Estão os participantes de grupos de cessação do tabagismo prontos a parar de fumar? Estudo sobre avaliação do nível motivacional em serviço de saúde comunitária / Are the participants in smoking cessation groups ready to quit smoking? Study on assessment of motivational level in a community health service

Raphael Lacerda Barbosa, Brendha Silva Givisiez, Carmen Luiza Corrêa Fernandes, Patrícia Lichtenfels

Abstract


INTRODUÇÃO: O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde a principal causa de morte evitável do mundo. Este comportamento aditivo tem difícil tratamento, e um dos elementos que tem ganhado destaque na literatura é a motivação do indivíduo em parar de fumar. OBJETIVO: Avaliar o nível motivacional de participantes dos grupos de tabagismo do Serviço de Saúde Comunitária (SSC) do Grupo Hospitalar Conceição (GHC), Porto Alegre (RS). MÉTODOS: Estudo longitudinal com 81 tabagistas dos grupos de cessação do tabagismo do SSC durante os meses de março a agosto de 2019, com aplicação de Questionário Sociodemográfico e Sobre o Hábito de Fumar, Escore de Fagerstrom, Régua de Importância e Régua de Prontidão para Mudança. Ao final do quarto encontro, foram identificados os desfechos com relação a cessação do tabagismo e a relação com o nível motivacional. RESULTADOS: Do total de 81 indivíduos, 64,2% concluíram o programa de 04 encontros e, destes, 21 dos concluintes (40,4%) estavam abstinentes ao final do grupo, com taxa de sucesso geral de 25,9%. Com relação à prontidão para parar de fumar, 70,4% dos participantes indicaram nota 7 ou mais (alta motivação) na Régua de Prontidão para a Mudança, com nota média de 7,6. Houve diferença estatisticamente significante na média de prontidão para a mudança entre as categorias sucesso e fracasso ao final dos grupos, com valor de p de 0,029. DISCUSSÃO: A maior parte dos inscritos não participaram da primeira reunião, com abstenção de 61,3%. Das pessoas que compareceram, entretanto, a média de prontidão encontrada foi de 7,6, o que representa alto nível motivacional. A menor taxa de sucesso encontrada entre os indivíduos pouco motivados vai de encontro com a literatura, reforçando a relação da motivação com a taxa de cessação do tabagismo. CONCLUSÃO: O nível motivacional foi fortemente fator que contribuiu para o desfecho. A presença no primeiro encontro dos grupos parece funcionar como um filtro que seleciona os indivíduos com maior motivação para a abandonar o hábito de fumar.


Keywords


Motivação, Tabagismo, Atenção Primária à Saúde.

References


WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO report on the global tobacco epidemic, 2013: enforcing bans on tobacco advertising, promotion and sponsorship. Luxembourg, 2013.

HALTY LS, HÜTTNER MD, OLIVEIRA NIC, SANTOS VA, MARTINS G. Análise da utilização do Questionário de Tolerância de Fagerström (QTF) como instrumento de medida da dependência nicotínica. J. Pneumologia [Internet]. 2002 July; 28( 4 ): 180-186.

MENDES FL, SZKLO AS, PEREZ CA, CAVALCANTE TM, FONG GT. Perceived enforcement of anti-smoking laws in bars and restaurants of three Brazilian cities: data from the ITC-Brazil survey. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2017 ; 33( Suppl 3 ): e00140315.

NUNES SOV, CASTRO MRP. Tabagismo: Abordagem, prevenção e tratamento. 224 p. ISBN 978-85-7216-675-1. 2011. Londrina. Available from SciELO Books .

PROCHASKA JO, DICLEMENTE CC. Transtheoretical therapy: Toward a more integrative model of change. Psychotherapy: Theory, Research & Practice. 1982: 19(3), 276–288.

HEATHER N. Addictive disorders are essentially motivational problems. British Journal of Addiction. 1992; v. 87, p. 828-830.

MELO WV et al. A entrevista motivacional em tabagistas: uma revisão teórica. Rev. psiquiatria. Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2008; v. 30, n. 1.

MILLER WR. Motivation for treatment: a review with special emphasis on alcoholism in Psychological Bulletin. 1985; n. 98: p.84-107.

FIORE MC et al. Treating tobacco use and dependence: 2008 Update. Rockville: US Department of Health and Human Services. 2008 May.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Tabaco e saúde pulmonar: dia mundial sem tabaco: manual 2019. Rio de Janeiro: INCA, 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

PAWLINA MMC, RONDINA RC, ESPINOSA MM, BOTELHO C. Ansiedade e baixo nível motivacional associados ao fracasso na cessação do tabagismo. J. bras. psiquiatr. [Internet]. 2014; 63( 2 ): 113-120.

MENDES ACR et al. Custos do Programa de Tratamento do Tabagismo no Brasil. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2016; 50: 66.

SANTOS SR, GOLÇALVES MS, LEITÃO FFSF, JARDIM JR. Perfil dos fumantes que procuram um centro de cessação de tabagismo. J. bras. pneumol. [Internet]. 2008 Sep; 34( 9 ): 695-701.

REICHERT J et al. Smoking cessation guidelines - 2008. J. bras. pneumol. [Internet]. 2008 Oct ; 34( 10 ): 845-880.

DANAN ER et al. Does Motivation Matter? Analysis of a Randomized Trial of Proactive Outreach to VA Smokers. J Gen Intern Med 2016; 31:878.

SANTOS JDP, SILVEIRA DV, OLIVEIRA DF, CAIAFFA WT. Instrumentos para avaliação do tabagismo: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2011 Dec; 16( 12 ): 4707-4720.

MILLER WR, ROLLNICK S. Ten Things that Motivational Interviewing Is Not. Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 37, p. 129-140. 2009.

HESSE M. “The Readiness Ruler as a measure of readiness to change poly-drug use in drug abusers.” Harm reduction journal vol. 33. 25 Jan. 2006, doi:10.1186/1477-7517-3-3.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Grupo Hospitalar Conceição. Hospital Nossa Senhora da Conceição. Gerência de Saúde Comunitária. Serviço de Saúde Comunitária. Indicadores de Saúde do SSC informativo mensal. Apoio técnico em monitoramento e avaliação , v. 13 (9). Set. 2018.

KOCK KS, ARANTES MWB, SANTOS CC, CASTELINI SS. Efetividade do programa de controle ao tabagismo em uma cidade do sul do Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 12, n. 39, p. 1-10, 28 fev. 2018.

AZEVEDO RCS et al. Grupo terapêutico para tabagistas: resultados após seguimento de dois anos. Rev. Assoc. Med. Bras. [Internet]. 2009; 55( 5 ): 593-596.

MESQUISA AA. Avaliação de um programa de tratamento do tabagismo. Rev. bras. ter. comport. cogn. [Internet]. 2013 Ago; 15( 2 ): 35-44.

SALES MPU, FIGUEIREDO MRF, OLIVEIRA MI, CASTRO HN. Ambulatório de apoio ao tabagista no Ceará: perfil dos pacientes e fatores associados ao sucesso terapêutico. J. bras. pneumol. [Internet]. 2006 Oct; 32( 5 ): 410-417.

MEIER DAP, VANNUCHI MTO, SECCO IAO. Abandono do tratamento do tabagismo em programa de município do norte do Paraná. Revista Espaço para Saúde. 2011; 13(1),35-44.

FERGUSON JA et al. Predictors of 6-month tobacco abstinence among 1224 cigarette smokers treated for nicotine dependence. Addict Behav. 2003;28:1203-18.

DIAS-DAMÉ JL, CESAR JA, SILVA SM. Tendência temporal de tabagismo em população urbana: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2011 Nov; 27( 11 ): 2166-2174.

SANTOS SS, ARAÚJO LJC, JOAZEIRO EMG. Desigualdade social, formação profissional e trabalho coletivo da e na saúde: dilemas da atualidade. Brazilian Journal of Development. 2019 Fev; 5 (2): 1315-1325.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-701

Refbacks

  • There are currently no refbacks.