Contexto cooperativo: um framework de análise para participação e deliberação / Cooperative context: framework for participation and deliberation

Paula Almeida Brito, Gleimiria Batista da Costa Matos, Eugenio Avila Pedrozo, Eliane Alves da Silva

Abstract


Cooperativas enquanto autogestionárias e democráticas por seu processo de participação são organizações pluridimensionais e complexas, com desafios para alcançar objetivos tanto de ordem social, como econômica, principalmente no alcance de seus princípios éticos, diferindo de outros modelos, e sendo considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU, 2019) como modelo de igualdade. Portanto, este ensaio tem o objetivo de propor um framework para analisar a percepção de participação individualmente e coletivamente dos cooperados em relação ao sistema cooperativista antes e pós deliberação institucional. Por meio desse framework preencher uma lacuna de pesquisa para verificar se as motivações pessoais impactuam os resultados coletivos ou se as ações coletivas prevalecem em detrimento do individualismo. Considera-se que a participação e o comportamento dos membros são os maiores gargalos e pulverização da organização, por isso, é importanteutilizar uma lente teórica para analisar falhas e acertos no desenvolvimento de cooperativas. As lentes teóricas selecionadas foram organizadas de maneira a analisar a mudança de opinião e percepção pela motivação individualista e/ou coletivista na participação proposta por Birchall e Simmons (2004), e com os princípios de interesses dimensionados no Triângulo de Defourny e Nyssens (2017), antes, durante e depois da deliberação institucional (assembleia) na ótica das duas obras de Habermas, a Teoria da Ação Comunicativa (1993) e a deliberação por Três Modelos Normativos de Democracia (1994). O framework retratado, pode ser utilizado em qualquer tipo de cooperativa, mas é interessante utilizá-lo em cooperativas agropecuárias, pois é um dos setores que mais se desenvolvem no Brasil, seja na perspectiva de complexos agroindustriais e agricultura familiar.

 


Keywords


Ação Comunicativa, Coletivismo, Individualismo, Organizações Híbridas.

References


ARGYLE, M. Co-operation: the basis of sociability. London: Routledge, 1991.

BIRCHALL, J.; SIMMONS, R. What Motivates Members to Participate in Co-operative and Mutual Businesses? A theoretical model and some findings. Annals of Public and Cooperative Economics, v. 75, n. 3, p. 465–495, 2004. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-8292.2004.00259.x>. Acesso em 24 mar. 2020.

BIRCHALL, J. People Centred Businesses: Co-operatives, Mutuals and Idea of Membership. Basingstoke: Palgrave, 2009.

BIRCHALL, J. The governance of large co-operative business: a research study for co-operatives UK. Manchester: COOP UK, 2014.

BROWN, J. S.; DUGUID, P. Organizational learning and communities-of-practice: toward a unified view of working, learning, and innovation. Organization Science, n. 2, v.1, p. 40–57, 1991. Disponível em: < https://psycnet.apa.org/record/1991-29001-001>. Acesso: em 24 abr. 2020.

CHAMBERS, S. Deliberative Democratic Theory. Annual Review of Political Science, v.6, p. 307-326, 2003. Disponível em: < https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.polisci.6.121901.085538>. Acesso: 24 abr. 2020.

COLEMAN, J. S. Foundations of Social Theory. Cambridge, MA: Belknap Pres, 1990.

DEFOURNY, J.; NYSSENS, M. Fundamentals for an International Typology of Social Enterprise Models. Voluntas, 2017.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Editora Nacional, 1985

DURKHEIM, E. On Morality and Society. Chicago: University of Chicago Press, 1973.

ELSTER, J. Nuts and Bolts for the Social Sciences. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

ELSTER, J. Privatisation in Eastern Europe: An introduction. History of European Ideas, v. 17, n. 6, p. 713–714, 1993.

EMERSON, J. The nature of returns: a social capital markets inquiry into elements of investment and the blended value proposition. Harvard Business School, 2000. Disponível em: < https://www.fi-compass.eu/sites/default/files/publications/the-nature-of-returns-a-social-capitla-market-inquiry-into-elements-of-investment-and-the-blended-value-proposition.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2020.

GILBERT, M. Rationality and salience. Philos Stud, 1989.

HABERMAS, J. Three Normative Models of Democracy. Constellations, 1994.

HABERMAS, J. The theory of communicative action. Vol 2. Lifeworld and system: A critique of functionalist reason. Boston, Beacon Press, 1993.

HOLZMANN, L. Operários sem patrão: gestão cooperativa e dilemas da democracia. São Carlos: EdUFSCar, 2001.

HOMANS, G. Social behavior: its elementary forms .2nd ed., New York: Harcourt Brace Jovanovich, 1974.

INDALECIO, A.M.A. Participação e a Governança nas Organizações Mutuais. Dissertação (Mestrado em Administração Pública). Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2010.

LEVI, Y. Local development and co-operatives: none, only one, more than one in the same village. Journal of Co-operative Studies, v. 31, n.1, p. 50-77, 1998.

LLEWELLYN, D.; HOLMES, M.‘In defence of mutuality: a redress to an emerging conventional wisdom’, Annals of Public and Co-operative Economics, 1991.

McCULLOCH, M.; RIDLEY-DUFF, R. To profit or not to profit? That is the wrong question. In: 7th EMES International Research Conference on Social Enterprise. Conference paper 7th EMES Sustainable development through social enterprise, cooperative and voluntary action Sheffield Hallam University. London, 2019, p.1-23. Disponível em: < https://emes.net/publications/conference-papers/7th-emes-conference-selected-papers/to-profit-or-not-to-profit-that-is-the-wrong-question/>. Acesso em 18 abr. 2020.

McGREGOR, D. The human side 01 enterprise. New York, McGraw-Hill, 1960.

MELUCCI, A. Um objetivo para os movimentos sociais? Lua Nova, São Paulo, n. 17, 1989. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451989000200004>. Acesso em 24 abr. 2020.

MIRANDA, R.O. Cultura Organizacional: um estudo entre as dimensões de individualismo e coletivismo e suas manifestações de horizontalidade e verticalidade. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

MISI, M. C. Cooperativa de trabalho: direito do trabalho e transformação social no Brasil. São Paulo: LTr, 2000.

MOUFFE, C. Por um modelo agonístico de democracia. Rev. Sociol. Polít., v. 25, p. 11-23, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n25/31108.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2020.

MOUND L. A.; HALSEY, S. H. Whitefly of the World. A systematic catalogue of the Aleyrodidae (Homoptera) with host plant and natural enemy data. 340 pp., 1978. British Museum (Natural History) & John Wiley & Sons, Chichester (Great Britain).

NOVKOVIC, S. The balancing act: Reconciling the economic and social goals of co-operatives. In Molina, M.J. (Ed.), The Amazing Power of Cooperatives, Quebec 2012. In. International Summit of Co-operatives, pp.289-299, 2012. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/328462109_The_balancing_act_Reconciling_the_economic_and_social_goals_of_co-operatives>. Acesso em: 24 abr. 2020.

PATEMAN, C. Participation and democratic 'heoTJI. London: Cambridge University Press, 1970.

PARNELL, E. The role of cooperatives and other self-help organizations in crisis resolution and socio-economic recovery. Geneva, Switzerland: International Labour Office, Geneva, Switzerland, 2001.

PAULANI, L. M. Hayek e o individualismo no discurso econômico. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n.38, 1996. Disponível em: . Acesso: em 24 abr. 2020.

PIZZORNO, A. "Scambio politico e identità collectiva nel conflitto di classe", in CROUCH, C. & PIZZORNO, A. (Orgs.). Conflitti in Europa. Milão, Elas Libri, 1977.

PRADO, E. F. S. A teoria neoclássica (pura) e a teoria neo-austríaca frente ao legado cartesiano. Análise Econômica, Porto Alegre, n. 21, p.5-23, mar. 1994.

PUTNAM, R.D. Making democracy work: civic traditions in modern Italy. Princeton: University Press, 1994.

QUINTAS, A. C. R. Do homo economicus ao rational economic man: uma história do agente econômico. Dissertação de Mestrado (Economia). Faculdade de Economia Universidade do Porto, 2018, 54p. Disponível em:

sigarra .up.pt/fep/pt/pub_geral.show_file%3Fpi_doc_id%3D172429+&cd=1&hl=pt-BR&ct= clnk&gl=br>. Acesso em: 24 abr. 2018

SANDERS, L. M. Against deliberation. Political Theory, v. 25, n.3, p. 347-376, 1997. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2020

SCHULZE, E. Estrutura do poder em cooperativas. In: UNISISOS: Perspectiva Econômica. São Leopoldo, 1987.

SINGER, P. A cooperativa é uma empresa socialista. In: Sindicalismo % Cooperativismo: A economia solidária em debate. São Paulo: Unitrabalho, 2000.

SMITH, A. The theory of moral sentiments. (K. Haakonssen, Ed.). Cambridge: Cambridge Press. 2002.

SOROKIN, P. I. The ways and power of love, Boston: Beacon Press, 1954.

REIS, E. P. Reflexões sobre o Homo Sociologicus. Revista Brasileira de Ciências Sociais, são Paulo, v. 4, n. 11, p. 23-33, out. 1989.

TOURAINE, A. Production de la Société. Paris, Seuil, 1973

ZYLBERSZTAJN, D. Organização de cooperativas: desafios e tendências. Programa de estudos dos negócios do sistema agroindustrial da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de SP, São Paulo. 1994

WAY, J. C.; CHALFIE, M. The mec-3 gene of Caenorhabditis elegans requires its own product for maintained expression and is expressed in three neuronal cell types. Genes and Development, v. 3, n. 12 A, p. 1823–1833, 1989.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-741

Refbacks

  • There are currently no refbacks.