Violência e medo no contexto urbano do circuito histórico de Natal/RN / Violence and fear in the urban context of Natal/RN historical sightseeing

Francisco Xavier da Silva Júnior, Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega

Abstract


O objetivo desta pesquisa é analisar como o bairro da Ribeira – onde concentra-se parte do centro histórico de Natal, pode espacializar a violência e medo, distanciando a demanda turística por meio desse estigma de insegurança. Para tanto, adotou-se a observação no circuito histórico desenhado pela Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo de Natal, por meio de um formulário embasado na teoria de violência e medo, bem como no Crime Survey for England and Wales Questionnaire (2017), que estrutura um questionário extenso sobre os diversos fatores que estão intrinsicamente relacionados a violência e ao medo em um contexto urbano. Notou-se que a Ribeira carrega o estigma de violência e medo, impossibilitando o desenvolvimento de um turismo cultural na região, em virtude do abandono e descaso dos agentes públicos na área. Pouco (ou quase nada) se faz para tornar a Ribeira um cartão postal da nossa história. Há pouca valorização e reconhecimento do seu acervo de patrimônio histórico local e planejamento, desenvolvimento e gestão para que a Ribeira se torne uma zona que transmita segurança e passível de ofertar produtos consolidados no turismo cultural potiguar.


Keywords


Turismo, Medo/Violência, Espacialidade, Ribeira.

References


Arendt, H. (1970). On violence. Orlando: Harcourt Inc.

Ávila, V. R. F. (2002). El impacto del terrorismo en las llegadas de turismo internacional – algunos ejemplos. Turismo y Sociedad. 70-79.

Barbero, J. M. (2003). Los labirintos urbanos del miedo. Universitas Humanística. 56. 69-79.

Bauman, Z. (2008). Medo líquido. Rio de Janeiro: Zahar.

Belei, R. A. et al. (2008). O uso de entrevista, observação e videogravação em pesquisa qualitativa. Cadernos de Educação. 30. 187-199.

Benjamin, W. (2003). Crítica da violência: crítica do poder. Revista Espaço Acadêmico. 2(21), pp. 1-7.

Bignami, R. (2001), Imagem do Turismo no Brasil: construção, desafios e vantagem

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Editora Bertrand: Rio de Janeiro.

Caldeira, T. P. R. (2003). Cidade de muros. São Paulo: Edusp.

competitiva. São Paulo: Editora Aleph.

Costa, E. B. (2008). Refuncionalização do patrimônio cultural e a nova racionalidade da organização sócio-espacial em núcleos urbanos tombados. Revista Estudos Geográficos. 53-74.

Cruz, R. C. A. (2003). Introdução à geografia do turismo. 2 ed. São Paulo: Roca.

Chauí, M. (2017). Sobre a violencia. Autêntica Editora: Belo Horizonte.

De la Torre, M. I.; López, E. H. (2016). Turismo y violencia: los nuevos imaginarios del miedo. Revista de Ciencias Humanas y Sociales. 32(13). 203-227.

De la Torre, M.; Escobedo, D. N. (2013). Turismo, violencia y vulnerabilidad. Kairos: Revista de temas sociales. 17(31). 1-14.

De la Torre, M.; Escobedo, D. N. (2018). Turismo y narcotráfico en México. Estudios y Perspectivas en Turismo. 24(4). 867-882.

Henriques, E. B. (2003). A cidade, destino de turismo. Revista da Faculdade de Letras – Geografia. 1(19.). pp. 163-172.

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Natal (RN). Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/356/

Jaenisch, S. T. (2010). Entre cercas, muros e alarmes: sobre o medo da violência urbana e a criação de espaços segregados na cidade. Grupo de pesquisa identidade e território. II Simpósio Internacional Diálogos da Contemporaneidade. Lajedo, Rio Grande do Sul.

Jafari, J. (2005). El turismo como disciplina científica. Política y sociedad. 42(1). pp. 39-56.

Lindón, A. (2008). Violencia/miedo, espacialidades y ciudad. Casa del Tiempo. 1(4). pp. 8-14.

Lindón, A. (2008a). El imaginario suburbano: los sueños diurnos y la reproducción socioespacial de la ciudad. Iztapalapa, Revista de Ciencias Sociales y Humanidades. 64(65), pp. 39-62.

Lindón, A. (2009). La construcción socioespacial de la ciudad: el sujeto cuerpo y el sujeto sentimiento. Cuerpos, Emociones y Sociedad. 1(1), pp. 06-20.

Marcondes Filho, C. (1987). Violência política. Moderna: São Paulo.

Morais, R. (1990). O que é violência urbana. São Paulo: Brasiliense.

Ramos, S.; Paiva, A.; Nunes, P. (2017). Mídia e Violência: o que mudou em 10 anos. Rio de Janeiro: CESEC.

Rolnik, R. (1999). Exclusão territorial e violência. São Paulo em Perspectiva. 13(4). pp. 100-111.

Santana, A. (2009). Antropologia do turismo: analogias, encontros e relações. São Paulo: Aleph.

Santos, A. M. & Silva, A. (2020). Violência urbana e suas representações sociais. Brazilian Journal of Development. 6(7). pp. 47370-47384.

Swarbrooke, J. & Horner, S. (2002). O comportamento do consumidor no turismo. São Paulo: Aleph.

Tomé Machado, M. B. (2013). Turismo, medo e violência. Turismo e Sociedade. 6(1). 225-228.

United Kingdom. Office for National Statistics. (2017). Crime Survey for England and Wales Questionnaire (from April 2017). Kantar Public: London.

Vasques, A. R., Mendes, A. A. (2006). Refuncionalização de brownfields. In Gerardi, L. H. O., Carvalho, P. F. (Orgs). Geografia: ações e reflexões.

(pp. 247-261). Rio Claro: Ageteo.

Žižek, S. (2014). Violência. Boitempo Editorial: São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-727

Refbacks

  • There are currently no refbacks.