Perfil epidemiológico de portadores de hipertensão arterial sistêmica e de diabetes mellitus do bairro martins no município de Rio Verde/GO / Epidemiological profile of patients with systemic arterial hypertension and diabetes mellitus in the martins district of Rio Verde/GO

Luccas Fernandes Queiroz, Ana Paula Fontana, Bianca Teiga Rodrigues, Paulo Appollonio Filho, Mylena Andrade Marques, Jordana Pires Mendonça, Aline Vieira Moraes Essado

Abstract


As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) são consideradas atualmente, como um sério problema de saúde, resultantes de diversos fatores, determinantes sociais e condicionantes, além de fatores de risco individuais. A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e o Diabetes Mellitus (DM) estão entre as mais comuns no mundo, apresentam grande severidade e são consideradas como problemas de saúde pública de alta magnitude, pois além de consumirem alto custo social, causam um impacto no aumento da morbimortalidade das populações acometidas por essas moléstias. Com o objetivo de apresentar o perfil epidemiológico de adultos com HAS e DM residente do Bairro Martins no município de Rio Verde, realizou-se a busca ativa dos portadores dessas moléstias no bairro em questão. Posteriormente, aplicou-se um questionário com 24 questões objetivas que avaliava características demográficas, nutricionais, sobre presença de morbidades e fatores de risco. A população estudada apresentou prevalência de HAS e/ou DM (27,57%), sedentarismo (68,6%), consumo de álcool (16,9%), alimentação inadequada (82,5%), história de tabagismo (55,7%) e IMC elevado (62,6%). A maioria da população é adulta, com média de 45 anos e do gênero feminino (64%). A partir destas perspectivas espera-se que sejam implementadas ações pelos profissionais das ESF de Rio Verde, levando ao desenvolvimento de políticas públicas específicas, buscando a redução na incidência e no impacto das DCNT.


Keywords


Epidemiologia, diabetes mellitus, fatores de risco, hábitos de vida, hipertensão arterial sistêmica

References


ADA. American Diabetes Association. Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Diabetes Care, v. 28, p. 37-42, 2009.

ALWAN, A.; MACLEAN, D. R.; RILEY, L. M.; STEVENS, G. A. Monitoring and surveillance of chronic non-communicable diseases: progress and capacity in high-burden countries. Lancet, v.376(9755), p.1861-8, 2010.

ARAÚJO JD. Polarização epidemiológica no Brasil. Informe Epidemiológico do SUS 1992; 1:5-16.

BRASIL. Lei 8080 de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário da união, Brasília, 1990, Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. 1. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006b. 58 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, n. 16).

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Geral de Doenças e Agravos não- transmissíveis. Síntese da oficina de vigilância em doenças crônicas não-transmissíveis. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 4, p. 957-962, 2004.

CESARINO, C. B.; CIPULLO, J. P.; RODRIGUES I. C. Prevalência e fatores sociodemográficos em hipertensos de São José do Rio Preto. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 91, n. 1, p. 31-35, jul. 2008.

DUNCAN, B. B.; CHORII, D.; AQUINO, E. M. L.; BENSENOR, I. M.; MILL, J. G.; SCHMIDT, M. I.; LOTUFO, P. A.; VIGO, A.; BARRETO, S. M. Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de Saúde Pública, v. 46, p. 126-34, 2012.

LOHMAN, T. G. Anthropometric standardization reference manual. Human Kinetics: Champaign, 1988.

LONGO, G. Z. L.; NEVES, J.; CASTRO, T. G.; PEDROSO, M. R. O.; MATOS, I. B.; Prevalência e distribuição dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis entre adultos da cidade de Lages (SC), sul do Brasil, 2007. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 14, n. 4, p. 698-708, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde. Brasília, DF: Organização Mundial da Saúde, 2011. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2013.

PORTAL BRASIL, Brasília, DF; Doenças Crônicas. Publicado: 10/12/2013; Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/agosto/24/PNS-Volume-1-completo.pdf

ROUQUAYROL MZ et al. Epidemiologia & Saúde. 7. Ed. Rio de Janeiro: MedBook, 2013.

SCHMIDT, M. I.; DUNCAN, B. B.; CARVALHO, R. M. S. V. De. Prevalência de diabetes e hipertensão no Brasil baseada em inquérito de morbidade autorreferida, Brasil, 2006. Revista de Saúde Pública, v. 43, p.74-82, 2009.

SHAW, J. E.; SICREE, R. A. ; ZIMMET, P. Z. Global estimates of the prevalence of diabetes for 2010 and 2030. Diabetes Researchand Clinical Practice, v. 87, n. 1, p. 4-14, 2010.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Revista Brasileira de Hipertensão, Rio de Janeiro, v. 17, n.1, 69 p., 2010.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009. 3. Ed. Itapevi: A. Araújo Silva Farmacêutica, 2009. 400 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-220

Refbacks

  • There are currently no refbacks.