Contaminação ambiental decorrente do descarte de medicamentos: participação da sociedade nesse processo / Environmental contamination from drug disposal: society's participation in this process

Izabelle Cristina Garcia Rodrigues, Ivana de França Garcia, Vera Lucia Pereira dos Santos, João Luiz Coelho Ribas

Abstract


Os possíveis danos causados ao meio ambiente e a saúde não são contabilizados por muitas pessoas no momento do descarte de medicamentos. Dessa forma, grande parte das pessoas utilizam lixo doméstico ou reciclável, vasos sanitários e ralos de pias para se desfazer dessas substâncias. Diante disso, o presente estudo tem como objetivo analisar a maneira como é realizado o descarte de medicamentos domiciliares, para isso, foi aplicado um questionário, realizado de forma online por meio de formulário eletrônico. Os resultados apontaram que a maioria dos entrevistados utilizam o lixo comum para descartar seus medicamentos. Demonstrou ainda que a implementação de políticas públicas e de ações mais eficazes sobre os impactos do descarte incorreto de medicamentos, poderiam auxiliar no processo educativo. A partir dos dados obtidos no estudo é possível entender a urgência de medidas de sensibilização para a problemática do descarte inadequado de medicamentos. A inexistência de tecnologias eficazes na remoção dessas substâncias aliada a falta de informação, demandam que políticas públicas voltadas ao consumo consciente e descarte correto sejam propostas e implementadas, tendo em vista todos os impactos ambientais e de saúde pública envolvidos. 

 

 


Keywords


Medicamentos. Descarte. Meio ambiente

References


Souza CPFA, Falqueto E. Descarte de medicamentos no meio ambiente no Brasil. Revista Brasileira de Farmácia 2015; 96(2):1142-1158.

Fent K, Weston AA, Caminada D. Ecotoxicology of human pharmaceuticals. Aquatic Toxicology 2006; 76(2):122-159.

Ruhoy IS, Daughton CG. Beyond the medicine cabinet: An analysis of where and why medications accumulate. Environment International 2008; 34(8):1157–1169.

Kalinke AC, Martins Junior, L. Descarte de medicamentos: situação atual, impactos e conhecimento da população. Revista Saúde e Pesquisa 2014; 7(3):525-530.

Ueda J, Tavernaro R, Marostega V, Pavan W. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Revista Ciências do Ambiente 2009; 5(1):1-6.

Ahel M, Jelicic I. Phenazone analgesics in soil and groundwater below a municipal solid waste landfill. In: Daughton CG, Jones-Lepp, TL Pharmaceuticals and personal care products in the environment: scientific and regulatory issues. Washington: ACS Symposium Series 791; 2001. p. 100-115.

Metzger JW. Drugs in municipal landfills and landfill leachates. In: Kümmerer K. (Ed.), Pharmaceuticals in the Environment. Sources Fate Effects and Risks, New York: Springer; 2004. p. 133-138.

Comeau F, Surette C, Brun GL, Losier R. The occurrence of acidic drugs and caffeine in sewage effluents and receiving waters from three coastal watersheds in Atlantic Canada. Science of the Total Environment 2008; 396 (2-3):132-146.

Kümmerer K. The presence of pharmaceuticals in the environment due to human use – present knowledge and future challenges. Journal of Environmental Management 2009a; 90(8):2354-2366.

Pomati E, Cotsapas CJ, Castiglioni S, Zuccato E, Calamari D. Gene expression profiles in zebrafish (Danio rerio) liver cells exposed to a mixture of pharmaceuticals at environmentally relevant concentrations. Chemosphere 2007; 70(1): 65-73.

João WSJ. Descarte de medicamentos. Pharmacia Brasileira 2011; (82):14-16.

Khalaf H, Salste L, Karlsson P, Ivarsson P, Jass J, Olsson P. The presence of pharmaceuticals in the environment due to human use – present knowledge and future challenges. E. In vitro analysis of inflammatory responses following environmental exposure to pharmaceuticals and inland waters. Science of the Total Environment 2009; 407(4):1452- 1460.

Aquino SF, Brandt EMF, Chernicharo CAL. Remoção de fármacos e desreguladores endócrinos em estações de tratamento de esgoto: revisão da literatura. Engenharia Sanitária e Ambiental 2013; 18(3):187-204.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pirâmide Etária. Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade.

Disponível em: < https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/frm_piramide.php >. Acesso em: 22 fev. 2018

Chaves AMM. Descarte de medicamentos e seus impactos socioambientais [monografia]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pirâmide Etária. Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade.

Disponível em: < https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/frm_piramide.php >. Acesso em: 22 fev. 2018.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Política de Resíduos Sólidos apresenta resultados em 4 anos. [s.d]. Disponível em:< http://www.mma.gov.br/informma/item/10272-pol%C3%ADtica-de-res%C3%ADduos-s%C3%B3lidos-apresenta-resultados-em-4-anos >.Acesso em 22 fev. 2018.

CRF-RS. Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul. Grande Ação de Descarte de Medicamentos Vencidos. Porto Alegre, RS, 2014. Disponível em:< https://crfrs.org.br/portal/pagina/noticias-detalhes.php?idn=1183 >. Acesso em: 22 fev. 2018.

CFF. Conselho Federal de Farmácia. CFF registra 40% de aumento nos atendimentos em ação na Câmara. Brasília, DF, 2015. Disponível em:< http://www.cff.org.br/noticia.php?id=2771 >. Acesso em: 22 fev. 2018.

Schlüter A, Szczepanowski R, Pühler A, Top EM. Genomics of incp-1 antibiotic resistance plasmids isolated from wastewater treatment plants provides evidence for a widely accessible drug resistance gene pool. FEMS Microbiology Reviews 2007; 31(4):449-477.

Morley N. Environmental risk and toxicology of human and veterinary waste pharmaceutical exposure to wild aquatic host–parasite relationships. Environmental Toxicology and Pharmacology 2009; 27(2):161-175.

Koch HM, Müller J, Drexler H, Angerer J. Dibutylphthalat (DBP) in Arzneimitteln: ein bisher unterschätztes Risiko für Schwangere und Kleinkinder? Umweltmed. Forsch. Prax 2005; 10(2):144–146.

Verplanck PL, Taylor HE, Nordstrom DK, Barber LB. Aqueous stability of gadolinium in surface waters receiving sewage treatment plant effluent, Boulder Creek, Colorado. Environmental Science & Technology 2005; 39(18):6923-6929.

Buerge IJ, Poiger T, Müller MD, Buser H-R. Combined sewer overflows to surface waters detected by the anthropogenic marker caffeine. Environmental Science & Technology 2006; 40(13):4096-4102.

Heberer T. Occurrence, fate, and removal of pharmaceutical residues in the aquatic environment: a review of current research data. Toxicology Letters 2002; 131(1-2):5-17.

Kallenborn R, et al. Pharmaceutical residues in Northern European environments: consequences and perspectives. In: Kümmerer K, editor. Pharmaceuticals in the Environment. Sources Fate Effects and Risks. New York: Springer; 2008. p. 6-74.

Lunestad BT. Fate and effects of antibacterial agents in aquatic environments. Chemotherapy in Aquaculture: from theory to reality. Office Internat des Epizooties 1992; 152-61.

Migliore L, Lorenzi C, Civitareale C, Laudi O, Brambilla G. La flumequina e gli ecosystemi marini: emissione con l’acquacoltura e tossicita su Artemia salina (L.) Atti. S.I.T.E 1993; 16.

Delépée R, Pouliquen H, Le Bris H. The bryophyte Fontinalis antipyretica Hedw. bioaccumulates oxytetracycline, flumequine and oxolinic acid in the freshwater environment. Science of the Total Environment 2004; 322(1-3):243-53.

Crane M, Watts C, Boucard T. Chronic aquati006; 367(1):23-41.

Christen V, Hickmann S, Rechenberg B, Fent K. Highly active human pharmaceuticals in aquatic systems: A concept for their identification based on their mode of action. Aquatic Toxicology 2010; 96(3):167–181.

Figueiredo MC, et al. Armazenagem e descarte de medicamentos: uma questão de educação e saúde. In: III Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente; 2012; Bento Gonçalves, RS.

Iob GA, Camillo EGS, Petry RD. Análise da forma de descarte de medicamentos por usuários de uma Unidade de Saúde no município de Porto Alegre/RS. Infarma 2013; 25(3):118-125.

Falqueto E, Kligerman DC. Diretrizes para um Programa de Recolhimento de medicamentos vencidos no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 2013; 18(3):883-892.

Mesquita MJS. et al. Análise comparativa do consumo de medicamentos entre idosos. Revista Eletrônica da UNIVAR 2014; 2(2):121-127.

Pinto GMF, Silva KR, Pereira RFAB, Sampaio SI. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Eng Sanit Ambient 2014; 19(3): 2014-224.

Gómez MJ, Martínez Bueno MJ, Lacorte S, Fernández-Alba AR, Agüera A. Pilot survey monitoring pharmaceuticals and related compounds in a sewage treatment plant located on the Mediterranean coast. Chemosphere 2007; 66(6):993-1002.

Carvalho EV, Ferreira E, Mucin L, Santos C. Aspectos legais e toxicológicos do descarte de medicamentos. Revista Brasileira de Toxicologia 2009; 22(1-2):1-8.

Martinez JL. Environmental pollution by antibiotics and by antibiotic resistance determinants. Environm. Pollution 2009; 157(11):2893-2902.

Schwart T, Kohnen W, Jansen B. Detection of antibiotic-resistant bacteria and their resistence genes in wastewater, surface water and drinking water biofilms. Microbiol. Ecol. 1470: 1-11, 2002.

Bila DM, Dezotti M. Fármacos no meio ambiente. Química Nova 2003; 26(4):523-530.

Messias MCF. Farmácia caseira: como garantir a qualidade dos medicamentos armazenados? Rev Saúde em Foco 2013; 06:1-6.

Medeiros LGF, Torres LMLS, Ferreira BV, Souza FD`JC. Elaboração de um plano de gerenciamento de resíduos sólidos para uma indústria farmacêutica em Natal – RN. In: XXXV Encontro Nacional de Engenharia de Produção; 2015; Fortaleza, CE.

Campos HKT. Renda e evolução da geração per capita de resíduos sólidos no Brasil. Eng Sanit Ambient 2012; 17(2):171-180.

Brasil. Federação Nacional de Propaganda. Relatório de Pesquisa Quantitativa. Hábitos de informação e Formação de opinião da população brasileira. 2010. Disponível em: < http://www.fenapro.org.br/relatoriodepesquisa.pdf >. Acesso em: 22 fev. 2018.

Cafure VA, Patriarcha-Graciolli SR. Os resíduos de serviço de saúde e seus impactos ambientais: uma revisão bibliográfica. Interações 2015; 16(2): 301-314.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-190

Refbacks

  • There are currently no refbacks.