Fatores associados ao tempo de internação de idosos em um hospital de ensino / Factors associated with the length of stay of the elderly in a teaching hospital

Isabela Vanessa Tavares Cordeiro Silva, Danielle Bordin, Suellen Vienscoski Skupien, Clóris Regina Blanski Grden, Luciane Patrícia Andreani Cabral

Abstract


Objetivou-se identificar os fatores associados ao tempo de internação em idosos de um hospital universitário. Estudo quantitativo, transversal de caráter descritivo e inferencial realizado com 144 idosos em um hospital, localizado no Estado do Paraná. A coleta de dados foi realizada através de ligação telefônica com questionário estruturado contendo a situação de informação sobre a hospitalização, situação sociodemográfica, estilo de vida e utilização de serviços hospitalares. Os dados foram analisados pelo teste qui-quadrado. Os resultados apontam que, 40% (n=57) permaneceram até 3 dias internados; 32% (n=28) de 3 a 7 dias e 28% (n=41) mais de 7 dias. Estiveram associados ao tempo de internação: sexo masculino; presença de multimorbidade; internação em UTI; tempo de internação em UTI; internação hospitalar anterior; necessidade de atendimento do serviço social durante a internação; agendamento de retorno ao hospital, pós alta e; necessidade de ajuda de alguém (familiar/cuidador) para seguir as recomendações médicas no pós alta (p<0,05). Conclui-se que a maioria dos idosos permaneceu internado por até uma semana, sendo que os fatores associados a esta permanência perpassam desde condição demográfica as condições clínicas de saúde e de internamento e necessidade de auxílio. Denotando a importância da equipe de saúde um monitoramento adequado destes fatores para o direcionamento na assistência à saúde dos idosos no âmbito hospitalar.


Keywords


Hospitalização, Fatores de Risco, Tempo de Internação, Saúde do Idoso.

References


ALMEIDA, A. V., et al. A feminização da velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos & Contextos (Porto Alegre). v. 14, n. 1, p. 115-131, 2015.

BARBOSA, T. C., et al. Causas de internações hospitalares em idosos por regiões do Brasil. Revista de Saúde Pública do Paraná, v. 2, p. 70-81, 2019.

BORGES, E. M., et al. "Diminuição da funcionalidade em idosos reinternados." Arquivos de Ciências da Saúde 22.2 (2015): 38-41.

BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento da Unidade de Terapia Intensiva e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 2010.

BRASIL, Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1631, de 01 de outubro de 2015. Aprova critérios e parâmetros para o planejamento e programação de ações e serviços no âmbito do SUS. Diário Oficial da União. Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica - PMAQ. Brasília – DF, 2013. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes/pmaq> Acesso em: 22 de julho de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Avaliação dos serviços de saúde - PNASS. Brasília – DF, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnass_programa_nacional_avaliacao_servicos.pdf> Acesso em: 22 de julho de 2018.

CARNEIRO, J. A., et al. Fragilidade em idosos: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 70, n. 4, p. 747-752, 2017.

CARVALHO, T. C., et al. Impacto da hospitalização na funcionalidade de idosos: estudo de coorte. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. v. 21, n. 2, p. 134-142, 2018.

CASTRO, R. R., et al. Perfil das internações em unidades de terapia intensiva adulto na cidade de Anápolis – Goiás – 2012. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. v. 5, n. 2, p. 115-124, 2016.

CAVALCANTI, G., et al. Multimorbidade associado à polifarmácia e autopercepção negativa de saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. v. 20, n. 5, p. 635-643, 2017.

CORDEIRO, R. L. R.; VENTURA, M. M.; DAMIAN, P. B.; GOMES, A. L. R.; LEITE, S. P. Fatores relacionados ao óbito e à internação prolongada em uma enfermaria de geriatria. Geriatrics, GerontologyandAging. v. 10, n. 3, p. 146-150, 2016.

CULTZ, A. BOURGUIGNON, J. A. A intervenção do assistente social em unidades de terapia intensiva. HumanidadesemPerspectivas. v. 3, n. 2, p. 42-54, 2018.

JAUL, E.; BARRON, J. Age-related diseases and clinical and public health implications for the 85 years old and over population. Frontiers in Public Health. v. 5, n. 335, p. 1-7, 2017.

KOTAKA F, PACHECO MLR, HIGAKI Y. Avaliação pelos usuários dos hospitais participantes do programa de qualidade hospitalar no Estado de São Paulo, Brasil. Reviista de Saúde Pública 31:171-7, 1997.

MALTA, D. C., et al. Revista de Saúde Pública.v. 51, n. 1, p. 1-10, 2017.

MARQUES, L. P.; CONFORTIN, S. C. Doenças do aparelho circulatório: principal causa de internações de idosos no Brasil entre 2003 e 2012. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. v. 19, n. 2, p. 83-90, 2015.

NUNES, B. P., et al. Hospitalização em idosos: associação com multimorbidade, atenção básica e plano de saúde. Revista de Saúde Pública. v. 51, n. 43, p. 1-10, 2017.

PAIVA, S.M.A, GOMES E.L.R. Hospital care: assessment of users' satisfaction during hospital stay. Rev Latino-am Enfermagem. 2017 15 (5): 973-79.

PARANÁ. Secretaria de Estado de Saúde do Paraná. Superintendência de Atenção à Saúde. Linha guia da saúde do idoso. 1. ed. Curitiba: SESA, 2017.

PENA MM, MELLEIRO MM. O método de análise de causa raiz para a investigação de eventos adversos. Revista de Enfermagem UFPE 11:5297-5304, 2017.

PICOLO, G.D, DIAS, L, CHAVESSI , P. A produção científica sobre avaliação em serviços de internação hospitalar no Brasil: revisão integrativa. RevEletr Enf. 2009; 11 (2): 395–402.

QUEIROZ, D. B.; OLIVEIRA, L. C.; ARAÚJO, C. M.; REIS, L. A. Perfil de internações de idosos em uma clínica de neurociências de um hospital público. Revista Enfermagem Contemporânea. v. 5, n. 1, p. 16-24, 2016.

ROSSETTO, Caroline et al. Causas de internação hospitalar e óbito em idosos brasileiros entre 2005 e 2015. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 40, 2019.

SANTOS, R. O., et al. Fatores que influenciam a baixa adesão masculina ao atendimento prestado pela estratégia de saúde da família sede II do município de Sítio do Quinto/BA. Revista de Saúde ReAGES. v.1, n. 1, p. 58-87, 2016.

SANTOS, F., ROSA PVda, ROSA ,LHTda, PRIBBERNOW, SCM. Avaliação do risco de internação hospitalar de idosos da comunidade no município de Porto Alegre. Estudinterdisciplenvelhec. 2014; 19 (3): 839–52.

SCHMIDT SMS, et al. Análise da satisfação dos usuários em um hospital universitário. Saúde debate38:305-317, 2014.

SILVA, J. B. V. B.; PEDREIRA, L. C.; SANTOS, J. L. P.; BARROS, C. S. M. A.; DAVID, R. A. R. Perfil clínico de longevos em uma unidade de terapia intensiva. Acta Paulista de Enfermagem. v. 31, n. 1, p. 39-45, 2018.

VERAS, R. P.; OLIVEIRA, M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência & Saúde Coletiva. v. 23, n. 6, p. 1929-1936, 2018.

VIEIRA, K.F. L.; COUTINHO, M. P. L.; SARAIVA, E. R. A. A sexualidade na velhice: representações sociais de idosos frequentadores de um grupo de convivência. Psicologia Ciência e Profissão. v.36, n. 1, p. 196-209, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-099

Refbacks

  • There are currently no refbacks.