A força perceptiva do olhar como multiletramento por meio das telas do cinema / The perceptive strength of the look as multiliteracy through the cinema screens

Hêlena Paula Domingos de Carvalho, Denise Rosana da Silva Moraes

Abstract


A multiplicidade e a complexidade do processo imagético está representada no mito de Narciso que se apaixona por seu próprio reflexo nas águas de um rio, não se reconhecendo como imagem. A alusão que se contrapõe ao mito, explica-se porque nosso cérebro foi desenvolvido para organizar as informações visuais, de maneira que reconstrói internamente a realidade, atribuindo-lhes sentido. Por isso ver é conhecer. Neste contexto, este artigo tem como objetivo, ressignificar a formação continuada de professores(as) por meio do cinema na sala de aula. A intenção é alfabetizar o olhar, como força perceptiva, para a leitura crítica da imagem, em especial pelas telas do cinema como um multiletramento que coaduna com a leitura do mundo contemporâneo. Assim, a intenção é levar para a sala de aula a pedagogia da imagem, não por ser atrativa, e, portanto, menos disciplinada, mas, porque se pretende um olhar mais afetivo do mundo baseado na alteridade e na comunicação acessível. Nesta perspectiva pedagógica, indaga: Como ler criticamente a imagem? O aporte teórico deste artigo, fundamenta-se no Materialismo Cultural (2011) que propõe o descentramento disciplinar como ruptura e propõe o cinema como campo de possibilidades estética à sensibilidade humana. O caminho metodológico percorre as sendas da pesquisa qualitativa por meio de abordagem multiperspectívica (Kellner, 2001) revisão de literatura e de análise fílmica, que como corpus metodológico seleciona o filme O Retrato de Dorian Gray (2009), dirigido por Oliver Parker, cujo título é homônimo da obra de Oscar Wilde (1854-1900) e publicada em 1891. Como resultado, espera-se que este artigo contribua com professores(as), bem como estudantes, para novas possibilidades imagéticas coadunadas à leitura do mundo contemporâneo, pois, o olhar é primeira forma de intervenção na realidade.  

 

 


Keywords


Formação de Professores(as); Mídia Cinema; Materialismo Cultural; Pedagogia da Imagem

References


AUMONT, Jacques et al. A estética do filme. Tradução Marina Appenzeler. Campinas, SP: Papirus, 5. ed., 1995.

ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. Tradução Ivonne Terezinha de Faria – São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 16. ed. 2005.

COSTA, Cristina. Educação, imagens e mídias. São Paulo: Cortez, 2005.

DOMINGOS, Hêlena Paula; MORAES, Denise Rosana. As mídias e a interdisciplinaridade na formação de professores: diálogos pedagógicos. Revista Educação e Linguagens, v.4, nº6. Campo Mourão, jan/jn. 2015 a.

DUARTE, Rosália. Cinema &Educação. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Estudos Culturais: uma introdução. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). 3.ed. O que é, afinal, Estudos Culturais? Belo Horizonte: Autêntica,

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. edição. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

JOHNSON, Richard. O que é, afinal, Estudos Culturais. In: SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). O que é, afinal, Estudos Culturais? Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, 3.

ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006, p. 9-110.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Tradução Ivone Castilho Benedetti. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 19. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

MYSKIW, Antônio Marcos. Fronteira. In: Dicionário da Terra. Marcia Motta (Org.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. 4.ed., São Paulo: Contexto, 2010.

NICODEM, Maria Fatima Menegazzo. A obra literária vai ao cinema: um estudo da prática docente em literatura brasileira. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Educação, 2013.

VARGAS HILGERT, Ananda. Alteridade e experiência estética: o olhar, o outro e o cinema. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal Rio Grande do Sul, Faculdade em Educação – PPG em Educação, Porto Alegre, 2014.

VIEIRA, Marcus Rodrigues Jacobina. Oscar Wilde e Dorian Gray: sobre a experiência da perda, da dor e do luto. Dissertação (Mestrado) PPG em Psicologia Clínica – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014.

WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Tradução Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2006.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e Sociedade: de Coleridge a Orwell. Traduçao de Vera Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. (1958).

WILLIAMS, Raymond. Cultura e Materialismo. Tradução de André Glaser. São Paulo: Editora Unesp, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-185

Refbacks

  • There are currently no refbacks.