Análise da Governança em uma experiência de Turismo de Base Comunitária: Aplicação do Modelo MAG do TBC à ADESCO / Governance Analysis in a Community Based Tourism Experience: Application of the TBC MAG Model to ADESCO

João Gabriel Barrêto Pereira, Viviane Santos Salazar, Mariana Cavalcanti Falcão de Albuquerque

Abstract


O crescimento dos estudos voltados para o Turismo de Base Comunitária (TBC) tem acompanhado a expansão das iniciativas nesta área, cujos arranjos socioprodutivos se baseiam em experiências que colocam o protagonismo das ações relacionadas a produtos e serviços turísticos nas comunidades que as recebem, e que têm se constituído como um importante elemento de inserção socioeconômica das populações locais nas atividades relacionadas ao turismo, contribuindo para a criação de divisas nestes lugares e atenuação das desigualdades regionais e sociais. Ao se considerar a produção acadêmica na área, verifica-se que a governança desponta como um dos fatores limitantes à consolidação das experiências de TBC. Neste sentido, Albuquerque (2016) propôs um modelo para analisá-la, partindo da premissa de que a governança condiciona a reprodução dos princípios de participação e protagonismo comunitário, centrais às discussões do TBC. Fundamentando-se nesta asserção, este artigo tem como propósito analisar a governança em uma experiência de Turismo de Base  Comunitária a partir da verificação empírica do Modelo de Análise da Governança do Turismo de Base Comunitária – MAG do TBC – proposto por Albuquerque (2016). Para isso, foi feita uma investigação baseada na Associação para o Desenvolvimento da Comunidade da Chã de Jardim – ADESCO –, localizada no município de Areia, estado da Paraíba, cuja atuação centra-se na oferta de serviços ligados à atividade turística, a partir da qual são gerados trabalho, renda e, em um sentido mais amplo, desenvolvimento local. Adotou-se, como procedimento metodológico, uma abordagem qualitativa, amparada na análise de conteúdo de entrevistas semiestruturadas com cinco membros que exercem um papel de protagonismo na associação, e na aplicação do referido modelo MAG do TBC e de suas dimensões, que fundamentaram o quadro categorial utilizado. Os resultados ratificaram a aplicabilidade do MAG do TBC neste tipo de arranjo organizacional e apontaram que as dimensões que o mesmo apresenta – participação, transparência e eficácia –, bem como seus elementos constituintes, estão imbuídos na governança da ADESCO.


Keywords


Governança, ADESCO, MAG do TBC, Turismo de Base Comunitária.

References


Albuquerque, M. C. F. (2016). Modelo de Análise da Governança do TBC: Uma proposição adaptativa a partir de diversos olhares. Tese de doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Blackstock, K. (2005). A critical look at community based tourism. Community Development Journal. 40(1), 39-49.

Bramwell, B.; Lane, B. (2011). Critical research on the governance of tourism and sustainability. Journal of Sustainable Tourism. 19(4-5), 411-421.

Brunsson, N. (1982). The Irrationality of action and action rationality: decisions, ideologies and organizational actions. Journal of Management Studies, 16(1).

Bursztyn, I. (2012). Desatando um nó na rede: sobre um projeto de facilitação do comércio direto do turismo de base comunitária na Amazônia. Tese de doutorado, Programa de Engenharia de Produção da COPPE/UFRJ.

Cerrillo; Martínez, A. La gobernanza hoy: introducción. In: A. Cerrillo; Martínez (Ed.). (2005). La gobernanza hoy: 10 textos de referencia. Madrid: Instituto Nacional de Administración Pública-Instituto Internacional de Gobernabilidad de Catalunya.

Coriolano, L. N. (org.). (2009). Arranjos produtivos locais do turismo comunitário: atores e cenários em mudanças. Fortaleza: EDUECE.

De Wit, B.; Meyer, R. (2010). Strategy: the nature of strategy, Identifying the strategy issues, Structuring the strategy debates, Developing an international perspective. In: Strategy: Process, Content, Context – an international perspective. Thomson, 4rd Edition, Italy.

Dey, Pascal; Teasdale, Simon. (2016). The tactical mimicry of social enterprise strategies: Acting 'as if' in the everyday life of third sector organizations, 1-26.

Duran, C. (2013). Governance for the Tourism Sector and its Measurement. UNWTO Statistics and TSA Issue Paper Series STSA/IP. Disponível em:

. Acesso em 17 de abril de 2019.

Falconer, A. P. (1999). A promessa do terceiro setor: Um Estudo sobre a Construção do Papel das Organizações Sem Fins Lucrativos e do seu Campo de Gestão. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Fuini, L. G. (2010). Manifestações da governança territorial no Brasil: uma análise do ‘circuito das Águas Paulista’ e do ‘circuito das malhas do sul de Minas Gerais’. Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, Brasil.

Goll, I.; Rasheed, M. A. (1997). Rational Decision-Making and Firm Performance: the moderating role of environment. Strategic Management Journal, 18(7), 583-591.

Goodwin, H.; Santilli, R. (2009). Community-Based Tourism: a success? ICRT Occasional Paper 11, 1 -37. Disponível em: http://www.icrtourism.org/documents/OP11merged.pdf. Acesso em 20 de abril de 2019.

Hardy, A. et al. (2002). Sustainable tourism: an overview of the concept and its position in relation to conceptualisations of tourism. Journal of Sustainable Tourism. 10(6), 475-496.

Jamal, T. B.; Getz, D. (1995). Collaboration theory and community tourism planning. Annals of tourism research. 22(1), 186-204.

Lima, S. M. V.; Bressan, C. L. Mudança organizacional: uma introdução. In: Lima, S. M. V. (Org.). (2003). Mudança organizacional: Teoria e Gestão. Rio de Janeiro: FGV.

Lockwood, M. (2010). Good governance for terrestrial protected areas: A framework, principles and performance outcomes. Journal of Environmental Management. 91: 754-766.

Ménard, C. (2013). Plural Forms of Organization: Where Do We Stand? Managerial and Decision Enonomics, 124-139.

Mielke, E. J. C. Pegas, F. V. (2013). Turismo de Base Comunitária no Brasil. Insustentabildade é uma Questão de Gestão. Turismo em Análise, 24(1), 170-189, Abr.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa qualitativa – características, uso e possibilidades. Cadernos de pesquisa em administração, São Paulo. 1(3).

Oliveira, J. R. (2014). Elementos Culturais e Identitários da ruralidade paraibana: o papel da memória na construção do discurso turístico. In: IX Congresso Internacional sobre Turismo Rural e Desenvolvimento Sustentável. Anais... São Paulo.

Paraíba Criativa. (2015). Inventário: Restaurante Rural Vó Maria. Disponível em:. Acesso em 02 de abril de 2019.

. (2016). Inventário: Parque Estadual Mata do Pau-Ferro. Disponível em:. Acesso em 02 de abril de 2019.

Pechlaner et al. Introduction: Emerging landscape of destination governance. In: Pechlaner,

H. et al. (orgs.). (2015). Contemporary Destination Governance: A Case Study Approach. UK: Emerald.

Pettigrew, A. M. (1987). Context and action in the transformation of the firm. Journal of Management Studies, 24(6).

Pinto, M. C. S.; Couto-de-Souza, C. L. (2009). Mudança organizacional em uma empresa familiar brasileira. Revista de Administração Pública. 43(3), 609-634.

Rudio, F. V. (1999). Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes.

Ruhanen, L. et al. (2010). Governance: a review and synthesis of the literature. Tourism review. 65(4), 4-16.

Ruiz et al. (2008). Turismo comunitario en Ecuador. Comprendiendo el community-based tourism desde la comunidad. Revista Pasos. 6(3), 399-418.

Sampaio, C. A. C. et al. (2008). Arranjo socioprodutivo de base comunitária: interconectando o turismo comunitário com redes de comércio justo. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, 10(2), 244 – 262.

SEBRAE. (2014). Case de turismo rural paraibano é apresentado em São Paulo. Disponível em:. Acesso em 05 de fevereiro de 2018.

Seyle; C. King, M. W. O que é governança. IN: Prugh, T.; Renner, M. (orgs.). (2010). Estado do Mundo 2014: Como Governar em Nome da Sustentabilidade. Worldwatch Institute; Salvador: Uma Ed.

Silveira, C. Desenvolvimento Local e novos arranjos socioinstitucionais: Algumas referências para a questão da governança. IN: Ladslaw, D. Pochmann, M. (2010). Políticas para o desenvolvimento local. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 41-65.

UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro. (2014). Monitoramento dos Projetos de Turismo Base Comunitária. Relatório Final, Julho.

Vasconcelos, A. C. V. D.; Fernandes, V. D. C. (2014). Comunidade Chã de Jardim: gestão socioambiental como promotora do desenvolvimento sustentável com foco na economia solidária. Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente.

Zhang, H.; Zhu, M. (2014). Tourism Destination Governance: A Review and Research. International Journal of e-Education, e-Business, e-Management and e-Learing. 4(2), 125- 128.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-130

Refbacks

  • There are currently no refbacks.