Qualidade Ecológica da Água: Monitoramento com bioindicadores e análise do uso e ocupação da terra em uma Bacia Hidrográfica Urbana / Ecological Water Quality: Monitoring with bioindicators and analysis of land use and occupation in an Urban Watershed

Maria Helena da Silva Andrade, Sarah Couto de Freitas, Alan dos Santos Eleutério

Abstract


Historicamente, os cursos hídricos sofrem alterações a fim de satisfazer as necessidades humanas. Com o crescimento das áreas urbanizadas, tais alterações, muitas vezes, culminam em consequências drásticas para os assentamentos humanos. Assim, muitos corpos hídricos foram tamponados ou sofreram medidas estruturantes que os modificaram grandemente. Agora, com um maior entendimento cientifico acerca dos processos hídricos, há a busca pela recuperação da qualidade e biodiversidade dos mesmos. Na Bacia do Córrego Segredo, em Campo Grande/MS, várias alterações podem ser observadas, como canalização, desvio, tamponamento, criação de Áreas Úmidas Antropogênicas (AUAs). A partir dessa realidade, analisou-se por meio de índices bióticos a qualidade ecológica da água da bacia e a relação com as formas de uso e ocupação da terra. Foram avaliados diversos fatores, como pressão da urbanização, produção hortifrutigranjeira, AUAs, ocupações irregulares, entre outros. Para essa comparação, foi utilizado o índice BMWP (Biological Monitoring Working Party), aplicado em 5 pontos amostrais com tréplica em dezembro de 2018, época chuvosa. Constatou-se degradação de matas ciliares, erosão e assoreamento, descarte de resíduos sólidos, poluição. Os resultados atribuíram a classificação “péssima” pelo BMWP aos córregos da bacia hidrográfica, reforçando a necessidade e importância da utilização de bioindicadores e imagens de satélite no monitoramento, embasando ações dos planejamentos urbano e ambiental.


Keywords


Bacia Hidrográfica do Córrego Segredo, Macroinvertebrados bentônicos, Áreas Úmidas Antropogênicas, BMWP, Planejamento Ambiental.

References


BARBOSA, E.; SILVA, P. Análise ambiental das bacias hidrográficas do espaço urbano de Campo Grande/MS, in: XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, nov. 2015.

CAMPO GRANDE. Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano – PLANURB. Perfil Socioeconômico de Campo Grande/Instituto Municipal de Planejamento Urbano – PLANURB. 24 ed. Campo Grande, 2017.

CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano - SEMADUR. Disponível em: Acesso em: jun./2019.

CHALAR, G. Composicíon y abundancia Del zoobentos Del Arroyo Toledo (Uruguay) y su relación com La calidad de água. Revista Chilena de História Natural. v. 67, p. 129-141, 1994.

CIDADES, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2018. Disponível em: Acesso em: jun./2019.

FERNÁNDEZ, H. R.; DOMÍNGUEZ, E. (Ed.). Guía para la determinacíon de los artrópodos bentônicos sudamericanos. Tucumán: Editorial Universitaria de Tucumán, 2001. 282 p.

DE FREITAS, S. C.; ANDRADE, M. H. S. Áreas Úmidas Antropogênicas em Áreas de Preservação Permanente. In: XVII Encontro de Geógrafos da América Latina. 2019.

DE FREITAS, S. C.; ANDRADE, M. H. S; ELEUTÉRIO, A. S.; MAZZO, A. R. V. Qualidade Ecológica da Água de uma Bacia Hidrográfica Urbana e a Relação com o Uso e Ocupação da Terra. In: Anais do VII Workshop Internacional de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável em Bacias Hidrográficas. 2020.

IBGE, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico, 2010. Disponível em: Acesso em: jun./2019.

JUNQUEIRA, M. V. et al. Biomonitoramento da qualidade das águas da Bacia do Alto Rio das Velhas (MG/Brasil) através de macroinvertebrados. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 12, n. 1, p. 73-87, 2000.

LEAL, A. C. et al. Gestão das Águas no Pontal do Paranapanema-São Paulo. 2000. Tese de Doutorado.

MERRITT, R. W.; CUMMINS, K. W. (Ed.). An introduction to the aquatic insects of North America. Kendall Hunt, 1996.

MEYBEC, M.; HELMER, R. An introduction to water quality. In: CHAPMAN, D. Water Quality Assessments – A Guide to Use of Biota, Sediments and Water in Environmental Monitoring. 2nd Edition Cambridge: University Press, 1996.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Dispõe sobre a Definição de Áreas Úmidas Brasileiras e sobre o Sistema de Classificação destas Áreas - Recomendação nº7 de 11 de junho de 2015.

MONTEIRO, T. R.; OLIVEIRA, L. G.; GODOY, B. S. Biomonitoramento da qualidade de água utilizando macroinvertebrados bentônicos: adaptação do índice biótico BMWP à bacia do rio Meia Ponte-GO. 2008.

MUGNAI, R. et al. Biomonitoramento das águas: estratégias para prática de ensino. 2011. Tese de Doutorado.

PAULA, P. M. S. Macroinvertebrados Bentônicos como ferramenta na avaliação da qualidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio das Velha s/MG. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2008.

SADIN, L. JOHSON, R.K. The statistical power of selected indicator metrics using macroinvertebrates for assessing acidification and eutrophication of running waters. In: Assessing the Ecological Integrity of Running Waters. Springer, Dordrecht, 2000. p. 233-243.

SILVEIRA, M. P. Aplicação do biomonitoramento para avaliação da qualidade da água em rios. Embrapa Meio Ambiente. Documentos, 2004.

TREVISAN, D. P.; MOSCHINI, L. E. Analysis of the landscape connectivity: A case study in the Tietê-Jacaré Hydrographic Basin–SP, Brazil. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 51493-51515, 2020.

TUCCI, C. E. M. Gestão de águas pluviais urbanas. Programa de Modernização do Setor Saneamento, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, Ministério das Cidades, 2005.

TUNDISI, J. G.; MATSUMURA-TUNDISI, T. Recursos hídricos no século XXI. Oficina de Textos, 2011.

WILSEY, B.J.; CHALCRAFT, D.R.; BOWLES, C.M.; WILLIG, M.R. 2005. Relationships among indices suggest that richness is an incomplete surrogate for grassland biodiversity. Ecology, v. 86, n. 5, p. 1178-1184, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-296

Refbacks

  • There are currently no refbacks.