A parturição na perspectiva das tecnologias não invasivas de cuidado de enfermagem: narrativas de vida / Of parturition in the perspective of non-invasive technologies of obstetric nursing care: narrative of life

Bárbara Albino Cananéa, Larissa Cristine Coutinho, Lívia Xavier de Meirelles

Abstract


Objetivo: analisar os cuidados de Enfermagem recebidos pela mulher no processo de parturição na perspectiva das Tecnologias não Invasivas de cuidado de Enfermagem (TNICE), descrever os cuidados utilizados pela equipe de Enfermagem no momento do trabalho de parto e parto na perspectiva das TNICEO e discutir se os cuidados de Enfermagem recebidos pela mulher estimularam a sua autonomia e autoconfiança. Métodos: utilizou-se o método Narrativa de Vida, adotou-se o referencial teórico Daniel Bertaux, realizando entrevistas abertas com 11 mulheres em processo de parturição, com no mínimo de 24 horas de pós- parto, em atendimento no alojamento conjunto, com a seguinte pergunta norteadora: Fale sobre seu trabalho de parto e parto. Resultados: evidenciou-se que as TNICE foram utilizadas durante a parturição, porém algumas vezes de forma rotineira, sem fundamentação científica; o uso e seus benefícios para mulher durante esse período, garantindo autonomia e autoconfiança; As tecnologias mais utilizadas foram acolhimento, presença do acompanhante, fortalecimento da autonomia, escuta ativa, massagem, uso da bola Suíça, banho de aspersão e deambulação. Conclusão: Conclui-se que a Enfermagem tem um papel fundamental com relação ao cuidado, e cabe a equipe utilizar-se de tecnologias que favoreçam o acolhimento, autonomia e autoconfiança das mulheres.


Keywords


cuidados de Enfermagem, parto humanizado, tecnologia, humanização.

References


ÁVILA, V.C.M. Emprego de tecnologias não invasivas de cuidado de Enfermagem nos partos acompanhados por enfermeiras obstétricas em maternidade filantrópica do Médio – Paraíba/RJ. 2014. 80f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Faculdade de Enfermagem. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, p.73, 2014.

AZEVEDO, L.G.F. Estratégias de luta das enfermeiras obstétricas para manter o modelo desmedicalizado na Casa de Parto David Capistrano Filho. 110f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

BERTAUX, D. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. 2 edição. São Paulo: editora paulus, 2010.

BONILHA, A. L. L. et al. Indicações e repercussões do uso da bola obstétrica para mulheres e enfermeiras. Cienc Cuid Saude. 2012;11(3):573- 580.

BRASIL. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. 1 edição – 2017..

BRASIL. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à saúde. 1 edição- 2001.

BRENES, A.C. História da Parturição no Brasil, Século XIX. Cadernos de Saúde Pública, Rio de janeiro, 7 (2): 135-149, abr/jun, 1991.

CALEGARI, R. C.; MASSAROLLO, M.C.K.B.; SANTOS, M.J. Humanização da assistência à saúde na percepção de enfermeiros e médicos de um hospital privado. Rev Esc Enferm USP, São Paulo: 49(Esp2):42-47, Nov/fev, 2015.

CUNNINGHAM, F.G. et al. Obstetrícia de William. 24 Edição. Porto Alegre: AMGH Editora Ltda, 2016.

FILHO, C. Tratado de obstetrícia. FEBRASGO.1 edição. Rio de Janeiro: Revinter; 2000.

MAFETONI, R. R.; SHIMO, A. K. K. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: revisão integrativa. Rev Min Enferm. 2014 abr/jun; 18(2): 505- 512.

MEIRELLES, L.X. Amamentação sob a ótica do desejo e das tecnologias não invasivas de cuidado de Enfermagem: narrativas de vida . 82f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Faculdade de Enfermagem. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, p.17, 2014.

MERHY, E. E. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor saúde. Interface - Comunic, Saúde, Educ 6, fevereiro, 2000.

MONTENEGRO, C.A.B.; REZENDE, J. Obstetrícia fundamental. 13ª edição. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

PROGIANTI, J.M.. et al. Tecnologias não invasivas de cuidado no parto realizadas por Enfermeiras: a percepção de mulheres . Esc. Anna Nery Rio de Janeiro, vol.14 no.3, Jul/Set, p 2, 2010.

OLIVEIRA, M. J. V; SILVA, F. M. B. O efeito do banho de imersão na O efeito do banho de imersão na duração do trabalho de parto duração do trabalho de parto. Rev Esc Enferm USP 2006; 40(1): 57-63.

SILVA, L.S. et al. Análise das mudanças fisiológicas durante a gestação: desvendando mitos. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° , p (3-16), 2015.

TOLEDO, V. P. et al. Acolhimento e cuidado de Enfermagem: um estudo fenomenológico. Texto Contexto Enferm, 2016; 25(1):e4550015.

UNASUS/UFMA. Saúde da mulher. Paula Trindade Garcia (Org.). - São Luís, 2013. 33f.

VARGENS, O.M.C. ET al. Aplicando concepções teórico-filosóficas de Collière para conceituar novas tecnologias do cuidar em Enfermagem obstétrica. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, 29:354-61, 2008

VARGENS, O.M.C; PROGIANTI, J.M. As enfermeiras obstétricas frente ao uso de tecnologias não invasivas de cuidado como estratégias na desmedicalização do parto. Esc Anna Nery R Enferm, 8 (2): 194-7 ago, 2004




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-222

Refbacks

  • There are currently no refbacks.