A importância da rotatividade de culturas na agricultura familiar / The importance of crop rotativity in family agriculture

Marcos Henrique Cavalcante da Silva, Lílian Natália Ferreira de Lima, Cleber Silva e Silva, Bartolomeu Valério da Silva, Hanari Santos de Almeida Tavares, Wilma Helena da Rocha Falcão, Maria Lúcia Paulino Silva Sousa, Sarah Coelho Lima

Abstract


A rotação de culturas é o processo em que se faz a alternação anualmente de espécies vegetais, em uma mesma área agrícola. Estas espécies que serão escolhidas devem ter, ao mesmo tempo, finalidade para a comercialização e também para recuperação do solo. A presente pesquisa teve como objetivo analisar a importância da rotatividade de culturas existentes, visando o melhor aproveitamento do espaço e manejo adequado do solo. Trata-se de uma pesquisa de revisão de literatura, de caráter exploratória, sendo realizada a partir do levantamento de dados através das plataformas digitais. Pretende-se com a realização desse estudo, contribuir de modo significativo, pois a pesquisa enfoca na importância da rotatividade de culturas, buscar uma alternativa de utilização do solo para o uso da sustentabilidade, produzindo em um mesmo espaço culturas distintas que poderão ter fins comerciais e de subsistência. Esse estudo mostrou que a maioria dos produtores rurais utiliza a rotatividade de culturas nas suas plantações, porém eles não têm conhecimento sobre as vantagens e os benefícios da rotatividade para o solo. Esta técnica de plantação tem dentre os seus benefícios a melhora na fertilidade e qualidade do solo, aumentando os nutrientes disponíveis na localidade, para uma produtividade maior e com variedades de alimentos que podem ser plantados.


Keywords


Agricultura familiar, Rotatividade, Manejo do solo, Sustentabilidade, Culturas

References


CONTAG, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura. Sobre a agricultura familiar, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2019.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Cultura do Milho, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Mandioca, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

INCRA, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Agricultura familiar, 2005. Disponível em: < http://www.incra.gov.br/>. Acesso em: 12 nov. 2019.

INCRA, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Reforma agrária, 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2019

MICHEL, Maria Helena. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

PALAVRO, Cristiano. Sustentabilidade na produção agrícola. Mato Grosso, 2015. Disponível em:. Acesso em: 16 nov. 2016.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

MANTOVANI, E. C.; SALASSIER, B.; PALARETTI, L. F. Irrigação: Princípios e Métodos, Ed. Universidade Federal de Viçosa (UFV), 2009.

OTSUBO, A. A.; MERCANTE, F. M.; SILVA, R. F.; BORGES, C. D. Sistemas de preparo do solo, plantas de cobertura e produtividade da cultura da mandioca. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.43, n.3, mar. 2008. p. 327-332.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-111

Refbacks

  • There are currently no refbacks.