Tecnologia Assistiva: Aplicativos Inovadores para estudantes com Deficiência Visual / Assistive Technology: Innovative Applications for Students with Visual Disabilities

Aline Aparecida Nascimento Frazão, Lívia da Conceição Costa Zaqueu, Ísis de Paula Santos Mendonça, Thays Nayara Frazão Silva, Francisca Morais da Silveira

Abstract


 A Tecnologia Assistiva emerge como uma área do conhecimento e de pesquisa que tem se revelado como um importante horizonte de novas possibilidades para a autonomia e inclusão social e educacional dos estudantes com Deficiência.  Nesse sentido, o objetivo do presente trabalho é trazer à tona o que a há de mais novo sendo produzido em Tecnologia Assistiva utilizados por pessoas com Deficiência Visual que podem ser utilizados na sala de aula, assim como apresentar as contribuições da Tecnologia Assistiva (TA) como recursos facilitadores do processo de aprendizagem dos estudantes com Deficiência Visual através de aplicativos inovadores. Para tanto, foi desenvolvida uma revisão de literatura pertinente à temática, identificando as possibilidades e dificuldades da incorporação desses aplicativos nas salas de aula e suas demais implicações.  Observamos que alguns obstáculos dificultam o melhor uso e aplicabilidade dessa Tecnologia Assistiva.  Desta forma, é imprescindível se pensar em um melhor aproveitamento destes aplicativos de Tecnologia Assistiva atual e adequada às necessidades desses alunos de forma a garantir uma educação de qualidade.


Keywords


Tecnologia Assistiva, Aplicativos Inovadores, Deficiência Visual, Estudantes, Aprendizagem.

References


AMPUDIA, Ricardo. O que é Deficiência Visual. Revista Nova Escola 2011. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/270/deficiencia-visual-inclusao. Acesso em: 31 de maio de 2018.

BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre: Cortez, 2013.

BERSCH, Rita; SARTORETTO, Maria Lúcia. Tecnologia e Educação. 2017. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/tassistiva.html. Acesso em: 10 de outubro de 2017.

BERSH, Rita; TONOLLI, José Carlos. Introdução ao Conceito de Tecnologia Assistiva e Modelos de Abordagem da Deficiência 2015. Disponível em: http://www.bengalalegal.com/tecnologia-asssistiva. Acesso em: 08 de maio de 2018.

BORGES, J. A. Impactos das tecnologias de informação sobre os Deficientes Visuais em Políticas Públicas, Educação, Tecnologia e Pessoas com Deficiências. Ed. Mercado das Letras (ABL): São Paulo, 2003.

BRASIL, Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em . Acesso em 10 setembro de 2017.

BRASIL, SCIENTIFIC AMERICAN. Mente e Cérebro. Editora Segmento Vol. 5 16/04/2016. Disponível em: http://www2.uol.com.br/vivermente/noticias/cinco_aplicativos_inovadores_para_cegos.html. Acesso em: 20 de maio de 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 44. ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Portaria nº 3.284, de 7 de novembro de 2003. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/port3284.pdf. Acesso em: 08 de maio de 2018.

BRASIL, INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL. Tecnologia Assistiva nas Escolas: Recursos Básicos de acessibilidade sócio-digital para pessoas com deficiência, 2008. Disponível em: http://www.ufjf.br/acessibilidade/files/2009/07/Cartilha_Tecnologia_Assistiva_nas_escolas_-_Recursos_basicos_de_acessibilidade_socio-digital_para_pessoal_com_deficiencia.pdf. Acesso em: 31 de maio de 2018.

COSTA, Renata. Como funciona o Sistema Braille. Revista Nova Escola março de 2009. Disponível em: http://novaescola.org.br/conteudo/397/como-funciona-sitema-braille. Acesso em: 08 de maio de 2018.

GALVÃO FILHO, Teófilo. Tecnologia Assistiva para uma escola inclusiva [recurso eletrônico]: apropriação, demanda e perspectivas. Salvador, BA: UFBA, 2013.

GASPARETTO, M. E. R. F. Percepções de escolares com deficiência visual em relação ao seu processo de escolarização. Ribeirão Preto: Paidéia, 2009.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do universo. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/118. Acesso em: 20 de maio de 2018.

MANZINI, Eduardo José; DELIBERATO, Débora. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico especial para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: recursos para comunicação alternativa. 2 ed. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

MAZZONI, A. A. et al. Aspectos que interferem na construção de acessibilidade em bibliotecas universitárias. Ciência da Informação, v. 30, n. 2, p. 29-34, maio/ago. 2001.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração dos direitos das pessoas com deficiência. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec_def.pdf. Acesso em: 28 setembro 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial sobre a Deficiência. São Paulo: SEDPcD, 2017. Disponível em: http://www.who.int/sdhconference/discussion_paper/Discussion_Paper_PT.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2018.

MARQUES, Lydia da Cruz; MENDES, Enicéia Gonçalves. O aluno com Deficiência Visual Cortical: teoria e prática. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

RINCKER, Geovane. Tecnologia Assistiva para Cegos. Disponível em: http://estudoeaprendizagem.blogspot.com.br/2010/12/tecnologia-assistiva-para-cegos.html?m=1. Acesso em: 28 setembro 2017.

SÁ, Elizabeth Dias. Informática para pessoas Cegas e com Baixa Visão 2003. Disponível em: www.bancodeescola.com. Acesso em: 20 de maio de 2018.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. 5.ed. Rio de Janeiro: WVA, 2015.

TARDIF, Maurice. O trabalho docente, a pedagogia e o ensino. Interações humanas, tecnologias e dilemas. In: TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TEIXEIRA, A. F.; JUNIOR, J.B.B.; CHAHINI, T. H. C. Tecnologia Assistiva no contexto educacional de Alunos com Deficiência Visual no ensino superior. Anais do II Simpósio Nacional de Tecnologias Digitais na Educação, 2017. Disponível em: Acesso em: 20 de maio de 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-066

Refbacks

  • There are currently no refbacks.