Caracterização de perfil e evolução de crianças em terapia fonoaudiológica no Sistema Único de Saúde (SUS) / Profile characterization and evolution of children undergoing speech therapy in the Unified Health System (SUS)

Hélen Bergmann Gomes, Jaíne Follmer Schrer, Luciana Grolli Ardenghi

Abstract


Objetivo: realizar um levantamento sobre as vivências e as dificuldades que os pacientes nos atendem no Sistema Único de Saúde (SUS), bem como a percepção da família em relação à atuação fonoaudiológica. Métodos: o estudo é a metodologia descritiva, com abordagem qualitativa e quantitativa, encontrada por uma amostra de crianças, de ambos os sexos, realizada nas Unidades de Saúde dos Municípios de Ibirapuitã, Mormaço e Tio Hugo, localizado no Estado do Rio Grande do Sul . Os critérios de seleção foram estar em terapia fonoaudiológica, e o público alvo entre 0 a 14 anos de idade, foi feita a coleta das informações, utilizando-se um roteiro com o intuito de permitir o diálogo com os pais, a entrevista uma conversa aberta. Resultados: Diante dos 25 elegíveis para o estudo, 22 foram entrevistados, sendo que 3 foram excluídos por não conseguir contato telefônico. Observou-se a predominância do sexo masculino (72,7%), faixa etária de 10 anos (86,4%), Hipótese Diagnóstica predominante de linguagem oral (86,5%), encaminhamentos por profissionais professor (45,4%) , e mãe informante (95,5%), maior resultado foi de não haver fila de espera (54,5%), e tempo de terapia mais de 36 meses (36,3%). Bem como na categorização dos dados qualitativos foi falado sobre dificuldades, reconhecimento, experiências e sugestão. Conclusão: Diante do exposto, acredita-se que os resultados desta pesquisa irá auxiliar no planejamento de ações, colaborando para uma oferta organizada dos serviços do Sistema Único de Saúde, e que sirva de referência para outros estudos. Observou-se a predominância do sexo masculino (72,7%), faixa etária de 10 anos (86,4%), Hipótese Diagnóstica predominante de linguagem oral (86,5%), encaminhamentos por profissionais professor (45,4%) , e mãe informante (95,5%), maior resultado foi de não haver fila de espera (54,5%), e tempo de terapia mais de 36 meses (36,3%). Bem como na categorização dos dados qualitativos foi falado sobre dificuldades, reconhecimento, experiências e sugestão. Conclusão: Diante do exposto, acredita-se que os resultados desta pesquisa irá auxiliar no planejamento de ações, colaborando para uma oferta organizada dos serviços do Sistema Único de Saúde, e que sirva de referência para outros estudos. Observou-se a predominância do sexo masculino (72,7%), faixa etária de 10 anos (86,4%), Hipótese Diagnóstica predominante de linguagem oral (86,5%), encaminhamentos por profissionais professor (45,4%) , e mãe informante (95,5%), maior resultado foi de não haver fila de espera (54,5%), e tempo de terapia mais de 36 meses (36,3%). Bem como na categorização dos dados qualitativos foi falado sobre dificuldades, reconhecimento, experiências e sugestão. Conclusão: Diante do exposto, acredita-se que os resultados desta pesquisa irá auxiliar no planejamento de ações, colaborando para uma oferta organizada dos serviços do Sistema Único de Saúde, e que sirva de referência para outros estudos. encaminhamentos por profissionais professor (45,4%), e informante mãe (95,5%), maior resultado foi de não haver fila de espera (54,5%), e tempo de terapia mais de 36 meses (36,3% ) Bem como na categorização dos dados qualitativos foi falado sobre dificuldades, reconhecimento, experiências e sugestão. Conclusão: Diante do exposto, acredita-se que os resultados desta pesquisa irá auxiliar no planejamento de ações, colaborando para uma oferta organizada dos serviços do Sistema Único de Saúde, e que sirva de referência para outros estudos. encaminhamentos por profissionais professor (45,4%), e informante mãe (95,5%), maior resultado foi de não haver fila de espera (54,5%), e tempo de terapia mais de 36 meses (36,3% ) Bem como na categorização dos dados qualitativos foi falado sobre dificuldades, reconhecimento, experiências e sugestão. Conclusão: Diante do exposto, acredita-se que os resultados desta pesquisa irá auxiliar no planejamento de ações, colaborando para uma oferta organizada dos serviços do Sistema Único de Saúde, e que sirva de referência para outros estudos.


Keywords


Fonoaudiologia, pais, família, terapia.

References


Garbin W. O sistema de saúde no Brasil. In: Vieira RM. Fonoaudiologia e saúde pública. 2. ed. Carapicuíba: Pró-fono; 2000. p. 23-43.

MOREIRA, M. D.; MOTA, H. B. Os caminhos da fonoaudiologia no Sistema Único de Saúde - SUS. Revista CEFAC, v. 11, p. 516 –521, jul.-set. 2009.

Guia Prático de Consulta Rápida da CID10 pelo Fonoaudiólogo. [maio, 2007. Acesso em 2020 Maio] Disponível em: http://www.fonoaudiologia.org.br/publicações/pubmanual1pdf.maio/2007

Befi-Lopes DM. A inserção da fonoaudiologia na atenção primária à saúde. In: Befi-Lopes DM. Fonoaudiologia na atenção primária à saúde. 1. ed. São Paulo: Lovise; 1997. p. 15-35.

Perdigão JCA, Lemos SMA. Produção científica em Saúde Publica: análise retrospectiva dos anais dos Congressos Brasileiros de Fonoaudiologia. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 4 a 7 de outubro de 2006. RevSocBrasFonoaudiol– Suplemento Especial. Salvador, BA, 2006.[CD-ROM].

Penteado RZ, Servilha AME. Fonoaudiologia em saúde pública/coletiva: compreendendo prevenção e o paradigma da promoção da saúde. Distúrb Comun. 2004;16(1):107-16.

16. Gonçalves CGO, Lacerda CBF, Perotino S, Mugnaine AMM. Demanda pelos serviços de fonoaudiologia no município de Piracicaba: estudo comparativo entra a clínica escola e o atendimento na prefeitura municipal. Pró-Fono. 2000; 12:61-6.

Goulart BNG, Chiari BM. Prevalência de desordens de fala em escolares e fatores associados. Rev Saúde Pública. 2007; 41(5):726-31.

Leonelli BS, Fedosse E, Silva RC, Chun RYS, Marin CR. Fonoaudiologia comunitária da UNIMEP: ações fonoaudiológicas em serviços de saúde/ educação. Saúde em Revista. 2003; 5(11):57-63.

Isotani SM, Azevedo MF, Chiari BM, Perissinoto J. Linguagem expressiva de crianças nascidas pré-termo e termo aos dois anos de idade. Pró-Fono. 2009;21(2):155-60.

Costa RG, Souza LBRS. Perfil dos usuários e da demanda pelo serviço da clínica-escola de fonoaudiologia da UFBA. Rev Ci Méd Biol.2009 jan/abr; 8(1):53-9.

Gonçalves CGO, Lacerda CBF, Perotino S, Mugnaine AMM. Demanda pelos serviços de Fonoaudiologia no Município de Piracicaba:estudo comparativo entre a clínica-escola e o atendimento na prefeitura municipal. Rev Pró-Fono. 2000 set; 12(2):61-6.

Corrêa CC, Arakawa AM, Maximino LP. Speech, language and hearing teachiling-clinic: waiting list management. Rev. CEFAC. 2016;18(5):1222-9.

Castro EM. A fonoaudiologia e o cotidiano na saúde pública. [homepage na internet]. Fonoaudiologia.com; 2001. [acesso em 19 de setembro de 2020] Disponível em: URL: http://www.fonoaudiologia.com/trabalhos/artigos/artigo-034.htm.

Wiethan FM, Souza APR, Klinger EF. Abordagem terapêutica grupal com mães de crianças portadoras de distúrbios da linguagem. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010;15(3):442-51.

Addud GAC, Santos TCES. A família na clínica fonoaudiológica e psicopedagógica: uma valiosa parceria. Rev. Psicologia: Teoria e Prática. 2002:4(2):41-48.

Barros PMD, Oliveira PN. Perfil dos pacientes atendidos no setor de fonoaudiologia de um serviço público de Recife – PE. Rev. CEFAC. 2010;Jan-Fev;12(1):128-133.

Souza RPF, Cunha DA, Silva HJ. Fonoaudiologia: a inserção da área de linguagem no sistema único de saúde (SUS). Rev. CEFAC. 2005; 7(4):426-32.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-620

Refbacks

  • There are currently no refbacks.