“Your inside is out when your outside is in” – O lugar da sua gramática e da outra gramática na sua mente e na escola / "Your inside is out when your outside is in" - The place of your grammar and other grammar in your mind and in school

Ricardo Joseh Lima, Mônica de Azevedo Rodrigues Paulo, Thayane Santos Antunes

Abstract


Este trabalho tem por objetivo apresentar contribuições teóricas e empíricas para um melhor entendimento e consequente aplicação da proposta de Kato (2005). A referida autora propõe uma divisão entre Gramática Nuclear e Periferia Marcada para dar conta de algumas variações e irregularidades encontradas nos falantes. Iniciamos nos apoiando em trabalhos já realizados para elaborar uma lista de critérios que possam ser avaliados como úteis para que seja possível delimitar quais fenômenos sintáticos pertenceriam a cada um dos componentes propostos por Kato (2005). Uma experiência com um teste de julgamento de gramaticalidade, com o tópico da colocação pronominal, aplicado a falantes brasileiros com nível superior, é descrita como sendo uma fonte relevante para a obtenção de dados que informarão a respeito da delimitação acima exposta. Nossos comentários finais procuram ir além da contribuição para a pesquisa acadêmica, pois visamos também sua aplicação prática em situações formais de ensino que possam vir a se beneficiar da divisão proposta por Kato (2005).


Keywords


Gramática Gerativa, Português Brasileiro, Sintaxe, Variação, Escola.

References


AVELAR, Juanito. 2006. Gramática, competição e padrões de variação: casos com ter/haver e de/em no português brasileiro. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 99-143, jun./dez.

CHOMSKY, Noam. 1981. Lectures on government and binding. Dordrecht: Foris.

KATO, Mary. 2005. A gramática do letrado: questões para a teoria gramatical. MARQUES, M. et al. (Org.). Ciências da linguagem: trinta anos de investigação e ensino. Braga: CEHUM (U. do Minho), p. 131-145.

KATO, Mary. 2006. Comentários a respeito do artigo: “Gramática, competição e padrões de variação: casos com ter/haver e de/em no português brasileiro”, de Juanito Avelar. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 145-149, jun./dez.

KENEDY, Eduardo. 2005. A hipótese da antinaturalidade de pied-piping: evidências de teste de juízo automático de gramaticalidade em português. In.: Amarantes e Depois (UERJ), Rio de Janeiro, v. 1, p. 41-67.

LEITÃO, Luiz. 2007. Gramática crítica, o culto e o coloquial no português brasileiro – teoria e prática. Rio de Janeiro: Oficina do autor.

LIMA, Ricardo. 2003. Hipótese da Preservação de Elos Locais: uma explicação unificada dos déficits de compreensão e produção no agramatismo. Tese de Doutorado, UFRJ, Rio de Janeiro.

MANZINI, Maria., SAVOIA, Leonardo. 2011. Mesoclisis in the imperative: Phonology, morphology or syntax? Lingua 121, 1101–1120.

VIEIRA, Silvia. 2003. Colocação pronominal nas variedades européia, brasileira e moçambicana do português: para a definição da natureza do clítico. In: BRANDÃO, S.F.; MOTA, M.A.C da. (Org.). Análise contrastiva de variedades do Português. 1ed.Rio de Janeiro: In-Fólio, v. 1, p. 37-60.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-209

Refbacks

  • There are currently no refbacks.