Perfil epidemiológico dos casos de intoxicação por plantas medicinais no Brasil de 2012 a 2016 / Epidemiological profile of cases of intoxication by medicinal plants in Brazil from 2012 to 2016

João Paulo da Silva Teixeira, Ana Paula Vieira Macedo, Gustavo da Silva Cândido, Joanny Karenn Alves Magalhães, Micaella Werica da Silva, Hemylly Mycaelly Leandro Nunes, Vaniely Sobreira de Lima, Gabriela Cavalcante da Silva

Abstract


Introdução: Devido seu uso continuo a organização das nações unidas decretou o uso das plantas em diversas formas farmacêuticas como via alternativa para tratamentos e prevenção de doenças, desde que comprovadas cientificamente. Os fitoterápicos são fontes de inovação em saúde permitindo a integralidade do sistema único de saúde. Porém a população pode apresentar reações desagradáveis ou mesmo intoxicação decorrente da prática inadequada da fitoterapia. Objetivos: Levantamento epidemiológico dos casos de intoxicação por plantas no Brasil e correlação com estratégias na atenção básica. Metodologia: Estudo do tipo levantamento epidemiológico, de abordagem quantitativa fundamentada, teoricamente, nas publicações referentes ao tema, entre o período de 2015 a 2020 e levantamento de dados de intoxicação por plantas medicinais no Brasil, referentes aos períodos de 2012 a 2016, disponíveis no SINITOX. Resultados: O uso de plantas no Brasil é elevado e de acordo com a cultura da população sua ingesta acaba sendo feita de forma irracional. Dados do Sinitox evidenciam que em 2012 de 100% dos casos de intoxicação por plantas no Brasil, 81,41% foram em zona urbana e que em 2016 ocorreram 68,10%, que apesar da incidência dos casos diminuírem, ainda estão altos. Já em relação as tentativas de suicídio em 2012, constaram em 1,44% dos casos notificados e em 2016 os casos subiram para 2,40%. Evidencia-se que devido a constante transformação urbana e como forma de alívio da dor mental, as pessoas estão buscando o uso irracional das plantas como resolução dos seus problemas. Conclusão: O enfermeiro pode auxiliar na orientação do uso racional de plantas, potencializando promoção de saúde e prevenção de doenças, bem como diminuindo os casos de agravos à saúde derivados do mal uso de espécies vegetais.


Keywords


Plantas medicinais, Intoxicação, Medicamento, Fitoterapia, Sistema de informação em saúde.

References


CAMPOS, S. C. et al. Toxicidade de espécies vegetais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 18, n. 1, p. 373-382, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-05722016000500373&script=sci_arttext. Acesso em 11 de maio de 2020.

ALENCAR, B. R. et al. Conhecimento dos agentes comunitários de saúde de um município baiano sobre plantas medicinais. Revista Eletrônica de Extensão, v. 16, n. 34, p. 66-84, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2019v16n34p66. Acesso em 08 de junho de 2020.

ALMEIDA, A.; CARAMONA, M. Papel do farmacêutico na deteção/informação das interações entre plantas e medicamentos. Revista Acta Farmacêutica Portuguesa, v. 8, n. 2, p. 82-90, 2019. Disponível em: http://actafarmaceuticaportuguesa.com/index.php/afp/article/view/194. Acesso em 01 de maio de 2020.

ALMEIDA, M. C.; LOPES, M. B. L. Atuação do enfermeiro na atenção básica de saúde. Revista de Saúde Dom Alberto, v. 3, n. 1, p. 169-186, 2019. Disponível em: http://revista.domalberto.edu.br/index.php/revistadesaudedomalberto/article/view/420. Acesso em 22 de maio de 2020.

CARNEIRO, A. L. C.; COMARELLA, L. Principais interações entre plantas medicinais e medicamentos. Revista Saúde e Desenvolvimento, v. 9, n. 5, p. 4-19, 2016. Disponível em http://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/491. Acesso em 12 de abril de 2020.

COELHO, A. P. et al. Perfil epidemiológico das intoxicações por plantas tóxicas no estado do Mato Grosso entre os anos de 2008 a 2017. Caderno de Publicações Univag, n. 09, p. 23-28, 2018. Disponível em: http://periodicos.univag.com.br/index.php/caderno/article/download/1207/1384. Acesso em 27 de julho de 2020.

SILVA, M. C. P. et al. A importância do farmacêutico frente ao uso de fitoterápicos no tratamento da obesidade. Mostra Científica da Farmácia, v. 6, n. 1, p. 1, 2019. Disponível em: http://publicacoesacademicas.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/mostracientificafarmacia/article/view/3517. Acesso em 11 de maio de 2020.

LIMA, M. J. O que é enfermagem. Brasiliense, 3° Edição, p. 22, 2017. Acesso em 23 de agosto de 2020.

ESSENCIAIS, M. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME, Ministério da Saúde, 5° Edição, p.15-18, 2020. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/263375148_Relacao_municipal_de_medicamentos_essenciais_semelhancas_e_diferencas. Acesso em 18 de abril de 2020.

FARAH, G. J. et al. Assessment of Valeriana officinalis l.(Valerian) for Conscious Sedation of Patients During the Extraction of Impacted Mandibular Third Molars: A Randomized, Split-Mouth, Double-Blind, Crossover Study. Journal of Oral and Maxillofacial Surgery, v. 77, n. 9, p. 1796, 2019. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278239119304677. Acesso em 11 de maio de 2020.

LEE, W. Y. et al. The Methodological Trends of Traditional Herbal Medicine Employing Network Pharmacology. Biomolecules, v. 9, n. 8, p. 362, 2019. Disponível em: https://www.mdpi.com/2218-273X/9/8/362. Acesso em 18 de agosto de 2020.

LUZ, F. R. Avaliação do Risco de Interações de plantas medicinais com medicamentos na atenção primária à saúde. Universidade Federal do Paraná. p. 01-104, 2018. Disponível em: https://www.acervodigital.ufpr.br/handle/1884/56461. Acesso em 18 de agosto de 2020.

MACIEL, J. M. M. P. et al. Análise retrospectiva das intoxicações por plantas no brasil no período de 2000-2015. Revista Revinter, v. 11, n. 03, p. 74-86, 2018. Disponível em: http://autores.revistarevinter.com.br/index.php?journal=toxicologia&page=article&op=view&path%5B%5D=377. Acesso em 11 de maio de 2020.

MARTINS, E. R. C. et al. Vulnerabilidade de homens jovens e suas necessidades de saúde. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 01-07, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-81452020000100221&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 18 de abril de 2020.

NUNES, J. D. et al. A importância da informação do profissional de enfermagem sobre o cuidado no uso das plantas medicinais: uma revisão de literatura. Revista Fitos, v.10, n. 4, p. 518-525, 2017. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/19267. Acesso em 01 de junho de 2020.

OLIVEIRA, V. B.; MEZZOMO, T. R.; MORAES, E. F. Conhecimento e uso de plantas medicinais por usuários de unidades básicas de saúde na região de Colombo, PR. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 22, n. 1, p. 57-64, 2018. Acesso em: 18 de junho de 2020.

PINHEIRO, J. A. S. et al. Hepatotoxicidade de plantas medicinais e produtos herbais. Referências em Saúde da Faculdade Estácio de Sá de Goiás-RRS-FESGO, v. 3, n. 1, p. 132-137, 2020. Disponível em: http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/rrsfesgo/article/view/8094. Acesso em 07 de agosto de 2020.

RAMOS, E. S.; OLIVEIRA R. J. H.; DAMASCENA, R. S. Avaliação do uso de Plantas Medicinais para o tratamento de Hipertensão Arterial Sistêmica entre os usuários de uma Unidade Básica de Saúde. Revista de psicologia, v. 13, n. 48, p. 651-661, 2019. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/2265. Acesso em 01 de junho de 2020.

RIBOLDI, L. S.; RIGO, M. P. M. Análise do uso de plantas medicinais e medicamentos em habitantes do município de capitão/RS. Revista Destaques Acadêmicos, v. 11, n. 3, p. 100-118, 2019. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/2229. Acesso em 15 de setembro de 2020.

SANTOS, E. M. et al. Perfil dos casos de intoxicação por plantas em humanos no estado de Alagoas. Diversitas Journal, v. 4, n. 1, p. 292-305, 2019. Disponível em: https://periodicos.ifal.edu.br/diversitas_journal/article/view/627. Acesso em 01 de junho de 2020.

SEGURADO, A. C.; CASSENOTE, A. J.; LUNA, E. A. Saúde nas metrópoles-Doenças infecciosas. Estudos avançados, v. 30, n. 86, p. 29-49, 2016. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142016000100029&script=sci_arttext. 09 de junho de 2020.

SOUZA, J. B. P. et al. Interações planta medicinal x medicamento convencional no tratamento da hipertensão arterial. Infarma Ciências Farmacêuticas, v. 29, n. 2, p. 90-9, 2017. Disponível em: http://revistas.cff.org.br/?journal=infarma&page=article&op=view&path%5B%5D=1900. Acesso em 03 de julho de 2020.

BRASIL. Política e Programa Nacional de Plantas medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 1° Edição, p. 01-192, 2016a. Disponível em: http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2018/01/politica_programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf. Acesso em 11 de maio de 2020.

BRASIL. Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 32, revoga a portaria de n° 1.271 de 06 de junho de 2014, p. 01-05, 2016b. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0204_17_02_2016.html. Acesso em 30 de setembro de 2020.

BRASIL. Portaria nº 264, de 17 de fevereiro de 2020. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, edição 35, p. 97, 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-264-de-17-de-fevereiro-de-2020-244043656. Acesso em 15 de setembro de 2020




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-595

Refbacks

  • There are currently no refbacks.