possível com a ajuda do Ministério da Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz e a Organização Mundial de Saúde, que nos permitiu evidenciar como os gastos públicos vêm se multiplicando ao longo dos anos, constituindo assim a necessidade de formalizar parâmetros adequados para trabalhar o Plano Nacional de Saúde e Ambiente e suas diretrizes para redução dos passivos e complementação de sua eficiência para a população.

 


Keywords


controle do ar, planejamento ambiental, saúde.

References


BANDIERA, O., PRAT, A., & VALLETTI, T. (2009). Active and passive waste in government spending: evidence from a policy experiment. American Economic Review, 99 (4), 1278-1308.

BRASIL, SENADO FEDERAL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/artigobd.asp?item=%202004. Acesso em: 10 de out.2016

BRASIL. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; 1993.

CAMARA, V.M.; TAMBELLINI, a.t. Considerações sobre o uso da epidemiologia nos estudos em saúde ambiental. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo, v. 6, n. 2, p. 95-104, 2003.

FONSECA-SOBRINHO D. Estado e população: uma história do planejamento familiar no

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Curso Básico de Vigilância Ambiental em Saúde – CBVA.Brasilia:FUNASA.No prelo agoset. 2000

GIAMBIAGI, F.; ALÉM, A.C. Finanças públicas: teoria e prática no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro:Elsevier, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Comitê estatístico social - SIM, SIH/SUS, 2013. Disponivel em: http://ces.ibge.gov.br/base-de-dados/metadados/ministerio-da-saude/sistema-de-informacoes-de-mortalidade-sim.html. Acesso em : 10 de out.2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (PROAM). Disponível em: http://www.proam.org.br/instituto.asp

Leff E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez; 2013.

MARA, D.D..; FEACHEM, R.G.A. Water: and excreta-related diseases: unitary environmental classification. Journal of environmental engineering, april 1999.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Indicadores para o estabelecimento de politicas e a tomada de decisão em saúde ambiental. No prelo 1998.

OSIS MJD. PAISM: um marco na abordagem da saúde reprodutiva no Brasil. Cad Saude Publica 1998; 14(Supl.1).

RIANI, F. Economia do setor público: uma abordagem introdutória. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

RIBEIRO, JA; PIOLA, SF e SERVO, LMS. As novas configurações de antigos problemas: financiamento e gasto com ações e serviços públicos de saúde no Brasil. Apresentado na II Jornada de Economia da Saúde da ABRES, Belo Horizonte, Dez. 2010. Publicado na Revista Divulgação em Saúde Para Debate, CEBES: Rio de Janeiro.

SCHIEBERet al. Financing global health: Mission unaccomplished. Health Affairs, Vol. 25, n 4, p. 921-934, 2007. SERVO, L. M. et al.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-325

Refbacks

  • There are currently no refbacks.