Avaliação físico-química de turus (Bivalvia: teredinidae) de Curuçá, Pará, Brasil/ Physical and chemical evaluation of turus (Bivalvia: teredinidae) of Curuçá, Pará, Brazil

Andreone Marcelo Ferreira de Almeida, Luciana Pinheiro Santos, José Luiz Moraes, Fernando Elias Rodrigues da Silva, Carissa Michelle Goltara Bichara, Rosa Maria Souza Santa Rosa

Abstract


Esse trabalho teve o objetivo de caracterizar turus, por meio de análises no molusco cru, após cocção e no caldo resultante deste processo. Foram coletados 2,23 Kg de turu em Pedras Grandes, Pará, mantidos em gelo imediatamente após coleta e transportados até o Laboratório de Processamento e Análises Químicas de Alimentos da Universidade Federal Rural da Amazônia, onde as estruturas não comestíveis foram removidas. A quantidade de amostra total em cada mês era dividida em duas partes iguais: a primeira foi processada crua e a segunda após cozimento em 250 mL de água destilada durante dois minutos; seguiram-se então as análises físico-químicas e químicas. Os dados obtidos foram submetidos a avaliação estatística para verificar diferenças entre os tratamentos (cru e cozido). Os resultados obtidos foram: proteína (5,16±1,80% e 7,34±1,36%), umidade (83,89±0,03% e 81,22±0,08%), cinzas ou resíduo mineral fixo (0,19±0,01% e 0,35±0,01%), pH (6,48±0,33 e 6,57±0,34), acidez (0,004±0,001% e 0,003±0,001%), prova de amônia (negativo), em molusco cru e cozido, respectivamente; o teor de cálcio no caldo foi igual a 3,2 mg Ca 2+ em 100 mL de caldo. O estudo demonstrou diferenças apenas entre as médias de proteína; percentual de umidade dentro da faixa normal para pescado, baixo teor de cinzas, pH dentro do estabelecido pela legislação brasileira; o turu mostrou-se um alimento de baixa acidez e sem indicativo de amônia no músculo; a avaliação do teor de cálcio no caldo indicou um valor também baixo para este parâmetro, segundo as recomendações para ingestão diária deste mineral.


Keywords


molusco, dieta amazônica, alimentos.

References


ARGENTA, F. F. Tecnologia do pescado: características e processamento da matéria-prima. 2012. 63 f. Monografia (Especialização em Produção, Tecnologia e Higiene de Alimentos de Origem Animal) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

AVEIRO, M. V; MAGALHÃES, A. R. M.; TRAMONTE, V. L. C. G.; SCHAEFER, A. L. C.

Variação sazonal na composição centesimal e reprodução do bivalve de areia (Anomalocardia brasiliana) da Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé, Florianópolis/SC. Atlântica (Rio Grande), v. 33, n. 1, p. 5-14, 2011. Disponível em: https://periodicos.furg.br/atlantica/article/download/2674/1445. Acesso em 13/10/2020.

BARBOZA, R. S. L; BARBOZA, M. S. L; PEZZUTI, J. C. B. Aspectos culturais da zooterapia e dieta alimentar de pescadores artesanais do Litoral Paraense. Fragmentos de cultura, v. 24, n. 2, p. 267-284, 2014. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:8wc1ZUPKb3kJ:seer.pucgoias.edu.br/index.php/fragmentos/article/view/3309+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em 13/10/2020.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Laboratório Nacional de Referência Animal (LANARA). Métodos analíticos oficiais para o controle de Produtos de Origem Animal e seus ingredientes. II - Métodos físicos e químicos. LANARA. Brasília, 1981. 123p. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/laboratorios/legislacoes-metodos/poa/Manualdemtodosoficiaisparaanlisedealimentosdeorigemanimal1ed.rev_.pdf. Acesso em 13/10/2020.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, MAPA. Decreto n. 9.013, de 29 de março de 2017. Regulamenta a Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, e a Lei nº 7.889, de 23 de novembro de 1989, que dispõem sobre a inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal-RIISPOA. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, Distrito Federal, 29 mar. 2017. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/20134722/do1-2017-03-30-decreto-n-9-013-de-29-de-marco-de-2017-20134698. Acesso em 13/10/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Visalegis: Legislação em Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n. 269, de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico sobre a Ingestão Diária Recomendada (IDR) de Proteína, Vitaminas e Minerais. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 23 set. 2005. Disponível em: https://coffito.gov.br/nsite/wp-content/uploads/2016/08/resoluo-rdc-n-269-2005-ingesto-diria-recomendada-idr-de-protenas-vitaminas-e-minerais.pdf. Acesso em 13/10/2020.

BRUSCA, R. C; BRUSCA, G. J. Invertebrados. 2ª Edição, Ed. McGraw-Hill, 2005. 922 p.

COELHO, R. T. P.; JÚNIOR, S. R. X. Levantamento de Rhizophora mangle (Rhizophoraceae) no estado do Pará-Brasil utilizando dados de herbários. In: IV Simpósio de Estudos e Pesquisas em Ciências Ambientais na Amazônia, 2015, Belém. Anais artigos aprovados – 2015 (volume III). Belém: Universidade Estadual do Pará, 2015. p. 370-379. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1036576/1/v3p380.pdf Acesso em 13/10/2020.

FAO. The state of world fisheries and aquaculture. Roma: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2016. 204 p.

FAO. FAO Yearbook: Fishery and Aquaculture Statistics 2015. Roma: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2017. 107 p.

FOOD Ingredients Brasil. Propriedades funcionais das proteínas do peixe. Revista Food Ingredients, v. 8, p. 23-32, 2009. Disponível em: https://www.studocu.com/pt-br/document/universidade-federal-de-lavras/tecnologia-de-carne-e-pescado/resumos/propriedades-funcionais-das-proteinas-dos-peixes/4475292/view. Acesso em 13/10/2020.

GOMES, J. D; ABRUNHOSA, F. A; SIMITH, D. J. B; ASP, N. E. Mangrove sedimentary characteristics and implications for crab Ucides cordatus (Crustacea, Decapoda, Ucididae) distribution in na estuarine area of the Amazonian region. Acta Amazonica, Manaus, v. 43, n. 4, p. 481-489, dez. 2013. Disponível em https://www.google.com/search?sxsrf=ALeKk03guJcI7toiChlC_xvXvz_SLY3_ng:1602717680281&q=Mangrove+sedimentary+characteristics+and+implications+for+crab+Ucides+cordatus+(Crustacea,+Decapoda,+Acrididae)+distribution+in+na+estuarine+area+of+the+Amazonian+region&spell=1&sa=X&ved=2ahUKEwj1gYjQnLXsAhWWJLkGHQQiBx0QBSgAegQIBBAu&biw=1600&bih=757#. Acesso em 14/10/2020.

HARDINSYAH, S. A.; SUMULE, A.; LETSOIN, J. Jenis dan jumlah konsumsi tambelo, siput dan kerang oleh penduduk di kawasan Muara Mimika (Type and amount of mangrove worm, snail and shell consumed by people live in Mimika’s estuary, Papua). Jurnal Gizi dan Pangnan (Journal of Nutrition and Food), Papua. 2006. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:qhcGA6EsfKwJ:https://journal.ipb.ac.id/index.php/jgizipangan/article/view/1942&hl=pt-BR&gl=br&strip=0&vwsrc=1. Acesso em 13/10/2020.

ICMBIO. Atlas dos Manguezais do Brasil. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2018. 176 p.

LEIWAKABESSY, J. Komposisi Kimia dan Identifikasi Senyawa Antioksidan dari Ekstrak Tambelo (Bactronophorus thoracites) (Chemical Composition and Identification of Antioxidant Compounds from the Extracts of Tambelo (Bactronophorus thoracites). 2011. 120

p. Tese de Doutorado. Institut Pertanian, Bogor, 2011.

MANN, R.; GALLAGER, S. M. Growth, morphometry and biochemical composition of the wood boring molluscs Teredo navalis L., Bankia gouldi (Bartsch), and Nototeredo knoxi (Bartsch) (Bivalvia: Teredinidae). Journal of experimental marine biology and ecology, v. 85, n. 3, p. 229-251, 1985. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0022098185901601. Acesso em 13/10/2020.

SALLES, P. B. D.; MACEDO, Y. B; FIGUEIREDO, E. L.. Caracterização físico-química e microbiológica da carne do molusco Bivalve Sarnambi (Phacoides pectinitus) coletado nas praias em Algodoal e Salinópolis, no Pará. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 11, n. 1, 2017. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:G4Hb72lDVV4J:https://periodicos.utfpr.edu.br/rbta/article/view/2907&hl=pt-BR&gl=br&strip=0&vwsrc=1. Acesso em 13/10/2020.

SANTOS, V. F. N; PASCOAL, G. B. Aspectos gerais da cultura alimentar paraense. Revista da Associação Brasileira de Nutrição-RASBRAN, v. 5, n. 1, p. 73-80, 2013. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:qtkBofjegToJ:https://www.rasbran.com.br/rasbran/article/view/10&hl=pt-BR&gl=br&strip=0&vwsrc=1. Acesso em 13/10/2020.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Manguezal: ecossistema entre a terra e o mar. São Paulo: Caribbean Ecological Research, 1995. 64p. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:XXQp-NBznYoJ:https://repositorio.usp.br/item/000882587&hl=pt-BR&gl=br&strip=0&vwsrc=1. Acesso em 13/10/2020.

SILVA, C. A; TOGNELLA, M. M. P. Biodiversidade desconhecida: registro de Nausitora fusticula (Bivalvia, teredinidae) para a região norte do estado do Espírito Santo. Enciclopédia biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.16; p. 2453-2461, 2013. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:bxmSiB9eC6cJ:docplayer.com.br/15173010-Biodiversidade-desconhecida-registro-de-nausitora-fusticula-bivalvia-teredinidae-para-a-regiao-norte-do-estado-do-espirito-santo.html+&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em 13/10/2020.

VIDAL, J. M. A.; BARREIRA, C. de A. R. Shipworms (MOLLUSCA: BIVALVIA: TEREDINIDAE) from a Brazilian northeast estuary. Arquivos de Ciências do Mar, v. 42, n. 2, p. 43-49. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/arquivosdecienciadomar/article/view/6022.

Acesso em 13/10/2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-266

Refbacks

  • There are currently no refbacks.