Ocorrência de cianobactérias em um reservatório de abastecimento público do semiárido cearense / Occurrence of cyanobacteria in a public supply reservoir in the semi-arid region of Ceará

Rosimara de Sales Vieira, Karla Jaqueline do Nascimento, Elaine Cristina Conceição de Oliveira, Elizângela Maria Ferreira Ricarte, Gabriel Messias da Silva do Nascimento, Caio Oliveira da Silva, Maria Arlene Pessoa da Silva, Sírleis Rodrigues Lacerda

Abstract


As cianobactérias são organismos procariontes que apresentam propriedades tanto das algas como das bactérias. O objetivo deste trabalho foi identificar e quantificar as espécies de cianobactérias no reservatório Canoas, Ceará, Brasil, em diferentes períodos (seco e chuvoso). As amostras foram coletadas mensalmente (outubro/16 a maio/17) em três pontos amostrais (P1, P2 e P3). Considerando a análise da composição, realizou-se arrastos horizontais com rede de plâncton (20µm) na subsuperfície da água, sendo fixadas com formol neutro a 4%, analisadas utilizando-se microscópio óptico Trinocular (QUIMIS) - Motic, Modelo: Q711T – BA310. Para a quantificação, as amostras foram coletadas diretamente da subsuperfície, sendo fixadas com lugol, analisadas e contadas segundo o método de Utermöhl, utilizando-se microscópio invertido Zeiss Axiovert. Foram determinadas as densidades, espécies dominantes e abundantes. Entre os táxons, apenas duas espécies foram consideradas dominantes e quatro abundantes. A presença de grandes densidades observadas para espécies de Cyanobacteria alertam para possíveis riscos à saúde pública, visto que esse reservatório é utilizado para o abastecimento público, com isso torna-se relevante a necessidade de monitoramento constante para prevenir e minimizar possíveis transtornos que possam ocorrer pela presença da grande concentração desses organismos na água.


Keywords


Cyanophyceae, Abastecimento público, Qualidade da água.

References


ALVES-DA-SILVA, S.M.; LAITANO, C.S. Euglenaceae pigmentadas do Banhado do Jacaré, em um parque de proteção ambiental, Triunfo, R.G.S, Brasil. Iheringia, v.45, p.89-116. 1994.

ANAGNOSTIDIS, K.; KOMÁREK, J. Modern approach to the classification system of cyanophytes. 3 - Oscillatoriales. Algological Studies, 50-53, p. 327-472, 1988.

ARAGÃO, N.K.C.V. Taxonomia, distribuição e quantificação de populações de cianobactérias em reservatórios do estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). 2011. 157 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2011.

AZEVEDO, M. T. P.; SANT’ANNA, C. L. Morfologia e reprodução. In: SANT’ANNA, C. L. et al. Manual ilustrado para identificação e contagem de cianobactérias planctônicas de águas continentais brasileiras. Rio de Janeiro: Interciência; São Paulo: Sociedade Brasileira de Ficologia – SBFic. 2006. p. 05 – 08.

AZEVEDO, S. M. F. O.; VASCONSELOS, V. M. Toxinas de cianobactérias: causas e conseqüências para a saúde pública. In: ZAGATTO, P. A.; BERTOLETTI, E. Ecotoxicologia aquática: princípios e aplicações. 2 ed. São Carlos: Rima, 2008. p. 433 – 452.

BICUDO , C. E. M.; MENEZES, M. Gêneros de Algas de Águas Continentais do Brasil (chave para identificação e descrições). 2. ed. São Carlos: RiMa, 2006, 502 p.

BRASIL. Resolução nº 357 de 15 março de 2005. Brasília: Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), 2005. 27 p.

BRASIL. Portaria nº 2914 de 12 de dezembro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde (MS), 2011. 8 p.

BITTENCOURT-OLIVEIRA, MC., MOURA, AN., HEREMAN, TC. DANTAS, EW. Increase in Straight and Coiled Cylindrospermopsis raciborskii (Cyanobacteria) populations under conditions of thermal de-stratification in a shallow tropical reservoir. Journal of Water Resource and Protection, vol. 3, no. 4, p. 245-252, 2011.

COMPÈRE, P. Algues de La región dulactchad. V – Chlorophycophytes (1ª partie).

Serie Hydrobial. O. R. S. T. O. M, v. 10, n. 2, p. 77-118, 1976.

CHORUS, I.; BARTRAM, J. Toxic cyanobacteria in water. London/New York: World Health Organization, 1999. 400 p.

DESIKACHARY, T. V. Cyanophyta. New Delhi: Indian Council of agricultural Research, 1959. 686 p.

FRANCESCHINI, I. M.; BURLIGA, A. L.; REVIERS, B.; PRADO, J.F. RÉZIG, S.H.

Algas: uma abordagem filogenética, taxonômica e ecológica. Artmed Editora, 332 p. 2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: , Acesso em: ago. 2019.

KOMÁREK, J. e ANAGNOSTIDIS, K. Modern approach to the classification system of Cyanophytes. 4 – Nostocales. Archiv für Hydrobiologie, Algological Studies, v.56:, p. 247- 345, 1989.

LOBO, E.; LEIGHTON, G. Estructuras comunitárias delfitocenosis planctônicas Del sistemas de desembocaduras de rios y esteros de el zona central de Chile. Revista Biologia Marina, n. 22, p. 1-29, 1986.

LUND, J.W.G.; KIPLING, C.; LECREN, E.D.The invert microscope method of estimating algal numbers and the statistical basis of estimations by counting. Hydrobiologia, v.11, p.143-170, 1958.

MEDEIROS, L. C.O efeito do regime hidrológico do semiárido na composição de espécies durante dominância de cianobactérias em um reservatório tropical. 2013. 45 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2013.

MIZUNO, T. Ilustrations of the freshwater plankton of Japan.Osaka: Hoikuscha, 1968. 351 p.

MOURA, A. N.; NASCIMENTO, E. C.; DANTAS, E. W. Temporal andspatial dynamics ofphytoplanktonnearfarmfish in eutrophicreservoir in Pernambuco, Brazil. RevistaBiologia Tropical, v. 60, n. 2, p. 581-597, 2012.

PARRA, O. O.; BICUDO, C. E. M. Introduccion a labiolagia y sistemática de las algas de águas continentales. Concepción: EdicionesUniversidad de Concepición. Santiago, Chile, 268 p. 1993.

PARRA, O. O.; GONZALEZ, M.; DELARROSA, V. Manual taxonômico Del fitoplancton de águas continentales: com especial referência al fitoplâncton de Chile. v. Chlorophyceae. Parte 1: Vovocales, chlorococcales y ulotricales. Concepción: Editoral Universidad de Concepción, 1983. 151 p.

PRESCOTT, G. W. Algae of the Western Great Lakes Area. 6. ed., Cranbrook Institute of Science, 1975. 977 p.

PRESCOTT, G. W. Algae of the Western Great Lakes Area: With na illustrated key to the Genera of Desmids and Fresh water Diatoms. lowa. Wm. C. Brown Company Publishers., 1962. 300 p.

REVIERS, B. Biologia e filogenia das algas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ROUND, F. E. Biologia das algas. 2. ed., Rio de Janeiro: ed. Guanabara Dois, 1983. 263 p.

ROUND, F. E.; CRAWNFORD, R. M.; MANN, D. G. The diatoms: biology e morphology of the genera. New York: Cambrigde University Press, 1992, 747 p.

SANT’ANNA, C. L. et al. Review of toxic species of Cyanobacteria in Brazil. Algological studies, Stuttgart (Germany), v. 126, p. 251 – 265, 2008.

SANT’ANNA, C. L. Chloroccales (chlorophyceae) do Estado de São Paulo, Brasil.

Germany: STAUSS; CRAMER, 1984, 348 p.

SANT’ANNA, C. L.; AZEVEDO, M. T.; AGUJARO, L. F.; CARVALHO, M. do C.;

CARVALHO, L. R.; SOUZA, R. C. R. Manual ilustrado para identificação e contagem de cianobactérias planctônicas de águas continentais brasileiras. Rio de Janeiro. Interciência: São Paulo. Sociedade Brasileira de Ficologia – SBFic,58p. 2006.

SANTOS, P. R. B.; SOUSA, J. S. C.; SILVA, K. N. S.; MELO S.; PEREIRA, A. C. Variabilidade espacial-temporal da comunidade fitoplanctônica no reservatório da usina hidrelétrica de Curuá-Uma. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 7, p. 42632-42649. 2020.

SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS. Atlas Eletrônico dos Recursos Hídricos do Ceará(Açude Canoas, Assaré). 2015.Disponível em: . Acesso em: ago. 2019.

STREBLE, H.; KRAUTER, D. Atlas de los microorganismos de agua dulce. Barcelona: ed. Ômega, 340 p. 1987.

TORQUATO, K. C. Ocorrência de cianobactérias em reservatórios de bacias hidrográficas do estado da Paraíba.2012. 62 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) – Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, 2012.

UTERMÖHL, H. Zur Vervollkommung der quantativen phytoplancton-methodik. Mitteilungen InternationaleVereinigungfürTheoretische und Angewandte.Limnologie, v. 9, n. 2, p. 1-38, 1958.

WEBER, C.I. Plankton. In: National Environmental Research Center Office of Research and Development U. S. Environmental Protection Agency Cincinnati(ed.). Biological field and laboratory methods for measuring the quality of surface water and effluents.p.1-17.1973.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-010

Refbacks

  • There are currently no refbacks.