Candida spp. isoladas de área natural e de cultivo: resistência a fluconazol como biomarcador ambiental/Candida spp. natural area and cultival isolated: resistance to fluconazole as an environmental biomarker

Manoel Paiva de Araújo Neto, Gerlane Luziana de Maria, Liliane Menezes dos Santos, Maria Milena dos Santos Targino, Maria José do Nascimento Lima

Abstract


Devido à demanda  populacional, o aumento de áreas agrícolas vêm crescendo, juntamente com a utilização de agroquímicos, que podem selecionar populações microbianas e causar alterações no metabolismo desses  microrganismos. Assim, o crescente despejo de  agrotóxicos,  que  vem  se tornando  um dos  principais problemas da atualidade, compromete a qualidade ambiental e humana, e deve ser monitorado adequadamente. Desta forma, a utilização de bioindicadores se torna uma ferramenta importante para a investigação deste tipo de  impacto  ambiental. Assim, este trabalho teve como objetivo avaliar o perfil de sensibilidade em leveduras isoladas de solos cultivados impactados com fungicidas com o de ambiente de mata nativa. Para tanto as amostras foram coletada em duas áreas diferentes, uma de mata nativa e uma área de cultivo com uso de fungicidas, entre os meses de agosto de 2019 e janeiro de 2020. Para tanto, um total de 30 amostras, cinco de cada área por coleta, foram semeadas em Ágar sabouraud acrecido de cloranfenicol (0,5 g/L) e em Àgar sabouraud acrecido de cloranfenicol (0,5 g/L) e fluconazol (64 µg/mL). As cepas foram identificadas pela realização de auxonograma, zimograma, análise macro e micromorfológica, e confirmação molecular. As cepas isoladas foram submetidas ao teste de difusão em poço, com uso de fluconazol nas concentrações de 300, 500 e 700 µg/mL. Como controle foi utilizado a cepa Candida parapsilosis ATCC 22019. Foram isoladas 53 leveduras, pertencentes ao gênero Candida, sendo as espécies Candida guilliermondii, seguida de Candida parapsilosis sensu lato e Candida albicans, as mais frequentes (p=0,0017), A utilização do meio com adição de fluconazol para o isolamento foi eficiente para seleção de cepas resistentes (p=0,04). A área de mata nativa apresentou um número maior de cepas resistente ao fluconazol, com 35% em relação à 15% de resistência na área de cultivo. O fluconazol juntamente com outros antifúngicos é a primeira linha de escolha na terapia antifúngica a depender do caso, logo, a resistência a esse medicamento causa preocupação. Destaca-se ainda, que o processo de detoxificação celular pode promover a supreexpressão de bombas de efluxo de membrana, o que pode explicar esse fenômeno de resistência observado.


Keywords


Contaminação ambiental, Resistência a Azólicos, Levedura.

References


ABBOUD, M. A. A. Bioimpact of application of pesticides with plant growth hormone (gibberellic acid) on target andnon-target microorganisms. Journal of Saudi Chemical Society, v. 18, n.6, p. 1005-1010, 2014.

BOTHA, A. Yeasts in soil. In: ROSA, C.; GÁBOR, P. Biodiversity and Ecophysiology of Yeasts. Berlin: Springer, p. 371-417,2006.

BONA, E, A,M. et al. Comparação de métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da concentração inibitória mínima (CIM) de extratos vegetais aquosos e etanólicos. Arquivos do Instituto de Biologia, v.81, n.3, p. 218-225, 2014

BRILHANTE, R. S. N. et al.. Characterization of the gastrointestinal yeast microbiota of cockatiels (Nymphicus hollandicus): a potential hazard to human health. Journal of Medical Microbiology, v.59, p.718-723, 2010.

BRILHANTE, R. S. N. et al.YestfromMacrobrachiumamazonicum: a focusonantifungalsusceptibilityandvirulencefactors of Candida spp. FEMS Microbiology Ecology, Oxford, v. 76, n. 2, p. 268-177, 2011.

BRILHANTE, R. S. N. et al. Yeast microbiota ofraptors: a possible tool for environmental monitoring. Environmental Microbiology Reports, v. 4, n. 2, p.189-193, 2012.

BRILHANTE, R. S. N. et al.Surveillance of AzoleResistanceamongCandida spp. as a Strategy for the IndirectMonitoring of FreshwaterEnvironments. Water, Air andSoil Pollution (Print), [S.L.], v. 226, n.3, p.1-12, 2015.

CANUTO, M. M.; RODERO, F. G. Antifungal drug resistance to azoles and polyenes. Lancet Infectious Diseases, v.2, n.9, p. 550-563, 2002.

CASTELO-BRANCO, D. S. C. M.; PAIVA, M. A. N.; TEIXEIRA, C. E. C.; CAETANO, E. P.; GUEDES, G. M. M.; CODEIRO, R. A.; BRILHANTE, R. S. N.; ROCHA, M. F. G.; SIDRIM, J. J. C. Azole resistance in Candida from animals calls for the One Health approach to tackle the emergence of antimicrobial resistance. Medical Mycology, v. xx, p. 1-10, 2020.

COLOMBO, A. L.; GUIMARÃES, T. Epidemiologia das infecções hematogênicas por Candida spp. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.l36, n.5, p. 599-607, 2003.

CHRISTENSEN, M. A view of fungal ecology. Mycologia, v. 81, n.1, p.1-19, 1989.

DEISING, H.B; REIMANN, S; PASCHOLATI, S. F. Mechanismsandsignificance of fungicideresistance. Brazilian Journal of Microbiology, v.39, n.2, p.286-295, 2008.

DE HOOG GS, GUARRO J & GEN´ E J (eds) Atlas of Clinical Fungi 2 nd

edition. Centra albureau voor Schinmelculture. Universitat Rovira i Virgilli, Delf. 2002

ENOCH, D. A.; LUDLAM, H. A.; BROWN, N. M. Invasive fungal infections: a review of epidemiology and management options. Journal of Medical Microbiology, v.55, n.7, p. 809-818, 2006.

FENG, L. et al. Relationship between antifungal resistance of fluconazole resistant Candida albicansand mutations in ERG11 gene. Chinese Medial Journal, v.123, n.5, p.544-548, 2010.

HOF, H. Isthere a seriousrisk of resistancedevelopmenttoazolesamongfungidueto the widespread use andlong-termapplication of azoleantifungals in medicine? DrugResistanceUpdates, v.11, n.1-2, p.25-31, 2008.

IPECE - INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE). Perfil básico municipal de Acaraú. 2017.,m

MEDEIROS, A.O. et al. Diversity and antifungal susceptibility of yeasts from tropical fresh water environments in Southeastern Brazil. Water Research, v.42, n.14, p.3921-3929, 2008.

PFALLER, A.; DIEKEMA, D. J. Epidemiology of invasive candidiasis: a persistent public health problem. Clinical Microbiology Reviews, v.20, n.1, p.133-163, 2007.

PINOTTI, M. M. Z. et al. Isolamento de fungos de solo associados a culturas de Amora, Framboesa e Mirtilo no sul do Brasil.Revista Brasileira de Agroecologia, v.6, n.1, p.67-80, 2011.

RECH, M. et al. Microbiota do solo em vinhedos agroecológico e convencional e sob vegetação nativa em Caxias do Sul, RS. Revista Brasileira de Agroecologia, v.8, n.3, p.141-151, 2013.

RODRIGUES, M. B. C. et al. Resistência a benzimidazóis por Guignardia citricarpa. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n.3, p.323-327, 2007.

SILVEIRA, L.M.S. ET AL. Metodologias de atividade antimicrobiana aplicadas a extratos de plantas: Comparação entre duas técnicas de ágar difusão. Revista Brasileira de Farmacologia, 90(2), 2009.

TORTORA, G. J.; FUNKE, B.; CASE, C. L. Microbiologia. 10. ed. Porto Alegre : Artmed, 2012.

VERÍSSIMO,C; RAQUEL SABINO,R; MARTINS,C BRANDÃO,J. Infecção fúngica em portugal - O gigante adormecido. Infecção & Sepsis, v.2, 2016.

WARDLE, D. A. et al. Ecological linkages between aboveground and belowground biota. Science, v. 304, p.1629-1633, 2004.

YURKOV, A.M.; KEMLER, M.; BEGEROW, D. Assessment of yeast diversity in soils under different management regimes. Fungal Ecology, v. 5, p.24-35, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.