Feminismo, Literatura e Negritude: Pontos de um diálogo / Feminism, Literature and Negritude: Points of a Dialogue

Maria Mariana Ferreira Gonçalves, Iara Maria de Araújo, Rafaelly Carneiro dos Santos Nogueira

Abstract


Por muito tempo negou-se à mulher a participação no âmbito literário, para a mulher negra esse mecanismo de negação da fala e da escrita sempre ocorreu duplamente, pois além de ser subjugada pelo gênero é marginalizada pela raça. A intenção do artigo é pensar sobre a contribuição do pensamento feminista negro para problematizar as questões de racismo e sexismo que colocaram a mulher negra em condição de exclusão e marginalização e como esse movimento repercutiu na visibilidade da literatura de autoria feminina negra. Assim, utilizaremos um aporte teórico fundamentado em Constância Lima Duarte (2003), Bell hooks (2000), Sueli Carneiro (2005) Lélia Gonzalez (2019), Patrícia Hill Collins (2019) Grada Kilomba (2019) entre outras, perpassando a crítica cultural, educacional e feminista, os estudos literários, decoloniais, de gênero e étnico-raciais.


Keywords


Literatura feminina negra, Pensamento feminista negro, Racismo, Sexismo.

References


ADICHIE, Chimamanda. O perigo da história única. São Paulo, Companhia das letras, 2019.

ANZALDUA, Glória Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo.In. Revista Estudos feministas. V. 8 nº 1 p. 229-236.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLLANDA, H. B. Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro, Bazar do Tempo, 2019. pg 313-321.

COLLINS, Patrícia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do

pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril 2016.

DALCASTAGNE, Regina. "A cor de uma ausência: representações do negro no romance brasileiro contemporaneo." Revista Afro-Hispanic, vol. 29, no. 2, 2010, p. 97. 15 Set. 2020.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo: uma história a ser contada.In:HOLLANDA, Heloísa. Bazar do Tempo, 2019. p 25-47.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre (vivência) de dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (Org.). Mulheres no mundo. Etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ed. Universitária; Ideia, 2005, p. 201-212.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma voz quilombola na literatura brasileira. In: PEREIRA, Edimilson de Almeida (Org.). Um tigre na floresta de signos: estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010. p. 132-142.

GRADA KILOMBA. Memórias da plantação. Tradução: Jess Oliveira. 1 ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019, 248 p.

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 6ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019 a..

HOOKS, bell.Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo, Perspectiva , 2019b.

LOBO, Luiza. A Literatura de Autoria Feminina na América Latina. lfilipe.tripod.com. Disponível em: http://lfilipe.tripod.com/LLobo.html. Acesso em: 27 ago. 2020

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORI, Mary (org). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: contexto, 1997. P.443-481.

PERROT, Michele. Mulheres Públicas. Tradução: Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998. 160 p.

PERROT, Michele. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru, SP, Edusc,2005.519 p.

SOBRAL, Cristiane. Não vou mais lavar os pratos. Brasília: Athalaia, 2010.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução: Sandra R. Goulart Almeida; Marcos Feitosa; André Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

GONZÁLEZ STEPHAN, B. Modernización y disciplinamiento. La formación del ciudadano: del espacio público y privado. In.: GONZÁLEZ STEPHAN, B et al. (Org.). Esplendores y miserias del siglo XIX. Cultura y sociedad en América Latina. Caracas: Monte Ávila Editores, 1995.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-300

Refbacks

  • There are currently no refbacks.