Relação entre a fadiga, dependência de dopamina com as disfunções neuronais / Relationship between fatigue, dopamine dependence and neuronal dysfunctions

Fabiano de Abreu Rodrigues

Abstract


Este estudo objetiva analisar a relação entre a fadiga, dependência de dopamina com as disfunções neuronais,  vivemos numa sociedade com uma tecnologia 4.0 desde 1980 após a revolução tecnológica, a neurociência avançou muito de alguns anos para cá, mas continuamos à mercê de algumas respostas no contexto comportamental do ser humano, principalmente quando se trata de fatores internos que há muito já foi negado e que vêm moldando desde o final do século XX, mas a questão é por que as pessoas se sentem cansadas, levadas à fadiga? Será mesmo que a fadiga é apenas uma doença corporal de excessos físicos? Desde a idade da pedra, o homem vem evoluindo não apenas fisicamente como também cognitivamente e com a evolução do hominídeo chegando em sua etapa final do homem sábio (homo-sapiens), o ser humano até a revolução neolítica, vivia exaustivamente da caça e na coleta (nomadismo) de animais perigosos para sua sobrevivência, porém de primeiro momento o hominídeo não era parte do topo da cadeia alimentar como somos atualmente e sim necessitava esperar que outros animais saciassem suas fomes para que nesse momento o hominídeo pudesse saciar a sua e como é de conhecimento geral no corpo humano, o cérebro é o órgão que exige energia para funcionar, pois com a evolução cognitiva o homem desenvolveu habilidades que requer uma boa quantidade de energia pelo motivo de sua sobrevivência. Em suma os neurotransmissores são os responsáveis pela liberação das substâncias do prazer como a dopamina, serotonina entre outras substâncias, mas também são eles os autores da liberação de sintomas da fadiga.


Keywords


Fadiga, Dopamina, Serotonina, Receptores, Neurotramissores.

References


BELL, Daniel. ( 1999 ),The coming of post-industrial society. Nova York, Basic Books.

BOÉTIE, Étienne de la. ([1576] 2017),Discurso sobre a servidão voluntária. São Paulo, Edipro.

BRUNI, José Carlos. ( 2002 ), “O tempo da cultura em Nietzsche”.Ciência e Cultura, Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 2 (54): 33-35.

CORBANEZI, Elton Rogerio. ( 2015 ),Saúde mental e depressão: a função política de concepções científicas contemporâneas. Campinas, tese de doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

CRARY, Jonathan. ( 2016 ),Capitalismo tardio e os fins do sono.São Paulo, Ubu.

DELEUZE, Gilles. ( 1992 ),Conversações. São Paulo, Editora 34.

EHRENBERG, Alain. ( 1998 ),La fatigue d’être soi: dépression et société. Paris, Odile Jacob.

FOUCAULT, Michel. ( 2008 ), Nascimento da biopolítica : curso dado no Collège de France (1978-1979) . São Paulo, Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. ( 2010 ),História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal.

FREUD, Sigmund. ( 2010 ), “O mal-estar na civilização” . In: FREUD, Sigmund.O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). São Paulo, Companhia das Letras, pp. 13-122.

GORZ, André. ( 2005 ),O imaterial. São Paulo, Annablume.

HANDKE, Peter. ( 1990 ),Para uma abordagem da fadiga. Tradução de Isabel de Almeida e Sousa. Lisboa, Difel.

KEHL, Maria Rita. ( 2009 ),O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo, Boitempo.

GIANNESINII, B.; COZZONE, P. J.; BENDAHAN, D. (2003) Non invasive investigation of muscular fatigue: Metabolic and electromyografic components. Biochimie (Paris).

GIBSON, H.; EDWARDS, R. H. T. (1985) Muscular exercise and fatigue. Sports Medicine.

HAKKINEM, K. (1995) Neuromuscular fatigue and recovery in women at different ages during heavy resistance loading. Electromyogr. Clin. Neurophysiol.

HOLLMANN, W.; HETTINGER, T. H.. (1989).Medicina de Esporte. 3ª Ed. São Paulo: Manole.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-075

Refbacks

  • There are currently no refbacks.