A ressignificação da educação: virtualização de emergência no contexto de pandemia da COVID-19 / The resignification of education: emergency virtualization in the context of the COVID-19 pandemic

Ronualdo Marques, Talita Fraguas

Abstract


Com a chegada do coronavirus e o avanço da COVID-19 no Brasil vemos uma série de impactos e efeitos sobre todas as atividades desempenhados pela população ocasionando no isolamento social e na educação foi preciso repensar como dar continuidade ao ano letivo e garantir uma educação de qualidade e que atenda a demanda do curso escolar. O objetivo desse trabalho é discutir e apresentar dados em relação a organização dos estudantes para dar continuidade do processo ensino aprendizagem mediante as limitações impostas pelo isolamento social no contexto da pandemia provocada pela COVID-19. Para tal, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental, com estudo de caso por meio de questionário misto pela escala Likert distribuído de forma virtual pelo Formulário Google. Identificou-se que os estudantes diante dessa realidade não estão mediando esforços para poder acompanhar as aulas e atividades online, contudo, é preciso destacar que fatores como motivação, interação física, recursos tecnológicos avançados, bem como retorno imediato para sanar dúvidas e questionamentos durante as aulas são implicações que devem ser pensadas para melhoria num processo de ensino e aprendizagem que atenda a uma educação de qualidade.


Keywords


COVID-19, Educação, ensino a distância, isolamento social.

References


AGUIAR, B.; CORREIA, W.; CAMPOS, F. “Uso da Escala Likert na Análise de Jogos”. Anais do X Simpósio Brasileiro de Games. Porto Alegre: SBC, 2011.

AVELINO, W. F. “A escola contemporânea: um espaço de reflexão e crítica”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 1, n. 3, 2020.

BRASIL. Anuário Brasileiro da Educação Básica. São Paulo: Moderna/Todos pela Educação, 2019a.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Básica 2019. Brasília: INEP, 2019b.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro, 1996. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2020.

BRASIL. Lei nº 9.057, de 25 de maio de 2017, 2017. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Planalto, 1988. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2020.

FERREIRA, R. B. A. S.; SILVA, I. M. M. “Didática no contexto da educação a distância: quais os desafios?” Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, vol. 8, 2009.

FORMOSINHO, J.; MACHADO, J.; MESQUITA, E. Formação, trabalho e aprendizagem. In: Tradição e inovação nas práticas docentes. Lisboa: Edições Sílabo, 2015.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Editora Artmed, 2009.

GONZATTO, Marcelo; CORSO, Mário; SENHORAS, Elói Martins; SEGATA, Jean; MENEGHETTI NETO, Alfredo; VERONESE, Marília Veríssimo. “Mudanças de comportamento, na economia e no trabalho: como as epidemias transformam o mundo”. GaúchaZH, 20 de março, 2020.

HUNT, T; CALLARI, A. O poder das redes sociais. São Paulo: Editora Gente, 2010.

JHU – John Hopkins University. Center for Systems Science and Engineering. “COVID-19 Dashboard”. John Hopkins University Website [12/10/2020]. Disponível em: . Acesso em: 12/10/2020.

KENSKI, V. M. Das salas de aula aos ambientes virtuais de aprendizagem. São Paulo: FE/USP. 2005.

MOORE, M. G. KEARSLE, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007.

NICHOLSON NR Jr. “Social isolation in older adults: an evolutionary concept analysis”. Journal of Advanced Nursing, vol. 65, n. 6, 2009.

OLIVEIRA, H. V; SOUZA, F. S. “Do conteúdo programático ao sistema de avaliação: reflexões educacionais em tempos de pandemia (COVID-19)”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 2, n. 5, 2020.

PEDROSA, G. F. S. “O uso de tecnologias na prática docente em um pré-vestibular durante a pandemia da COVID-19”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 2, n. 6, 2020.

PESSOA, W. R., ALVES, J. M. Motivação para estudar química: configurações subjetivas de uma estudante do segundo ano do ensino médio. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas - SP. ATAS DO VIII ENPEC, 2011.

PRETI, O. Autonomia do aprendiz na educação a distância: significados e dimensões. Cuiabá: Nead/UFMT, 2005.

SCHON, D. Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e Métodos. 2. edição. Porto Alegre: Editora Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-148

Refbacks

  • There are currently no refbacks.