Concepções de professores e alunos de química da E.E.E.F.M. São Sebastião diante das tecnologias digitais/E.E.E.F.M. chemistry teachers and students' conceptions Are Sebastian in face of digital technologies

Suzany Marcelino de Toledo, José Raul da Silva Domingos, Lucas Evangelista Fernandes Virginio, Rayane Macedo Freitas, Kaline Sulino Pereira, Elaine Ferreira dos Santos, Karen Esttéfani Ferreira dos Santos, Rochane Villarim de Almeida

Abstract


As Tecnologias Digitais - TDs tem contribuído bastante para o desenvolvimento dos alunos em sala de aula, visto que, é uma ferramenta que está cada vez mais presente no cotidiano dos alunos. Nesse contexto, vivenciamos a realidade de aulas diferenciadas com explanação de conteúdos através dos recursos tecnológicos como smartphones, computadores, data show, juntamente com a utilização de jogos e softwares que tornam o ensino de química mais prazeroso. Para tanto é importante que os professores em conjunto com gestores estejam preparados para aprimorar tais práticas educacionais para um melhor aprendizado do discente. Assim, através da experiência vivenciada como estagiários, foi possível perceber as dificuldades dos professores frente às dificuldades de utilização das TDs. Este trabalho tem como objetivo entender o que pensam os alunos e professores em relação às tecnologias, assim como entender as concepções prévias que os estudantes têm acerca do tema com o propósito de identificar e buscar soluções para enfrentar a inclusão dos estudantes e dos professores no mundo digital. Com esta finalidade, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e de campo mediante a coleta e análise de dados obtidos através da aplicação de questionários. Assim, esse estudo mostra-se relevante à medida que traz uma reflexão sobre a importância da inclusão tecnológica em sala de aula, de forma a promover mudanças na metodologia de ensino, de aprender e enxergar a importância que essas trazem para a aprendizagem da nova geração.


Keywords


Ensino de Química, Tecnologia Digital, Recurso metodológico.

References


ALMEIDA, M. E. Informática e formação de professores. Brasília: MEC/ Secretaria de Educação à Distância – 2000.

ALVES, O. L. Por que química nova na escola? Química Nova na Escola. São Paulo, n 2, p.74- 77, 1999.

ANTONUTTI, C. Mídia e produção audiovisual uma introdução. Curitiba. Ed. IBPEX.2011.

DAL-FARRA, R. A.; LOPES, P. T. C. Métodos mistos de pesquisa em educação:

Pressupostos teóricos. Revista Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente - SP, v.24, n.3, p. 67, 2013.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Ed. Editora Atlas S.A São Paulo, 2008.

GIRAFFA, L.M. M. Jornada nas Escol@s: A nova geração de professores e alunos. Tecnologias, sociedade e conhecimento - vol. 1, n. 1, nov./2013 - UNICAMP/SP.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 8 ed. Campinas, SP: Papirus, 2011.

_______, Novas tecnologias. O redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. ANPEd, Caxambu, 1997. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n08a06.pdf. Acessado em 01.06.2019.

MALDANER, Otavio A.; ZANON, Lenir B.; Fundamentos e Propostas de Ensino de Química para a Educação Básica no Brasil. 1 ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2007.

MORAN, José Manuel et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas: Papirus, 2000.

VALENTE, J. A. Formação de educadores para o uso da informática na escola. Pedro Ferreira de Andrade, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-683

Refbacks

  • There are currently no refbacks.