Prevenção de lesão por pressão em idosos com imobilidade no domicílio/Prevention of pressure injury in elderly house hold imobility

Wallison Pereira dos Santos, Fernanda Beatriz Dantas de Freitas, Bianka Nóbrega Fernandes, Valéria Kelly da Silva Santos, Adriana Montenegro de Albuquerque, Bernadete de Lourdes André Gouveia, Isolda Maria Barros Torquato, Francisco de Assis Coutinho Pontes Júnior

Abstract


Mensurar o risco de desenvolvimento de lesão por pressão em idosos com imobilidade e averiguar possíveis medidas de prevenção. Estudo transversal, descritivo de abordagem quantitativa. Amostra de 50 idosos avaliados utilizando a escala de Braden e, posteriormente, foi investigado ocorrência de medidas de prevenção. Os dados foram processados pelo software interface “R”, através dos testes estatísticos Mann-Whitney e pelo método hierárquico de ligação média. Identificou-se forte influência da variável idade e escolaridade relacionadas as medidas de prevenção. Quanto ao risco de desenvolvimento de lesão por pressão os idosos se enquadram na categoria “Risco Alto”. Observou-se a utilização de lençóis limpos e livres de resíduos 49 (98%) e o uso de travesseiros, almofadas e similares 45 (90%). Os idosos apresentam alto risco para o desenvolvimento de lesão por pressão e as medidas preventivas são comprovadas como efetivas para evitar tal comorbidade.


Keywords


Prevenção, Lesão por pressão, Enfermagem, Idoso, Imobilidade.

References


Simão CMF, Caliri MHL, Santos CB. Concordância entre enfermeiros quanto ao risco dos pacientes para úlcera por pressão. Acta Paul Enferm. 2013;26(1): 1-25. Disponible en: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000100006

Organização Mundial da Saúde. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Genebra (Suíça): 2015.Disponible em: https://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf

Flores LPO. O envelhecimento da população brasileira. Rev Redeca. 2015; 2(1): 1-15. Disponible en: https://revistas.pucsp.br/index.php/redeca/article/view/27901/19658

Moro JV, Caliri MHL. Úlcera por pressão após a alta hospitalar e o cuidado em domicílio. Esc Anna Nery. 2016; 20(3): 1-6. Disponible en: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160058.

Furieri FPM, Uessugui HM, Oliveira RR, Fagundes DS. Atuação fisioterapêutica na úlcera por pressão: uma revisão. Rev Faema. 2015; 6(1): 1-12. Disponible en: http://www.faema.edu.br/revistas/index.php/Revista-FAEMA/article/view/294/385

National Pressure Ulcer Advisory Panel, European Pressure Ulcer Advisory Panel and Pan Pacific Pressure Injury Alliance. Prevention and Treatment of Pressure Ulcers: Quick Reference Guide. Emily Haesler (Ed.). Cambridge Media: Osborne Park, Australia; 2016. Disponible en: http://sociedadeferidas.pt/documentos/Prevencao_e_Tratamento_de_Ulceras_Por_Pressao-Guia_de_Referencia_Rapido.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Atenção Domiciliar no Âmbito do SUS Programa Melhor em Casa. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013. Disponible en: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_melhor_em_casa.php

Duarte YAO, Berzins MAVS, Giacomin KC. Política Nacional do Idoso: as lacunas da lei a questão dos cuidadores. In: Alcântara AO, Camarano AA, Giacomin KC. Política Nacional do Idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: IPEA; 2016. 457-478. Disponible en: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9135/1/Pol%C3%ADtica%20nacional%20do%20idoso.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [serial on line]. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. Disponible en: http://www.ibge.gov.br

Weed DL. Weight of Evidence: a review of concepts and methods. Risk Analysis, 25(6), 2005.

Nunes DP. Elderly and caregiver demand: proposal for a care need classifi cátion. Rev Bras Enferm. 2018;71(2): 1-7. Disponible en: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0123

Vieira VAS, Santos MDC, Almeida NA, Souza CC, Bernardes MFVG, Mata LRF. Risck of pressure injury in elderly individuals with compromisse in daily activities. Rev Enferm do Centro-Oeste Mineiro. 2018; 8(1):1-8. Disponible en: http://dx.doi.org/10.19175.

Hair JF. Análise Multivariada de Dados. 5ª Ed. Bookman. 2005.

Willig MH, Lenardt MH, Caldas CP. Longevity according to life histories of oldest-old. Rev Bras Enfer. 2015; 68(4): 1-7. Disponible en: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680418i

Fuhrmann AC, Bierhals CCBK, Santos NO, Paskulin LMG. Association between the functional capacity of dependant elderly people and the birden of family caregivers. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(1): 1-6. Disponible en: http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2015.01.49163

Almeida AV et al. A Feminização da Velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Rev Text Context. 2015;14(1): 1-16. Disponible em: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2015.1.19830

Confortin SC, Antes DL, Pessini J, Schneider IJC, Orsi E, Barbosa AR. Comparison of sociodemographic profile and health conditions of elderly residents in predominantly rural and urban áreas of the Greater Florianópolis, southern Brazil. Cad Saúde Colet. 2016; 24(3): 1-8. Disponible en: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201600030034

Soares CES, Biagolini REM, Bertolozzi MR. Atribuições do enfermeiro na unidade básica de saúde: percepções e expectativas dos auxiliares de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(4):1-7. Disponible en: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420130000400020

Ferreira OGL. O envelhecimento ativo sob o olhar de idosos funcionalmente independentes. Rev Esc Enferm USP. 2014; 44(4): 1-4. Disponible em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/30.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. Anvisa-Fiocruz. 2013. Disponible en: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/ulcera-por-pressao

Sousa CR, Silva WF, Bezerra SMG, Silva BT, Damacena DEL, Silva JS. Evaluation of the incidence and prevalence of pressure injury in a hospital urgency. Rev Uningá. 2017; 31(1): 1-4. Disponible em: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/2044/1636




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-671

Refbacks

  • There are currently no refbacks.