Geotecnologias aplicadas à ánalise de parâmetros físico-químicos em águas de poços públicos na zona urbana de Triunfo/PB / Geotechnologies applied to the analysis of physical-chemical parameters in public well waters in the urban area of Triumph/PB

Santana Lívia de Lima, Antônia Silânia de Andrade, Welinágila Grangeiro de Sousa, Mariana da Silva de Siqueira, George do Nascimento Ribeiro

Abstract


A preservação da qualidade da água é uma necessidade universal, que exige atenção por parte das autoridades sanitárias e consumidores em geral, particularmente no que se refere a água de mananciais, como poços, nascentes, lagos, entre outros destinados ao consumo humano. O presente trabalho teve como objetivo a caracterização da qualidade a partir das análises físico-químicas e distribuição espacial das águas de poços públicos da zona urbana do município de Triunfo-PB, por meio de geotecnologias. Foi realizado o levantamento da geolocalização dos poços que são utilizados para o abastecimento da população triunfense. Foram coletadas amostras de nove (09) poços tubulares públicos, e procedidas as análises laboratoriais (pH, condutividade elétrica, cloretos, alcalinidade, dureza total), no período de 08 a 11 do mês de fevereiro de 2016, no Laboratório de Qualidade de Águas da UFCG/campus Sumé. Diante dos resultados obtidos ficou evidente que o consumo de água dos poços 1, 3, e 6, na situação avaliada, pode representar risco à saúde pública, uma vez que apresentaram elevados valores de condutividade elétrica, cloretos e alcalinidade; para o poço 8, apenas dureza encontra-se em desacordo com a legislação vigente, não apresentando ideais condições de potabilidade; assim sendo, podem ser capazes de transmitir enfermidades de veiculação hídrica.

 


Keywords


geolocalização, qualidade de água, águas subterrâneas, mapeamento temático.

References


BORDALO, C. A. L. A “crise” mundial da água vista numa perspectiva da geografia política. GEOUSP: Espaço e Tempo, v.31, p.66-78, 2012.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Diagnostico do município de Triunfo-PB. 2005. Disponível em: Acesso em: 13 ago 2017.

BRASIL. Portaria nº2.914, de 12 de dezembro de 2011. Perguntas e respostas sobre a portaria MS n° 2.914/2011. Ministério da Saúde. Brasília, 2012.

BRASIL/ABAS. Associação Brasileira de Águas Subterrâneas. Funções dos aquíferos. 2011. Disponível em: Acesso em: 02 ago 2017.

CAJAZEIRAS, C. C. DE A. Qualidade e uso das águas subterrâneas e a relação com doenças de veiculação hídrica, Região de Crajubar/CE. 2007. Dissertação (Mestrado em Geologia). Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2007.

CETESB. Variáveis de qualidade das águas. Disponível em: Acesso em: 19 de setembro de 2017.

CONCEIÇÃO, F. T. DA; CUNHA, R.; SARDINHA, D. DE S.; SOUZA, A. D. G.; SINELLI, O. Hidrogeoquímica do Aquífero Guarani na área urbana de Ribeirão Preto (SP). Geociências, v.28, n.1, p.65-77. 2009.

CORREIA, E. F. G.; RIBEIRO, G. P; BAPTISTA, A. C. Modelagem hidrológica da bacia hidrográfica do Rio Bengalas, Nova Friburgo, RJ, utilizando o potencial de geotecnologias na definição de áreas de risco à inundação. Revista Brasileira de Cartografia, v.67, n.6, p.1183-1202, 2015.

COSTA, C. L.; LIMA, R. F. DE; PAIXÃO, G. C.; PANTOJA, L. D. M. Avaliação da qualidade das águas subterrâneas em poços do estado do Ceará, Brasil. Revista SEMINA: Ciências Biológicas e da Saúde, v.33, n.2, p.171-180, 2012.

COUTINHO, L. Água – Recurso Mineral: o paradoxo hídrico resultante da regulamentação jurídica aplicada às águas minerais no Brasil. Dissertação (Mestrado). Universidade de Brasília, 2015.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Serviço Geológico do Brasil. Geologia e Recursos Minerais do Estado da Paraíba. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Org. SANTOS, E. J. DOS; FERREIRA, C. A.; SILVA JUNIOR, J. M. F. DA. Recife, PE, 234p. 2002.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Serviço Geológico do Brasil. Diagnóstico Socioambiental - Litoral Norte - O Meio Físico da Área, 2005. Recursos Hídricos Subterrâneos. Disponível em: Acesso em: 25 jul 2017.

DANELUZ, D.; TESSARO, D. Padrão físico-químico e microbiológico da água de nascentes e poços rasos de propriedades rurais da região sudoeste do Paraná. Arq. Inst. Biol., v.82 p.1-5, 2015.

ECKHARDT, R. R.; DIEDRICH, V. L.; FERREIRA, E. R.; STROHSCHOEN, E.; DEMAMAN, L. C. Mapeamento e avaliação da potabilidade da água subterrânea do município de Lajeado, RS, Brasil. Ambi-Agua, v.4, n.1, p.58-80, 2009

FILHO, H. R. G.; ROCHA, E. F. C. Prevalência de doenças de veiculação hídrica em usuários de águas de poços freáticos em Campos dos Goytacazes-RJ. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v.9 n.1, p.49-67, 2015.

FOSTER, S. S. D.; HIRATA, R. C. A. Determinação do risco das águas subterrâneas. Um método baseado em dados existentes. Instituto Geológico. 1993.

FUNASA. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS. Departamento de Saúde Ambiental (DESAM). Brasília- DF. 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2008. Disponível em: www.ibge.gov.br/. Acesso em: 08 abr. 2017.

KEMERICH, P. D. C. DE; SILVA, J. L. S. DE; FILHO, L. L. V. D.; VOLPATTO, F.; SAUCEDO, E. M. Determinação da vulnerabilidade natural à contaminação da água subterrânea no bairro nossa senhora do perpétuo socorro em Santa Maria – RS. Engenharia Ambiental, v.8, n.3, p.085-098, 2011.

LEAL, A. DE S. As águas subterrâneas no Brasil: ocorrências, disponibilidades e usos. In: FREITAS, M. A. V. DE (org). O Estado das Águas no Brasil. Brasília: Agência Nacional de Energia Elétrica; superintendência de Estudos e Informações hidrológicas. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos. Ministério de Minas e Energia, 1999.

LIMA, R. B.; OLIVEIRA, D. DA S.; SOUZA, L. D.; BATISATA, R. O.; ALVES, S. M. C.; SILVA, F. U. Análise físico-química da água de três poços subterrâneos do município de Mossoró-RN. Revista Química: ciência, tecnologia e sociedade, v.4, n.2, 2015.

MESQUITA, E. A.; CRUZ, M. L. B.; PINHEIRO, L. R. Ó. geoprocessamento aplicado ao mapeamento das formas de uso da terra na área de preservação permanente (APP) da Lagoa do Uruaú – Beberibe/CE. Geonorte, v.2, n.4, p.1509–1518, 2012.

NUMMER, A.; MACIEL FILHO, C. A. Introdução à Geologia de Engenharia. 4. ed. UFSM, Santa Maria, 2011.

MARINS, R. V.; PARAQUETTI, H. H. M.; AYRES, G. A. Alternativa analítica para especiação físico-química de mercúrio em águas costeiras tropicais. Instituto de Ciências do Mar, UFCE; Departamento de Geoquímica, Universidade Federal Fluminense. v.25, n.3, p. 372-378. 2002.

MESQUITA, E. A.; CRUZ, M. L. B.; PINHEIRO, L. R. Ó. Geoprocessamento aplicado ao mapeamento das formas de uso da terra na área de preservação permanente (APP) da Lagoa do Uruaú – Beberibe/CE. Geonorte, v.2, n.4, p.1509–1518, 2012.

OLIVEIRA, A. DA S.; ALMEIDA, A.G. DE; SGRIGNOLLI, L. A.; OTOBONI, ALDA M. M. B.; MARINELLI, P. Sérgio. Levantamento físico-químico e higiênico-sanitário de águas de irrigação do cultivo de hortaliças na cidade de Marília/SP. 2009.

PARAÍBA. SECTMA. Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente. Geomorfologia do Estado da Paraíba. 2006. Disponível em: http://www.aesa.pb.gov.br/aesa-website/wp-content/uploads/2016/11/PE_09.pdf. Acesso em: 13 de novembro de 2017.

POHLING, R. Reações Químicas na Análise de Água. Fortaleza: Editora Arte Visual Gráfica e Editora Ltda. – ME, p.5, 2009.

RICHTER, C. A., AZEVEDO. N. J. M. Tratamento de Água. Tecnologia atualizada. Editora Blucher. São Paulo–SP, 2011.

SILVA, K. M. O Perigo do uso indiscriminado dos poços artesianos - uma abordagem hídrica. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 de set 2016.

SOARES, J. B.; MAIA, A. C. F. Água: microbiologia e tratamento. Fortaleza: UFC, 1999. 215p.

STEIN, P.; FILHO, J. B. D.; LUCENA, L. R. F.; CABRAL, N. M. T. Qualidade das águas do aquífero Barreiras no setor sul de Natal e norte de Parnamirim, Rio Grande do Norte, Brasil. Revista Brasileira de Geociências, v.42, n.1, p.226-237, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-073

Refbacks

  • There are currently no refbacks.