Etnoclassificação botânica por especialistas de saberes tradicionais do agreste sergipano, Brasil / Botanical ethnoclassification by traditional specialists from rough Sergipe, Brazil

Juliano Silva Lima, Paulo Sérgio Maroti, Laura Jane Gomes

Abstract


Diversas comunidades humanas tradicionais usam a etnoclassificação como forma de identificar e categorizar os recursos naturais utilizados pelos moradores locais. Esse estudo teve como objetivo compreender os critérios de classificação etnobotânica utilizados pelos detentores de saberes tradicionais do agreste do estado de Sergipe, Brasil. O trabalho de campo foi realizado com especialistas populares de quatro comunidades rurais localizadas no entorno ao Parque Nacional Serra de Itabaiana (PARNASI), mediante o uso de entrevistas semiestruturadas e coleta botânica por turnês-guiadas com informações disponibilizadas pelos entrevistados a partir do acúmulo de informações empíricas dos recursos vegetais. Foram registrados 160 genéricos folk distribuídas em 149 monotípicos e 11 politípicos categorizados por meio de aspectos morfológicos e utilitários dos recursos vegetais. Os resultados apontam para riqueza de formas de identificação e sofisticação do conhecimento botânico dos especialistas locais. Com base nos resultados, percebe-­se que o sistema de classificação etnobotânico adotado nas comunidades rurais pesquisadas  reflete os saberes relacionados a aspectos biológicos e ecológicos da flora local, constituindo uma importante fonte de informação que deve ser considerado nas estratégias de recuperação e manejo dos recursos naturais.


Keywords


recursos florísticos, etnotaxonomia, comunidades rurais.

References


ABREU, D. B. de O.; FILHO, R.B. de O.; NETO, C. F. A. de V.; LUCENA, C. M.; FELIX, L. P.; LUCENA, R. F. P. Classificação etnobotânica por uma comunidade rural em um brejo de altitude no Nordeste do Brasil. BIOFAR - Revista de Biologia e Farmácia. Paraíba: v. 6, n. 1, p.55-74, 2011.

AGNARSSON, I.; KUNTNER, M., Taxonomy in a changing world: seeking solutions for a science in crisis. Systematic Biology 56 (3), 531–539, 2007.

ALBUQUERQUE, U.P; RAMOS, M.A.; LUCENA, R.F.P.; ALENCAR, N.L. Methods and Techniques Used to Collect Ethnobiological Data. In: ALBUQUERQUE, U.P.; CUNHA, L.V.F.C.; LUCENA, R.F.P.; ALVES, R.R.N. (eds.). Methods and Techniques in Ethnobiology and Ethnoecology. Springer: New York e Heidelberg Dordrecht: London, 2014, p.15-38.

ALBUQUERQUE, U.P; SOLDATI, G.T.; RAMOS, M.A.; MELO, J.G.; MEDEIROS, P. M.; NASCIMENTO, A.L.B.; FERREIRA JÚNIOR, W. S. Pode o ambiente influenciar as nossas escolhas sobre o uso de recursos naturais? Evidências da aparência. In: ALBUQUERQUE, U.P. (eds.). Etnobiologia. Bases ecológicas e evolutivas. NUPPEA: Recife, 2013, p.101-126.

AMORIM D.S. Elementos Básicos de Sistemática Filogenética. Ribeirão Preto: Holos, 1997. 276 p.

BEAUDREAU, A.H.; LEVIN, P.S.; NORMAN, K.C. Using folk taxonomies to understand stakeholder perceptions for species conservation for species conservation.

Conservation Letters, v.4, p.451–463, 2011.

BERLIN, B. Ethnobiological Classification: Principles of categorization of plants and animals in traditional societies. Princeton University Press: USA, 1992. 335 p.

COSTA NETO, E. M. Análise semântica dos nomes comuns atribuídos às espécies de Passiflora (Passifloraceae) no Estado da Bahia, Brasil. Neotropical Biology and Conservation, v.3, n.2, p.86-94, 2008.

COUTO, H. H. Ecolingüística. Estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus Editora, 2007. 462 p.

DALY, D.C. Systematics and ethnobotany: what’s in a name? In: FONSECA; V.S.; SILVA, I.M.; SÁ, C.F.C. (eds.). Etnobotânica: bases para conservação. Seropédia, EDUR, 1998, p. 50-68.

GOODMAN, L. A. Snowball Sampling. Annals of Mathematical Statistics, Bethesda, v. 32, p. 148-¬170, 1961.

HANAZAKI, N.; SOUZA, V.C.; RODRIGUES, R.R. Ethnobotany of rural people from the boundaries of Carlos Botelho State Park, São Paulo State, Brazil. Acta Botânica Brasilica, v.20, n.4, p. 899-999, 2006.

HAVERROTH, M. Etnobotânica, uso e classificação dos vegetais pelos Kaingang. Séries de Estudos e Debates. v. 3. Recife: NUPEEA, 2007. 107 p.

HOLMAN, E.W. Domain-specific and general properties of folk classifications. Journal of Ethnobiology. v.25, p. 71-91, 2005.

HUNN, E; FRENCH, D. Alternatives to Taxonomic Hierarchy: The Sahaptin Case. J. Ethnobiology. v.3, p.73-92, 1984.

KAKUDIDI, E. K. Folk plants classification by cammunities around Kibale National Park, Western Uganda. African Journal of Ecology, v. 42, n. 1, p. 57-63, 2004.

LÉVI-STRAUSS, C. O Pensamento Selvagem. 2ed. Campinas: Papiros, 1997. 323 p.

LIMA, J.S.; GOMES, L. J. Conhecendo a flora místico-farmacológica do agreste sergipano. In: OLIVEIRA, D. M.; RABBANI, A. R. C.; GOMES, L. J.; SILVA-MANN, R. (eds.). Usos, percepções, instrumentos de gestão e sustentabilidade da flora do estado de Sergipe. São Cristóvão: Ed. UFS, 2014. p. 127-173.

LIMA, J.S.; MAROTI, P. S.; NASCIMENTO JÚNIOR, J. E.; GOMES, L. J. Distúrbios crônicos humanos em fragmentos de mata atlântica no nordeste do Brasil. Brazilian Journal of Ecology. v.1, p. 14-31, 2018.

LIMA, J.S.; MAROTI, P.S.; SILVA-MANN, R.; GOMES, L. J. Ethnobotanical survey of wild food plants by rural communities surrounding the PARNASI, Sergipe, Brazil. Bioremediation, Biodiversity and Bioavailabily. v.5, n.1, p. 44-52, 2011a.

LIMA, J.S.; OLIVEIRA, D. M.; NASCIMENTO JÚNIOR, J. E.; SILVA-MANN, R.; GOMES, L. J. Saberes e uso da flora madeireira por especialistas populares do agreste de Sergipe. Sitientibus série Ciências Biológicas, v. 11, n.2, p. 239-253, 2011b.

MAGALHÃES, H. F.; COSTA NETO, E. M.; SCHIAVETTI, A. Classificação etnobiológica de crustáceos (decapoda: brachyura) por pescadores artesanais do município de conde, litoral norte do estado da Bahia, Brasil. Ethnoscientia. v.1, n.1, p. 1-13, 2016.

MOURÃO, J.S.; ARAÚJO, H.F.P.; ALMEIDA, F.S. Ethnotaxonomy of mastofauna as practised by hunters of the municipality of Paulista, state of Paraíba – Brasil. Jornal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v.2, n.19, p.1-7, 2006.

MOURÃO, J.S.; BARBOSA FILHO, M. L. V. Ethnotaxomy as a methodological tool

for studies of the ichthyofauna and its conservation implications: A Review. In: ALVES, R. R. N.; ALBUQUERQUE, U. P. Ethnozoology: Animals In Our Lives. Cambridge: Academic Press, 2018. p. 71-93

MOURÃO, J.S.; NORDI, N. Principais critérios utilizados por pescadores artesanais na taxonomia Folk dos peixes do Estuário do Rio Mamanguape, Paraíba – Brasil. Interciência,v.27, n.11, p.1-6, 2002.

MOURÃO, J.S.; MONTENEGRO, S.C.S. (eds). Pescadores e Peixes: o conhecimento local e o uso da taxonomia folk baseado no modelo berlineano. Série Estudos e Debates. v. 2. Recife: NUPEEA, 2006.

PINTO, M.F.; MOURÃO, J.S.; ALVES, R.R. How do artisanal fishermen name Fish? An ethnotaxonomic study in northeastern Brazil. Journal of Ethnobiology, v.36, p.348–381, 2016.

SAMBATTI, J.B.M.; MARTINS, P.S.; ANDO, A. Folk taxonomy and evolutionary dynamics of cassava: a case study in Ubatuba, Brazil. Economic Botany, v. 55, n. 1, p. 93-105, 2001.

SILVA, E. R.; FISCHER, L. G.; MINCARONE, M. M. O saber dos pescadores artesanais de Macaé (RJ): subsídios para a conservação e manejo dos recursos

pesqueiros marinhos. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 11, n.2, p.59-77, 2017.

SOUZA, S.P.; BEGOSSI, A.. Whales, dolphins or fishes? The etnotaxonomy of cetaceans in São Sebastião, Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v.3, n.9, p.1-15, 2007.

SPRADLEY, J.P.; MCCURDY, D.W. The cultural experience: ethnography in complex society. Tennessee: Kingsport Press of Kingsport, 1972. 200 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-612

Refbacks

  • There are currently no refbacks.