Mal-estar e sociedade: a drogadição em questão / Malaise and society: the drug addiction in question

Daniele Evelin Viana Pinheiro, Jéssica Samantha Lira Da Costa, Julliana Morgado Rocha

Abstract


Quando se aborda a questão do mal-estar na cultura, um dos assuntos que estão sempre em voga é o problema das drogas e suas consequências para a sociedade. Dentre as costumeiras polêmicas, uma se apresenta como principal: legalizar ou não o consumo de entorpecentes? O que, porém, pouco parece vir sendo apresentado são discussões que enfatizem o papel do sujeito nesta cena. Foi a partir da constatação dessa deficiência em se olhar o sujeito adicto como protagonista que determinadas questões começaram a surgir, mobilizando a presente pesquisa. Por exemplo: o que faz com que um sujeito se torne adicto e outro não? Nestes termos, nosso objetivo aqui aparece como o de compreender, a partir do referencial psicanalítico – particularmente o freudiano - aspectos do uso de determinadas substâncias psicoativas como um recurso para lidar com o mal estar na civilização, assim como compreender um pouco melhor o mal-estar que a própria temática das drogas gera na sociedade em geral, fazendo com que não seja privilegiada ou debatida como deveria (isto é, para além de medidas redutoras/simplistas, como a internação ou afastamento do usuário de drogas do convívio social). Diante de tal quadro, realizamos um trabalho em um CAPS-AD com pacientes dependentes em álcool e outras drogas e assim percebemos uma espécie de relação intrínseca entre adicção e violência subjetiva, de modo que há um autoflagelamento do sujeito nesta relação. Examinamos que as substâncias tóxicas atuam como forma de afastar o sofrimento que o mal estar cultural provoca ao homem, de maneira que a satisfação libidinal que a droga provoca, afasta o sujeito e o coloca refugiado numa realidade própria.

 


Keywords


psicanálise; sociedade; mal-estar; drogas.

References


BIRMAN, J. O sujeito na contemporaneidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

COSTA, Juliana Martins. Toxicomania: uma forma de existir? Universidade Federado Rio Grande do Sul Instituto de Psicologia. Curso de Graduação em Psicologia. Trabalho apresentado como exigência parcial para a aprovação na disciplina de Psicopatologia II, 2005.

FREUD, S. (1930). O mal estar na cultura. São Paulo: L&PM, 2012.

GURFINKEL, D. Adicções. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

KEHL, M. R. O tempo e o cão. São Paulo: Boitempo, 2012.

PASCHOAL, J. Drogas e crime: algumas das diversas interfaces. São Paulo: Fiuza, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-183

Refbacks

  • There are currently no refbacks.