Tecnologia social educacional para idosos, inovação e extensão universitária / Education social technology for the elderly, inovaction and university extension

Wesquisley Vidal de Santana Mail, Ana Gabriela Ferreira Brito, Andressa Borges Xavier, Lidiane Ribeiro da Silva, Patrícia Gomes dos Santos, Claricia Tolintino Aguiar, Luiz Sinésio Silva Neto, Neila Barbosa Osório

Abstract


Este artigo, uma pesquisa qualitativa de revisão de literatura, tem por objetivo refletir sobre o papel da extensão universitária no diálogo com a comunidade, com base na experiência da Tecnologia Social (TS) Universidade da Maturidade (UMA). A UMA é uma proposta de educação não formal, destinada para as pessoas com idade igual ou superior a 50 anos. A interação com a comunidade é a principal relevância da Extensão Universitária na busca de subsídios que permitam dar respostas aos anseios da sociedade. Nesse sentido, dentre as diversas possibilidades de realizar a extensão universitária, a TS tem sido considerada uma estratégia adjuvante de promoção do protagonismo social. A tecnologia social não é um modelo pronto. As comunidades se apropriam das tecnologias desenvolvidas e assumem o protagonismo dos processos.


Keywords


Idoso, Tecnologia Social, Ensino, Extensão Universitária.

References


ALMEIDA, A. S. de. A Contribuição da Extensão Universitária para o Desenvolvimento de Tecnologias Sociais. In: Tecnologia social para o desenvolvimento sustentável. RTS. 2.ed. Brasília/DF: 2010.

ALVES, M. G. Aprendizagem ao longo da vida: entre a novidade e a reprodução de velhas desigualdades. Universidade Nova de Lisboa, Portugal, Revista Portuguesa de Educação, 2010, 23(1), p. 7-28

CAMARGOS, M. C. S. et al. Estimativas de expectativa de vida livre de incapacidade funcional para Brasil e Grandes Regiões, 1998 e 2013. Ciênc. saúde coletiva [online]., vol.24, n.3, 2019. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232019000300737&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 10 jun. 2020.

CARBONARI, M. E. E.; PEREIRA, A. C. A. A extensão universitária no Brasil, do assistencialismo à sustentabilidade. Revista de Educação, v. 10, n. 10, 2015.

CERICATTO, S. K. Uma alternativa de prática educativa para redução da exclusão social na velhice dos tocantinenses. 2018. Dissertação (Mestrado em educação) - PPGE, Universidade Federal do Tocantins, Palmas/TO.

COSTA, A. P. Era uma vez: a história de velhos com base freiriana para promoção da intergeracionalidade na educação infantil. 2019.Dissertação (Mestrado em educação) -PPGE, Universidade Federal do Tocantins, Palmas/TO.

DAGNINO, R. A tecnologia social e seus desafios. In: Fundação Banco do Brasil. Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 187-209.

DELORS, J. et al. Educação um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, UNESCO, 2001.

DOLL, J. Educação e Envelhecimento: fundamentos e perspectivas. A terceira idade, Educação e Realidade vol.40, no.1, p. 7-26, Porto Alegre Jan./Mar.2015

FAZENDA, I. C. A. (Org.). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia? São Paulo: Loyola, 1979.

FBB. Prêmio de Tecnologia Social. Disponível em: http://www.fbb.org.br/tecnologiasocial/premio-fbb-de-tecnologia-social/ Acesso em: 05 abr. 2020.

FORPOREX. Política Nacional de Extensão Universitária. Porto Alegre/RS: Gráfica da UFRGS, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

IBGE. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, 2016-2018. Brasil: IBGE, 2018.

IBGE. Complete com os dados que faltam, se houver. 2008. Disponível em:http://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=notas-tecnicas. Acesso em: 08mar. 2020.

IBGE. Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2014: Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

ITS. Instituto de Tecnologia Social. Tecnologia social no Brasil: direito a ciência e ciência para cidadania. Caderno de Debate. São Paulo: Instituto da tecnologia social, 2004.

JAPIASSU, H. Introdução ao pensamento epistemológico. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

KLOSSOWSKI, A. et al.; O envolvimento da universidade pública em relação à tecnologia social (2001 a 2011). Revista Tecnologia e Sociedade, vol. 12, n. 26, setembro-dezembro, 2016, p. 61-80, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Brasil. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=496654013005 Acesso em: 10 de out. 2020.

LIMA, L. Aprender para ganhar, conhecer para competir: sobre a subordinação da educação na “sociedade da aprendizagem”. São Paulo: Cortez, 2012.

LINSINGEN, I. V.; CORRÊA, R. F. Perspectivas educacionais em tecnologias sociais: autoria, inclusão e cidadania sociotécnica. Creative Commons - Atribuição CC BY, 2015.

NOGUEIRA, M. D. P. Extensão universitária no Brasil: uma revisão conceitual. In: FARIA D. S. de (Org.). Construção conceitual da extensão universitária na América Latina. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

OLIVEIRA, S. L. B. Educação do campo e tecnologias sociais: uma discussão eminente. Brazilian Journal of Development: Curitiba, v. 6, n.5, p.28991-28996. 2020. Diposnível em: < https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/10280/8607>. Acesso em 10 out. 2020.

OLIVEIRA, F.; GOULART, P. M. Fases e faces da extensão universitária: rotas e concepções. Rev. Ciênc. Ext., São Paulo, v.11, n.3, p.8-27, 2015.

OSÓRIO, N. B.; SOUZA, D. M.; SILVA NETO, L. S. Universidade da Maturidade: ressignificando vidas 2013. Anais... Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2013/JornadaEixo2013/anais-eixo8-direitosepoliticaspublicas/universidadedamaturidade-ressignificandovidas.pdf Acesso em: 10. set .2020.

OSÓRIO, N. B. & SILVA, L. S. N. UMA: Portal Universidade da Maturidade do Tocantins. Disponível em: http://www.uft.edu.br/uma/ Acesso em: 10 abr. 2020.

PPP. Projeto Político Pedagógico. Universidade da Maturidade/UMA/UFT, Palmas/TO, 2011.

PPP. Projeto Político Pedagógico. Universidade da Maturidade/UMA/UFT, Palmas/TO, 2018.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Universidade FEEVALE. 2. ed. Novo Hamburgo/RS, 2013.

REDE DE TECNOLOGIA SOCIAL - RTS (Brasil) (Org.). Tecnologia Social e Desenvolvimento Sustentável: Contribuições da RTS para a formulação de uma Política de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília/DF: Secretaria Executiva da Rede de Tecnologia Social (RTS), 2010.

RIBEIRO, R. J. Prefácio: o sapo e o príncipe. In: ALMEIDA FILHO, N. Universidade nova: textos críticos e esperançosos. Brasília/Salvador: UNB/ Edufba, 2007. p. 11-18.

STABENOW, WW; ELLIOTT, DL. Tecnologia e expectativa de vida: o legado do século XX, os desafios do século XXI. Vida, 2017.

VILLAS-BOAS, S.; OLIVEIRA, A.L.; RAMOS,N.; MONTEIRO, I. A educação intergeracional no quadro da educação ao longo da vida - Desafios intergeracionais, sociais e pedagógicos. Investigar em Educação, Revista da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, II ª Série, n.5, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-093

Refbacks

  • There are currently no refbacks.