Riscos associados à prática de automedicação com Descongestionante nasal / Risks associated with self-medication practice with Nasal decongestant

Andreia Luiza Torquato, Vivian Taciany Bonassoli Shima, Daniela Cristina de Medeiros Araújo

Abstract


Os descongestionantes nasais são fármacos utilizados no tratamento de doenças do trato respiratório superior alérgicas ou não. A maioria dos fármacos desta classe atua por mecanismos que envolvem as catecolaminas endógenas, com ação agonista em receptores adrenérgicos. A automedicação pode desencadear riscos aos usuários, pois mesmo sendo administrados localmente, por via intranasal, podem atingir a circulação gerando vasoconstrição local e sistêmica. O presente estudo teve como objetivo evidenciar aspectos gerais da automedicação com descongestionantes nasais, enfatizando seu mecanismo de ação intracelular, principais classes farmacológicas e os possíveis danos provocados a mucosa nasal devido o uso prolongado. Foi realizado um levantamento bibliográfico nas bases de dados LILACS, Google Acadêmico, Scielo e MEDLINE incluindo livros, legislações, monografia e artigos em língua portuguesa relacionados ao tema proposto. Por meio das informações coletadas na pesquisa, conclui-se que a falta de conhecimento sobre a utilização de determinadas medicações, falta de orientação e diálogo entre paciente e profissional, principalmente o farmacêutico, favorece a automedicação e os riscos advindos desta prática. Neste sentido a atuação efetiva do profissional na atenção farmacêutica pode contribuir para a maior segurança dos pacientes.


Keywords


automedicação, congestão nasal, descongestionantes, mucosa nasal, rinite medicamentosa.

References


ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Resolução da diretoria colegiada - RDC no 98, de 1º de agosto de 2016. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2921766/RDC_98_2016.pdf/32ea4e54c0ab459d-903d-8f8a88192412. Acesso em: 26 jul. 2020.

ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Uso racional de medicamentos: um alerta à população. 2020. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-buscax=0&y=0&_3_keywords=uso+racional+de+medicamentos&_3_formDate=1441824476958&p_p_id=3&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&_3_groupId=0&_3_struts_action=%2Fsearch%2Fsearch&_3_cur=1&_3_format=. Acesso em: 13 jun. 2020.

ASSUNÇÃO, I. A; GALATO, D; ALANO, G. M. Investigação do uso dependente de descongestionante nasal tópico em um município do Sul de Santa Catarina- Brasil. Revista Brasileira de Farmácia, Tubarão, v. 98, n. 1, p. 1764-1779, 2017.

BALBANI, A. P. S et al. Análise retrospectiva da toxicidade de gotas otológicas, medicamentos tópicos nasais e orofaríngeos registrada na grande São Paulo. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 50, n. 4, p. 433-438, 2004.

BATAIER, V. S et al. Automedicação entre docentes de nível superior. REVISTA ENFERMAGEM ATUAL, v. 81, p. 11-18, 2017.

BINOW, G. B. Rinite medicamentosa causada pelo uso abusivo de descongestionantes nasais. 2015. 27 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia) – Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Ariquemes, 2015.

BORGES, A. S. S; CARVALHO, C. G; MAGALHÃES, S. R. Riscos associados ao uso irracional do descongestionante nasal: Cloridrato de Nafazolina. Revista INIABEU, v. 12, n. 31, p. 245-257, maio/ago. 2019.

BRANCO-FERREIRA, M et al. Congestão Nasal em Portugal - Epidemiologia e Implicações. Revista Portuguesa de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, Portugal, v. 46, n. 3, p. 151-160, set. 2008.

BRASIL, Conselho Federal de Farmácia. Guia de prática clínica: sinais e sintomas respiratórios: espirro e congestão nasal. Brasília, p.168. 2016. Disponível em: https://www.cff.org.br/userfiles/file/Profar_vol1_FINAL_TELA.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Doenças respiratórias crônicas. Brasília: Ministério da Saúde, p. 160. 2010. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf. Acesso em: 24 jun. 2020.

BUCARETCHI, F; DRAGOSAVAC, S; VIEIRA, R. J. Exposição aguda a derivados imidazolínicos em crianças. Jornal de Pediatria, São Paulo, vol. 79, n. 6, p. 519-524, 2003.

CAMARGOS, P; KHALTAEV, N. Doenças Respiratórias Crônicas no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Pediatria, 33., 2006, Recife. Anais […]. Sessão Informativa para a Imprensa Brasileira, Recife, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf. Acesso em: 8 jul. 2020.

CARVALHO, A. L. N. M; SILVEIRA, N. J. Automedicação em Itumbiara-GO: análise química e qualitativa dos riscos e benefícios. 2017. 51 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Itumbiara, 2017.

CASTRO, L. N; MELLO, M. M; FERNANDES, W. S. Avaliação da prática de automedicação com descongestionantes nasais por estudantes da área da saúde. Health Sci Inst., São Paulo, vol. 34, n. 3, p. 163-16, 2016.

CAVALCANTE R. M. A et al. Nasal decongestants and self-medication. Open Journal of Statistics and Probability, 2018, 1:1. Disponível em: https://aepub.com/Journals/open-journal-of-statistics-and-probability/. Acesso em: 15 maio 2020.

DOLCI, J. E. Modelo estrutural e ultraestrutural do epitélio da mucosa da concha nasal inferior em pacientes com rinite alérgica. ACTA ORL/Técnicas em Otorrinolaringologia, São Paulo, vol. 26, n. 3, p. 30-33, 2008. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/36171852. Acesso em: 26 jun. 2020.

FERNANDES, T. R. G. Automedicação e descongestionantes nasais: riscos de intoxicação. 2017. 17 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biomedicina) - Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Brasília, 2017.

FONTES, S. T. O. Análise da automedicação em estudantes dos cursos da área de saúde da UFCG – CES – CAMPUS CUITÉ. 2019. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Farmácia) - Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Cuité, 2019.

FREITAS, P. S. Eventos adversos relacionados ao uso de medicamentos descongestionantes nasais tópicos - Revisão bibliográfica. Revista Especialize On-line IPOG, Goiânia, v. 1, n. 009, p. 1-13, dez. 2014. Disponível em:

https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/RU/article/viewFile/3497/pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

GOLAN, D. E et al. Princípios de farmacologia. In: Freddie M.; Williams; Turner T. J.(org.). Farmacologia Adrenérgica. EDITORA GUANABARA KOOGAN S.A., 2009. cap. 9. p. 117-118.

LAGUE, L. G et al. Prevalência do uso de vasoconstritores nasais em acadêmicos de uma universidade privada do Rio Grande do Sul. Revista da AMRIGS, Porto Alegre v. 57, n. 1, p. 39-43, jan./mar. 2013.

LAUGHTON, B. Cirurgia dos cornetos inferiores. 2017. Disponível em: http://www.drbrunolaughton.com.br/cirurgias/otorrino/cirurgia-dos-cornetos-inferiores#!. Acesso em: 29 ago. 2020.

MEGIER, E. T. Problemas autolimitados relacionados ao trato respiratório. 2017. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Farmácia Hospitalar) - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul, Ijuí, 2017.

MELLO JÚNIOR, J. F et al. Brazilian Academy of Rhinology position paper on topical intranasal therapy. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, São Paulo, v. 79, n.3, p. 391-400, 2013.

MENDES, A. I; WANDALSEN, G. F; SOLÉ, D. Métodos objetivos e subjetivos de avaliação da obstrução nasal. Revista de Brasileira de Alergia e Imunopatologia, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 234-240, 2011.

MORAES, N. C. B; PILOTO, J. A. R. Prevalência do uso de vasoconstritores nasais em uma universidade privada: um estudo em Instituição de Ensino Superior de Maringá-PR. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, Maringá, v. 13, n. 1, p. 18-22, dez. 2015.

OLIVEIRA, E. A. S. Fármacos que atuam sobre o sistema respiratório: FÁRMACOS AGONISTAS ADRENÉRGICOS. Universidade Católica do Salvador, p. 1-17, 2009.

Disponível em: http://www.gruponitro.com.br/atendimento-a-profissionais%23/pdfs/artigos/farmacologia/farmacos_agonistas_adrenergicos_e_ap_respiratorio.pdf. Acesso em: 24 jun. 2020.

PINNA, B. R; KOSUGI, E. M. Fisiologia nasal no esporte. In: LESSA M. M. et al. (org.). Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Programa de Atualização em Otorrinolaringologia: Ciclo 10. Porto Alegre: Artmed Panamericana. 2016. p. 111-33.

PITREZ, P. M. C; PITREZ, J. L. B. Infecções agudas das vias aéreas superiores - diagnóstico e tratamento ambulatorial. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 79, Supl.1, p. 77-86, 2003.

RODRIGUES, C. E; PILOTO, J. A. R; TIYO, R. Rinite medicamentosa e o consumo indiscriminado de vasoconstritores nasais tópicos. Revista UNINGÁ Review, Maringá, v. 29, n. 1, p. 138-141, jan./mar. 2017.

SANTOS, A. K. C; ARAÚJO, T. A; OLIVEIRA, F. S. Farmacoterapia e cuidados farmacêuticos da gripe e resfriado. Journal of Biology & Pharmacy and Agricultural Management, Cuité, v. 16, n. 2, p. 137-145, 2020. Disponível em:revista.uepb.edu.br/index.php/biofarm. Acesso em: 31 jul. 2020.

SANTOS, A. K. C. Cuidados farmacêuticos e farmacoterapia da gripe e resfriado. 2018. 52 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Farmácia) - Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Cuité, 2018.

SILVA, A. V. A et al. Presença de excipientes com potencial para indução de reações adversas em medicamentos comercializados no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, Ceará, vol. 44, n. 3, p. 397-405, jul./set. 2008.

SOLÉ, D et al. III Consenso Brasileiro sobre Rinites – 2012. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, São Paulo, vol. 75, n. 6, p. 40, nov./dez. 2012.

SOUZA-MACHADO, A et al. Efeitos tóxicos atribuídos ao cloreto de benzalcônio sobre a mucosa nasal e atividade mucociliar. Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, Bahia, vol. 31, n. 1, p. 2-9, 2008.

TRINDADE, S. H. K et al. Métodos de estudo do transporte mucociliar. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, vol. 73, n. 5, p. 704-712, set./out. 2007.

WHALEN, K; FINKEL, R; PANAVELIL, T. A. Farmacologia ilustrada. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

ZAFFANI, E et al. Perfil epidemiológico dos pacientes usuários de descongestionantes nasais tópicos do ambulatório de otorrinolaringologia de um hospital universitário. Arquivos de Ciências da Saúde, São Paulo, v. 14, n.2, p. 95-98, abr./jun. 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-206

Refbacks

  • There are currently no refbacks.